s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Esperanças perdidas

Esperanças perdidas

Luciano Pires -

É impressionante. O mundo está caindo para o PT e seus amigos, alguns de seus mais importantes membros na cadeia, um escândalo estourando a cada dia, a economia à deriva, promessas de campanha sendo descumpridas a cada segundo, a incompetência explícita a cada ato… é o caos. E muitos LGPTs, ou Leais Guerreiros do Partido dos Trabalhadores, estão pulando fora do barco. Mas há aqueles que insistem em se manter na defesa do indefensável.

As mídias sociais estão infestadas deles. Eu mesmo tenho em minha página no Facebook alguns petistas de estimação que cumprem o precioso papel didático de explicitar as artimanhas da esquerda para praticar seus duplos saltos carpados retóricos, invertendo sentidos, assumindo-se vítimas e justificando crimes com base em crimes anteriores. É até cansativo. Alguns são pessoas inteligentes, articuladas, o que torna ainda mais incompreensível a insistência em justificar o injustificável.

Tentando encontrar uma explicação para essa espécie de psicose, recorri ao trabalho de Elisabeth Kluber-Ross, psiquiatra suíça-americana que estudou o comportamento das pessoas próximas de situações de morte. Elisabeth escreveu um livro famoso chamado Sobre a Morte e o Morrer, no qual apresentou sua teoria sobre os cinco estágios do luto.

Elisabeth explica como as pessoas lidam com as perdas e seu trabalho serve para entender o que acontece com muita gente que acreditou em promessas de políticos e agora se vê diante do esfacelamento dos sonhos, das esperanças perdidas.

Vamos aos cinco estágios:

Fase 1: Negação. A pessoa nega a existência do problema, não acredita nas informações que recebe e busca a todo instante argumentos para provar que a informação não é real. Não adianta mostrar provas irrefutáveis, ela simplesmente não acredita, evita as informações ou até mesmo a falar sobre o assunto. O mote é “Não é possível! Isso não pode estar acontecendo!”

Fase 2: Raiva. A pessoa fica revoltada e manifesta um profundo ressentimento. Projetando sua raiva em terceiros, perde a cabeça ao falar do assunto, se faz de vítima, se diz injustiçada, recusa-se a ouvir conselhos. Ou simplesmente agride o mensageiro das ” más notícias”. O mote é : “Não é justo! Por que só comigo?”

Fase 3: Negociação. A pessoa tenta negociar algum acordo para que as coisas voltem a ser como antes. Normalmente é uma negociação interna, não raro envolvendo aspectos de fé e religiosidade, com promessas e pactos. O mote é: “Vou pensar no lado positivo, nas coisas boas, assim o assunto se resolve.”

Fase 4: Depressão. É quando, diante da absoluta impossibilidade de negar o óbvio, bate o sofrimento, a tristeza, a desolação, o medo. O indivíduo se recolhe, tenta permanecer isolado, em introspecção, sente-se incapaz de lidar com a situação. O mote é: “Nada mais dará certo, não há porque tentar reagir.”

Fase 5: Aceitação. Pronto. Com as emoções não mais à flor da pele, a pessoa se vê em condições de enfrentar o problema, busca ajuda de terceiros e planeja para enfrentar a crise. O mote pode ser: “Aprendi a lição, acho que posso superar isso.”

O processo dos cinco estágios do luto pode ser aplicado aos viúvos e viúvas daquele PT (e afiliados) que prometia o céu, se dizia diferente de todos e agora faz de tudo para se mostrar igual a todos.

Sabe aquele seu amigo nervoso? Ou amiga nervosa? Aplique os cinco estágios do luto nele ou nela. Você vai compreender em que estágio a pessoa se encontra e talvez possa ajudá-la a enfrentar as próximas notícias que vêm por aí. Afinal, são seres humanos e ninguém merece sofrer assim.

Mas fique esperto. Esse processo não é linear, a pessoa pode passar por uma fase e retornar à ela, ou simplesmente permanecer estagnada.

Conheço vários que jamais chegarão à fase da aceitação.