s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

A Dialética do Confinamento

A Dialética do Confinamento

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

O pensamento, como o próprio real, é dialético: a escolha de um caminho sempre revela mais sobre nós mesmos do que sobre a paisagem. A escuridão sempre ilumina o que está oculto na nossa alma. A confusão sempre expõe uma ordem implícita.

A crise do nosso tempo tem uma profundidade maior do que a sugerida pela tensão entre a perspectiva epidemiológica e a econômica. Quem procura compreendê-la e solucioná-la como uma mera questão de saúde pública ou de funcionamento das empresas ignora o que é essencial.

A crise que vivemos não começou em novembro de 2019. Ela já é antiga. Os caminhos que escolhemos seguir neste paroxismo da crise revelam a sua própria natureza.

Os caminhos que escolhemos para compreendê-la são os da ideologia médica e o da ideologia econômica. De um lado, o ser humano é reduzido à sua funcionalidade orgânica; de outro lado, é reduzido à sua dimensão de trabalho econômico. Mas esses dois caminhos ideológicos que estabelecem o campo da discussão possível em todos os lugares do mundo, na política e na academia, são simplesmente dois aspectos de uma mesma via: de um lado, o materialismo reducionlista biologizante; de outro, o materialismo reducionista econimicizante.

* * *

Esses dois caminhos surgiram no século XIX, mas têm raízes mais antigas. Eles são o fruto da perda da percepção da pluralidade do real no início da Modernidade. Um Descartes já não mais concebe o mundo como um Cosmos, mas como um Universo: a realidade já não se ordena em níveis nos quais cada campo segue as suas leis próprias, sob uma estrutura complexa que abriga uma verdadeira pluralidade do ser. Para um Descartes, o real não é múltiplo, mas simplesmente duplo: existem somente dois níveis de existência, o das coisas extensas e o das coisas pensantes, cada um com o seu próprio sistema absoluto de leis. E para um Galileu já não há nem mesmo essa dualidade: o que existe é o Universo, com o seu nomos singular que a tudo submete, sem exceção. É justamente esse nomos singular que se expressa hoje na busca dos físicos teóricos pela “Teoria do Tudo”.
Uma “Teoria do Tudo”, uma fórmula capaz de descrever a totalidade do Universo, é o Santo Graal da ciência moderna. A sua posse transformaria o homem em um verdadeiro “demônio de Laplace”, e nada, nos limites da possibilidade do próprio Universo, de nós estaria oculto nem a nós interditado.

Essa busca da ciência moderna parte da premissa de que a realidade é um Universo, um todo absoluto, em que todas as partes são uniformes e possuem somente uma dimensão ontológica: a dimensão física. Em outras palavras: ela parte da premissa metafísica de que toda a realidade é física e uniforme.

O problema é que essa metafísica monista é frágil: não existe nenhuma maneira de demonstrar a verdade dessa premissa. Não se pode provar que o Universo seja um absoluto, que ele seja uniforme, que as suas leis rejam todas as suas partes em todos os tempos e todos os lugares. Sobretudo, não se pode sustentar, senão como ato de pura fé, que toda a realidade (que inclui a matéria e a energia, mas também as relações sociais, os pensamentos, os símbolos, a literatura, a interpretação de um poema, a música de Bach, o heroísmo, o amor, e – notavelmente – a própria crença dos cientistas no valor da ciência) se resuma a um conjunto de leis físicas. Afinal, as próprias leis da física não são compostas de matéria e energia, mas são algo bem diferente; por evidência lógica, elas são necessariamente anteriores aos próprios elementos materiais e energéticos, que somente podem surgir a partir das normas que regem a sua própria existência.

* * *

A ideologia positivista sistematizada no século XIX por Auguste Comte, que se tornou o sacerdote supremo da religião cientificista que ele mesmo criou (e isso não é uma piada, ainda que seja), é o fruto mais vistoso da metafísica do monismo físico – que é a crença de que tudo é da ordem das leis físicas que regem o Universo, e que nada há fora desse Universo físico, absoluto e uniforme – e, ao mesmo tempo, a semente dos reducionismos ideológicos do século XX e XXI.
Esses reducionismos ideológicos, cuja expressão acadêmica mais óbvia é a cultura da hiperespecialização científica, impedem a abertura da visão do pesquisador: para o cientista, toda a realidade somente pode ser compreendida corretamente a partir do panorama visto do seu campo de pesquisa. Tudo o que há pode e deve ser descrito a partir de um núcleo reduzido de nomoi, não tomados como hipóteses e teorias limitadas, provisórias e sujeitas ao falseamento, mas como a própria estrutura absoluta e unitária do real.

* * *

A crise que vivemos é de natureza metafísica. Com a modernidade, abandonamos o Cosmos e ingressamos no Universo. Deixamos de viver num mundo cheio de moradas, em que havia o lugar ontológico de cada ser, para habitar um mundo em que a ciência e a técnica determinam o lugar da existência aceitável. A metafísica do Cosmos se tornou a metafísica do Universo, e a metafísica do Universo assumiu a posição de ideologia de fundo do nosso tempo.

De um Cosmos em que se reconhecia a dignidade do lugar de todos os seres – sejam humanos, animais, vegetais, simbólicos, divinos, oníricos -, um Cosmos em que experimentávamos com humildade o reconhecimento da nossa própria ignorância a respeito do modo de existência de todos os outros seres, nos mudamos para um Universo em que o valor da existência de todos os objetos – não mais seres, mas objetos à nossa disposição, mas recursos, como os recursos minerais, os recursos vegetais, os recursos animais e, vejam!, os “recursos humanos” – é medido de acordo com a sua utilidade para o desenvolvimento tecnocientífico. Em nome da tecnociência, sob a justificativa da saúde humana, sob a justificativa do desenvolvimento econômico, processamos e destruímos todos os seres – que não mais são vistos como seres com valor em si e por si, mas que se nos apresentam como coisas, como objetos, como recursos disponíveis a partir do seu valor heteronomicamente determinado pela axiologia metafísica da Modernidade.

E, em nome da Humanidade, ignoramos – porque a nossa ideologia do materialismo absoluto nos cega para tudo o mais – que não somente cada ser tem o seu modo e o seu lugar de existência, mas nós mesmos, seres humanos, existimos em vários planos simultaneamente. Não somos somente corpos orgânicos; não somos somente força de trabalho econômico. As dimensões da nossa existência são tantas que seria impossível apresentar uma lista exaustiva: somos, além de organismos vivos e de trabalhadores econômicos, também seres oníricos, músicos, amantes, descobridores, metafísicos, heróicos, sexuais, poéticos, simbólicos, afetivos…

* * *

Nesta crise, o reducionismo tecnocientífico se apresenta, qual Janus, sob duas faces, a médica e a econômica; mas ele é um único deus, ele é uma única ideologia. A questão de fato não é se vamos seguir os médicos ou os economistas. A questão é muito mais profunda.

Se não percebemos que essa crise não é simplesmente médica e econômica, mas metafísica; se não compreendermos que a origem dessa crise é a busca pelo crescimento infinito do poder tecnocientífico e econômico, e que nessa busca transformamos tudo – animais, minerais, símbolos, música, heroísmo, amor e nós mesmos – em recursos; se, em suma, continuarmos na estrada civilizacional que seguimos desde o início da Modernidade, encontraremos crises cada vez mais profundas, tão profundas quanto for a cisão entre a nossa ideologia – cuja natureza metafísica é monista e materialista – e a realidade plural que, queiramos ou não, exubera, cada vez mais violentamente, fora e dentro de nós.

* * *

Talvez esta crise momentânea dentro de uma crise muito maior, uma crise que já tem quatro séculos, possa revelar a muitos que o problema não é o vírus, mas o modo como temos experimentado a realidade.

Oxalá ao menos alguns de nós nos libertemos do reducionismo, do monismo, do materialismo de fundo da ideologia da Modernidade para, enfim, voltarmos a habitar num Cosmos plural – um cosmos em que, sobretudo, cada modo de existência tenha o seu valor em si, e nada tenha o seu valor estabelecido por nós em função unicamente da sua utilidade para nós.
Ao aceitarmos e convivermos com a pluralidade cosmológica que há fora e dentro de nós mesmos, talvez possamos redescobrir o Outro, um Outro que ultrapassa o limite do humano e que nos tornará, por isso, mais humanos.
E, assim, quem sabe descubramos o caminho para a redução das necessidades da nossa civilização, o caminho do decrescimento; esse é o caminho da suavização das crises estruturais da alma e da sociedade humana, porque é o caminho da vida em harmonia com o Cosmos – do qual tecnociência, indústria e economia, afinal, também são mundos, mas não são a totalidade do Mundo

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche