s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

No outono da vida

No outono da vida

Luciano Pires -

Enquanto escrevo estas linhas, no dia 23 de julho, recebo a notícia que Ariano Suassuna faleceu, compondo um quadro triste de perdas: dia 18 foi João Ubaldo Ribeiro e dia 19, Rubem Alves. Grandes nomes da cultura brasileira estão desaparecendo e parece que a velocidade das perdas tem aumentado. Será só impressão?

Vamos ver.

Puxando rapidamente pela memória, João Ubaldo se foi aos 73, Rubem Alves aos 80. Pouco antes perdemos Millôr Fernandes com 89, Max Nunes com 92 e Chico Anysio com 81. Com essas idades, é natural que essas pessoas estejam morrendo, mas ao mesmo tempo é preocupante.

Farei então uma reflexão estatística com base em dados que encontrei em fontes diversas, sem nenhuma preocupação científica. Estou interessado apenas no exercício da especulação criativa.

Alguns estudos indicam que 54% dos mortos no Brasil têm 60 anos de idade ou mais, todos naquele período da existência que costumávamos chamar de “outono da vida”. Existe um site que calcula por meio de estimativas estatísticas quantas pessoas morrem em média por dia ( http://bit.ly/VuJuKG ). Com base nele é possível estimar que tenhamos 1.308.547 mortes por ano no Brasil. Aplicando aquele índice de 54% chegamos à cifra anual de 706 mil mortos com mais de 60 anos.

Vivem no Brasil 25 milhões de pessoas nessa faixa de idade. Se 706 mil morrem por ano, temos um índice 2,8% de mortes. Esse índice para quem tem entre 20 e 59 anos de idade é de cerca de 0,4%. Ou seja: se você já passou dos 60 anos de idade, tem sete vezes mais probabilidade de morrer que seu filho de 30.

Óbvio, não é? Mas duvido que você já tivesse feito esses cálculos. Mais uma vez: isso é apenas uma especulação sem valor científico, mas que aposto não estar muito longe da verdade.

Muito bem. Provado matematicamente que qualquer pessoa que passe dos 60 anos de idade aumenta consideravelmente a chance de morrer, se prepare. Vou relacionar aqui umas pessoas de vários setores distintos da sociedade que já entraram na faixa de risco:

Caetano Veloso 72, Gilberto Gil 72, Roberto Carlos 73, Chico Buarque 70, Rita Lee 67, Silvio Santos 84, Jô Soares 76, Cauby Peixoto 80, Ferreira Gullar 84, Fernando Gabeira 73, Antonio Abujamra 83, Bibi Ferreira 92, Luís Fernando Veríssimo 76, Paulo Coelho 67, Ziraldo 82, Mauricio de Souza 79, Alberto Dines 82, Arnaldo Jabor 74, Marilia Gabriela 66, Abilio Diniz 78, Edir Macedo 69, Paulo Maluf 83, Fernando Henrique Cardoso 83, Lula 69, José Sarney 84, Fernando Collor de Mello 65, Dilma Roussef 67, José Dirceu 68… e por aí vai.

Para que nenhum pocotó entenda que estou desejando a morte das pessoas que listei acima, por mais tentador que possa ser em alguns casos, peço que leia de novo o texto. Se não entender, peça para alguém explicar.

Conclusão: os próximos anos estarão repletos de perdas impactantes, o que é absolutamente natural.

O que preocupa é a reposição.

Luciano Pires