s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

As Trombadas

As Trombadas

Luciano Pires -

Estive dezenas de vezes em diversas cidades dos EUA, onde volta e meia me deparava com acidentes de trânsito. Nunca eram pequenas batidas, mas escandalosos acidentes com automóveis destruídos e vítimas fatais, coisas graves mesmo. Eu examinava os arredores: o pavimento perfeito, a sinalização perfeita, áreas de escape à vontade e uma profunda disciplina com respeito às leis de trânsito. Quem já enfrentou um cruzamento sem farol nos EUA e viu cada um respeitando a hierarquia do outro sabe do que estou falando. Por isso eu nunca me conformava:

– Cada baita trombada, sô!

Concluí que a razão é uma só: eles não sabem dirigir defensivamente. Atiram-se às ruas confiando cegamente nos outros motoristas. Têm certeza que ninguém mudará de faixa, ninguém ultrapassará pela direita, ninguém cruzará o sinal vermelho, ninguém trafegará acima do limite. Quando surge um fariseu quebrando as regras, pega todos desprevenidos. Não há tempo para brecar, desviar ou simplesmente deixar passar. E então acontecem as colisões. Aliás, as “trombadas”, como se dizia em Bauru.

Quando comparo com o Brasil, não deixo de me divertir. Aqui aprendemos a dirigir defensivamente. Temos certeza que o outro motorista vai mudar de faixa. Que um maluco vai cruzar o farol vermelho. Que um idiota vai ultrapassar pela direita. Que um motoqueiro vai sair do nada pra entrar debaixo do nosso carro. Que o caminhão estará em banguela na descida. Estamos sempre preparados para o pior. Quando batemos, não são “trombadas”. São colisões. Um amassado aqui, um arranhão ali, discussões, encheção de saco  – e a vida continua.

Pausa. Preciso colocar aqui um “existem exceções” que evitará que uns chatos me encham a caixa postal de emails repletos de “mas”.

Voltando ao tema: brasileiros sempre esperam pelo pior. Nossos processos e atitudes sempre têm uma “saída pela esquerda”. Sempre há um “colchão”. Guardamos sempre uma gordurinha para queimar, uma alternativa para adotar, uma saída de emergência. Nunca somos enxutos, definitivos ou focados em alvos milimétricos. Nossos alvos são grandes, podemos acertar no centro, nas margens… E assim vamos vivendo, com o famoso jogo de cintura que às vezes chamamos de “jeitinho”.

Quando damos de cara com um estadunidense, japonês ou alemão, é conflito na certa. Esses caras são “sharp”. Não têm margens para manobra. Quando têm, as margens fazem parte do plano. Os gringos têm uma expressão (“just in case”) que equivale ao nosso “vai que”, que eles usam para as exceções. Nós usamos como regra…

Vejo um pouco dessa nossa “flexibilidade” nos italianos, portugueses e latinos em geral. Mas no Brasil ela é meio de vida.

Portanto não é de estranhar que na tal crise global assistimos os EUA e a Europa entrando pelo cano desesperados enquanto aqui vamos levando a coisa com relativa calma. E, por favor, não venham me dizer que o mérito é do Lula. O mérito é de nossa direção defensiva. A gringalhada nunca se preparou para a crise. Nós nascemos nela. Vivemos com ela. Precisamos dela.

O que fazer? Manter o seguro em dia, os reflexos em forma e torcer para que o trânsito melhore. E nunca, jamais, cismar de dirigir aqui como os gringos fazem lá.

Nada disso garante que vamos escapar das trombadas. Mas ajuda para que sejam só trombadinhas.

Xi!…