s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

É a credibilidade, estúpido.

É a credibilidade, estúpido.

Luciano Pires -

“Se os fatos não se encaixam na teoria, modifique os fatos.” Albert Einstein.

Governos arrecadam impostos e com eles pagam as contas. O dinheiro que sobra depois de pagar as despesas, exceto os juros da dívida pública, é o tal superávit primário. E se o governo pagou tudo, menos os juros da dívida, o superavit é exatamente para isso: pagar os juros da dívida.

O resultado primário, seja ele superávit ou déficit, é um indicador de como o governo está administrando suas contas.

Mas o que é essa tal de dívida pública? O governo toma dinheiro emprestado para financiar parte dos gastos não cobertos com a arrecadação de impostos, e para a gestão financeira do dia a dia. Essa é a dívida pública, que pode ser interna (quando o credor está dentro do país), ou externa (fora do país). Esses credores são bancos públicos ou privados, investidores privados, instituições financeiras internacionais e governos de outros países.

O Presidente da República, por meio da Secretaria do Orçamento Federal, redige a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO), que é o instrumento legal e normatizador que orienta a elaboração e execução do Orçamento Anual. Além de tratar de gastos com pessoal, alterações tributárias e política fiscal, a LDO determina a meta do superávit primário. Fixada em lei, essa meta é um compromisso que o governo assume, ao dizer para seus credores: “Fiquem tranquilos que teremos dinheiro para pagar vocês.”

Em 2014 a meta oficial era de R$ 116,1 bilhões para o governo federal, incluindo as estatais. E aí começou a criatividade… Desse valor poderiam ser deduzidos R$ 67 bilhões aplicados no PAC e e nas reduções de impostos e tributos que o governo faz para determinados setores da economia, como por exemplo o IPI dos automóveis, as chamadas desonerações. Assim, a meta oficial para o superávit primário caiu para R$ 49,1 bilhões.

No entanto, já prevendo que a meta não seria alcançada, o governo reduziu os R$ 116,1 bi para R$ 80 bi, com possibilidade de abatimento de cerca de R$ 35 bi. O superávit primário que deveria ser de 3,1% do PIB (Produto Interno Bruto), caiu para 1,9%. E a turma começou a ficar (mais) desconfiada.

Esta semana o governo encaminhou para o Congresso um projeto de lei que aumenta o limite do abatimento com os recursos investidos no PAC e desonerações. Até outubro o governo realizou em pagamentos do PAC e desonerações, R$ 127 bilhões. Olha só: 127 menos 80, “sobram” 47 bi. O governo poderá então terminar o ano com um déficit primário, que será maquiado, escondido por uma manobra.

Querem mudar as regras no final do jogo.

É o fim do mundo? Não. EUA, Canadá, México, Argentina, Reino Unido, França e China, por exemplo, tiveram déficits em vários momentos nos últimos anos. Onde é que o bicho pega então?

Na credibilidade. Há tempos vários organismos nacionais e estrangeiros já apontaram que o Brasil não cumpriria a meta. E foram chamados de agourentos pelos simpatizantes do governo.

O governo fixou uma meta, mudou-a duas vezes e agora, aos 43 do segundo tempo, vem dizer que não há mais meta. E, questionado, diz: “Ah, mas os outros também não vão cumprir…”.

Pois é. Tem gente que fica satisfeita com essa “explicação”, sem saber que essa quebra de compromisso pode ser enquadrada como crime de responsabilidade…

O governo não sabe se terá receita primária suficiente para pagar todos os compromissos, inclusive os juros da dívida pública. E não admite isso. E cria truques para esconder os resultados ruins. Para os credores da dívida, a capacidade que o governo tem de honrar seus compromissos é incerta, o planejamento é incerto, a competência é incerta, a capacidade de controlar as contas é incerta. A transparência é incerta. E diante dessa imprevisibilidade, passam a ter razões para tratar o governo como um potencial caloteiro.

– Maria, o Luciano prometeu, não vai cumprir e tenho a impressão que está querendo me enrolar.

– Acho que ele não é capaz de administrar suas contas, José.

– O que faremos?

– Corta o crédito dele!

É a credibilidade, estúpido.