s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

A garota que não se calou

A garota que não se calou

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

A garota que não se calou

O título deste artigo é o mesmo de um livro publicado no Brasil em 2021, cuja história se passa na Nigéria, país de nascimento da autora Abi Daré, que mora há dezoito anos no Reino Unido, onde estudou direito na Universidade de Wolverhampton e fez mestrado em escrita criativa na Universidade de Birkbeck, em Londres.

Ganhador do prêmio The Bath Novel para manuscritos inéditos em 2018 e finalista do The Literary Consultancy Pen Factor no mesmo ano, A garota que não se calou trata da história de Adunni, uma menina que nasceu e cresceu em uma aldeia rural na Nigéria e que alimenta o desejo de estudar para poder encontrar sua voz e falar por si mesma.

Ao receber a indicação para ler o livro, não pude evitar uma associação com Eu sou Malala, um best seller que também tem por base a superação de diversos obstáculos para levar a cabo a vontade de estudar. São histórias ocorridas em lugares diferentes, a de Malala no Paquistão, país asiático dominado pelos talibãs, a de Adunni na Nigéria, país africano onde ainda prevalece em muitas regiões um patriarcado tóxico, ambas sobre meninas que lutam pelo direito de aprender.

Entre as inúmeras razões que fizeram com que A garota que não se calou passasse a figurar imediatamente num lugar de destaque entre os livros que mais me impactaram está o fato de permitir, sendo um livro de ficção, conhecer de perto a realidade de um país relevante, sobre o qual pouco se comenta no Brasil.

A esse respeito, vale a pena reproduzir uma citação contida no Prólogo (p. 7), extraída da 5ª edição (2014) de O livro de fatos da Nigéria: do passado ao presente[1]:

A Nigéria fica na África Ocidental. Com uma população de pouco menos de 180 milhões de pessoas, é o sétimo país mais populoso do planeta, o que significa que um em cada sete africanos é nigeriano. Sexto maior exportador de petróleo bruto do mundo, com um PIB de 568,5 bilhões de dólares, a Nigéria é o país mais rico da África. Infelizmente, mais de 100 milhões de nigerianos vivem na pobreza, sobrevivendo com menos de 1 dólar por dia[2].

Outras informações relevantes a respeito da cultura, da política, das crenças e tradições, das práticas e dos hábitos adotados na Nigéria são apresentadas como fatos nas epígrafes de alguns dos 56 capítulos do livro, contribuindo para uma melhor compreensão do país. Exemplos:

Sobre a cultura: “Com mais de 250 grupos étnicos, a Nigéria tem uma grande variedade de alimentos. Os mais populares incluem arroz jollof, espeto de carne grelhada e apimentada, chamada suya, e akara, bolinhos de feijão-fradinho que são uma iguaria” (Capítulo 29, p. 177); “Existem mais de 50 milhões de usuários de internet na Nigéria. A previsão é de que, até o ano de 2018, mais de 80 milhões de nigerianos estejam usando a internet, colocando o país entre os quinze maiores usuários do mundo[3]” (Capítulo 33, p. 202).

Sobre a economia: “A indústria cinematográfica da Nigéria se chama Nollywood. Com mais de cinquenta filmes produzidos semanalmente, a indústria vale cerca de 5 bilhões de dólares e é a segunda maior do mundo, atrás apenas de Bollywood, da Índia” (Capítulo 31, p. 192).

Sobre a política: “Os senadores nigerianos estão entre os legisladores mais bem pagos do mundo. Um senador ganha cerca de 240 milhões de nairas (1,7 milhão de dólares) por ano entre salário e benefícios” (Capítulo 36, p. 220); “Muhammadu Buhari [citado diversas vezes ao longo do livro] foi chefe de Estado da Nigéria de 1983 a 1985 [após um golpe militar contra Shehu Shagari][4]. Ele promulgou a Guerra contra a Indisciplina, uma lei lembrada por abusos de direitos humanos e restrição à liberdade de imprensa” (Capítulo 42, p. 261).

Sobre a corrupção: “Em 2012, estima-se que a Nigéria tenha perdido mais de 440 bilhões de dólares da receita do petróleo para a corrupção que ocorre desde a independência” (Capítulo 40, p. 237).

Sobre crenças e superstições: “Muitos nigerianos têm crenças supersticiosas sobre a gravidez. Uma delas é que prender um alfinete na roupa de uma mulher grávida afasta os maus espíritos” (Capítulo 38, p. 229); “O grupo étnico iorubá considera as crianças gêmeas uma bênção poderosa e sobrenatural, acreditando que trazem grande riqueza e proteção para as famílias em que nascem” (Capítulo 44, p. 281).

Sobre descumprimento de leis: “O governo nigeriano tornou o casamento infantil ilegal em 2003. No entanto, cerca de 17% das garotas do país, especialmente na região norte da Nigéria, se casam antes dos 15 anos” (Capítulo 35, p. 215); “Apresar da criação da Agência Nacional para a Proibição do Tráfico de Pessoas, em 2003, para combater o tráfico de pessoas e crimes relacionados, um relatório da UNICEF de 2006 mostrou que aproximadamente 15 milhões de crianças menores de 14 anos, principalmente garotas, estavam trabalhando em toda a Nigéria” (Capítulo 49, p. 306).

Todos essas informações relacionam-se, direta ou indiretamente, com aspectos da fantástica história de Adunni. Estimulada pela mãe, que morreu muito cedo e com quem tinha ótima relação, ela acreditava na educação como a única maneira de não se calar – de não perder a capacidade de falar por si mesma e decidir o próprio destino.

Com a morte da mãe, Adunni é, primeiramente, vendida pelo pai aos 14 anos para ser a terceira esposa de um homem ávido para ter um filho do sexo masculino. Como terceira esposa, ela é tratada como serva pelo marido e perseguida pela primeira esposa. Na sequência, ela consegue fugir do casamento arranjado, mas acaba sendo vendida para uma família rica que mora em Lagos, na qual é explorada, surrada e humilhada pela patroa, além de sofrer frequentes ameaças do patrão de assédio sexual.

Apesar de todas as adversidades, Adunni mantém a perspectiva de voltar a estudar, a fim de escapar da vida em que nasceu e de construir o futuro que escolheu para si mesma, bem como de contribuir para que outras meninas como ela possam ter uma história diferente.

Por todas essas razões, recomendo vigorosamente a leitura de A garota que não se calou, um retrato da triste realidade ainda existente em várias partes do mundo, mas, ao mesmo tempo, uma semente de esperança sobre a possibilidade de sua superação.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências

DARÉ, Abi. A garota que não se calou. Tradução de Nina Rizzi. Campinas [SP]: Verus, 2021.

YOUSAFZAI, Malala; LAMB, Christina. Eu sou Malala: a história da garota que defendeu o direito à educação e foi baleada pelo talibã. Tradução de Caroline Chang, Denise Bottmann, George Schlesinger e Luciano Vieira Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 2013.

[1] No final dos Agradecimentos (p. 351), a autora informa que O livro de fatos da Nigéria: do passado ao presente não é real: os fatos nele reunidos estão todos disponíveis na internet.

[2] Dados mais recentes do Banco Mundial de 2021 indicam que a população da Nigéria é de 213,4 milhões de habitantes e que o PIB é de 440,8 bilhões de dólares.

[3] De  acordo com um relatório produzido em janeiro de 2022 pela Data Reportal, a Nigéria segue ocupando o topo da lista dos países africanos com mais usuários de internet, com cerca de 109,2 milhões.

[4] Muhammadu Buhari foi eleito presidente em 2015, governando novamente a Nigéria até o início deste ano. Nas eleições realizadas em fevereiro de 2023, foi eleito Bola Tinubo, também do partido governista Congresso de Todos os Progressistas (APC).

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado