s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

A armadilha

A armadilha

Luciano Pires -

E a Câmara dos Deputados desarmou uma armadilha que estava sendo colocada no caminho do Brasil: tornou explicitamente constitucional a doação de empresas privadas para partidos em campanhas eleitorais. Vou aproveitar parte de um texto que escrevi a respeito em 2013:

O raciossímio era o seguinte: quando os partidos recebem doações de empresas privadas ou indivíduos, fica muito fácil que gente má desvie o dinheiro para atender a interesses partidários ou pessoais, comprar favores, enriquecer, reforçar posições de poder e outras coisinhas mais. E, principalmente, os doadores de hoje são os cobradores de favores amanhã, provocando fraudes em licitações, venda de serviços e produtos superfaturados ou desnecessários e todo aquele cardápio da corrupção que já conhecemos.

Conclusão: se o dinheiro em vez de privado for público, a farra acaba.

Em 2014 tivemos pouco mais de 140 milhões de eleitores. Conforme o projeto do financiamento público de campanhas, que teve a mecânica publicada no site da Câmara dos Deputados em 2005, fiz um exercício simplório pra ver quando cada partido receberia. Olha só.

Em 2005 ficou definido que 7 reais por eleitor determinariam o valor total do fundo partidário a ser dividido. Mas isso era em 2005. Corrigido bem por baixo aqueles 7 reais, chegaremos hoje em 11 reais. Teremos então R$ 11 x 140 milhões de eleitores = R$ 1.540.000.000 (um bilhão e quinhentos e quarenta milhões de reais) compondo o tal fundo partidário para financiar as campanhas em ano eleitoral. 85% dessa bolada deveriam ser divididos proporcionalmente aos votos de cada partido. Vou colocar apenas os sete primeiros maiores partidos, com base nos votos que receberam nas últimas eleições. O valor é milhões de reais:

PT: 263; PMDB: 216; PSD: 134; PSDB: 127; PP: 119; PR: 95; DEM: 84.

O fato que o PT seria de longe o maior beneficiado com 263 milhões de reais é apenas coincidência, viu?

Resumindo: R$ 1,54 bi é o valor que sairia do nosso bolso para financiar as campanhas políticas dos partidos. Mas segundo publicado na imprensa, o total gasto nas campanhas de todos os candidatos a deputados, senadores, governadores e presidente em 2014 foi de R$ 5,1 bilhões.

Então vamos lá: 5,1 que foram gastos menos 1,54 do tal fundo partidário dá 3,56 bilhões. Essa é a diferença que os partidos teriam que buscar em algum lugar. E olhe que sou bobinho e considerei que aqueles 5,1 são expressão da verdade. Há quem garanta que somando os por fora a conta chegue nos 10 bi. Eu acredito nisso.

Hoje uma parte do financiamento de campanha é feita através de doações privadas e legais de empresas e pessoas. Mas é a menor parte. A maior parte, e o escândalo do Petrolão está aí para mostrar, é feita através de doações ilegais vindas de desvios de obras superfaturadas, doações de empresas por baixo do pano e nem quero pensar de onde mais. É aquilo que Delúbio Soares imortalizou como “recursos não contabilizados”…

Desenhando: viriam 1,54 bi de dinheiro público. As doações legais de empresas estariam proibidas. Doações de pessoas físicas continuariam permitidas. Se cada um dos 200 milhões de brasileiros doasse R$ 18 reais, os 3,56 bilhões seriam arrecadados, que tal?

– Ah, Luciano, mas as campanhas serão mais baratas!

É? Você acredita nisso? E se forem mais baratas, serão mais baratas quanto? 50%? 70%? A conta não fecha de jeito nenhum.

Pelo raciossímio dos que ainda defendem a proibição das doações privadas, nenhum partido ou candidato buscaria uma graninha extra com empresas interessadas em ajudar. Não fariam mais caixa dois e, depois de eleitos, não beneficiariam quem os ajudou a se eleger.

E assim acaba a corrupção. Seu idiota.

Ufa! Essa armadilha foi desarmada, mas fique esperto! Ainda há milhares pelo caminho.