s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

A quem interessa a política do ódio?

A quem interessa a política do ódio?

Gustavo Bertoche - É preciso lançar pontes. -

O ódio político que floresce no nosso tempo tem causado mal a todos nós – e ainda mais a quem realmente acredita nas narrativas políticas, em qualquer narrativa política.

É preciso perceber que ambos os lados de um ambiente agressivo se beneficiam da tensão política que criam. A dança macabra entre as lideranças da esquerda e da direita é o que mantém viva a política do desprezo e do ressentimento.

E os propositores e perpetuadores da política do ressentimento, à esquerda e à direita, utilizam-se de todos os meios possíveis para tentar controlar toda a nossa vida social.

Isto é: os líderes da esquerda e da direita inventam todos os dias novas palavras de ordem, novos gatilhos ideológicos, para nos submeter – nós, os mantenedores das elites político-burocráticas; nós, os servos dos donos do poder (lembram-se do que diziam C. Wright Mills e Raymundo Faoro?). E assim acabam por nos aprisionar numa guerra que não é nossa, por meio das nossas próprias demonstrações públicas de medo, ira e intolerância, os “dois minutos de ódio” (Orwell) que se tornaram quase obrigatórios no nosso mundo.

Félix Guattari trata dessa polarização política em um texto de “As verdades nômades”. Ele se refere à polaridade geopolítica, mas o que diz cabe perfeitamente no caso da política brasileira contemporânea.

“Pergunto-me às vezes se as liberdades nas nossas sociedades – aliás, imprudentemente chamadas de ‘pós-industriais’ – não estão fadadas a sofrer uma erosão irreversível devido a certa elevação global da entropia do controle social. Mas esse sociologismo melancólico só me vence nos dias de depressão! Refletindo mais serenamente, não vejo nenhuma razão para vincular um tal destino repressivo à proliferação de maquinismos de informação e de comunicação nas engrenagens da produção e da vida social. Não. É outra coisa que distorce tudo. Não é o ‘progresso’ técnico-científico, mas a inércia de relações sociais ultrapassadas. A começar pelas relações internacionais entre os blocos! A começar por essa corrida permanente às armas, que vampiriza as economias e anestesia os espíritos! Então eu penso que a tensão internacional talvez seja menos um antagonismo permanente entre as duas superpotências – como somos levados a crer – que um meio de que se valem, precisamente, para ‘disciplinar’ o planeta. Em suma, os dois chefes de polícia se dividiram em papéis complementares. Não como no teatro de marionetes, pois aqui os golpes doem muito, mas para aumentar a tensão no sistema, e de tal forma que os fatores de hierarquização do conjunto de seus componentes militares, econômicos, sociais e culturais se encontram exacerbados. Ou seja, lá no alto, no Olimpo dos deuses da guerra, muito barulho, muitas ameaças (e, infelizmente, também muitas coisas realmente perigosas) para que, abaixo, em todos os níveis, a criadagem se mantenha calada!”

(Negri, Antônio; Guattari, Félix. As verdades nômades: por novos espaços de liberdade. Trad. Mario Antunes Marino e Jefferson Viel. São Paulo: Politeia, 2017, p. 132)

* * *

Como podemos não ser meros peões no jogo das elites político-burocráticas?

Talvez por meio do silêncio, quando todos à nossa volta gritam;

da reflexão, quando todos à nossa volta se recusam a pensar;

da ironia, quando todos à nossa volta querem crer;

da galhofa, quanto todos à nossa volta levam a sério as palavras de ordem;

e da coragem da solidão, quando todos à nossa volta desejam ardentemente participar do rebanho.

Ver Todos os artigos de Gustavo Bertoche