s
Artigos Café Brasil
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 745 – Superhomem
Café Brasil 745 – Superhomem
O programa de hoje passa por igualdade de gêneros. E ...

Ver mais

Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Café Brasil 744 – Sinalização de virtude
Você já ouviu alguns ditados como “faça o que digo, não ...

Ver mais

Café Brasil 743 – A inveja
Café Brasil 743 – A inveja
Olha, tá pesado, viu? A cizânia plantada na sociedade ...

Ver mais

Café Brasil 742 – Além Mar
Café Brasil 742 – Além Mar
O Pedro Hipólito tem um podcast produzido de Portugal ...

Ver mais

LíderCast 209 – Gabriel Lima
LíderCast 209 – Gabriel Lima
CEO da Enext e uma das mais jovens referências nos ...

Ver mais

LíderCast 208 – Alon Lavi
LíderCast 208 – Alon Lavi
Bacharel em Engenharia Biotecnológica na Universidade ...

Ver mais

LíderCast 207 – Danilo Balu
LíderCast 207 – Danilo Balu
escritor, formado em educação física, corredor, que ...

Ver mais

LíderCast 206 – Alessandro Loiola
LíderCast 206 – Alessandro Loiola
Médico, segunda aparição no LíderCast, por conta de seu ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

A montanha-russa peruana
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A montanha-russa peruana Peru em flashes  “Desde a década de 1970, a democracia na América Latina cresceu num clima internacional favorável, mas suas vantagens são prejudicadas pela fraqueza de ...

Ver mais

A nova esquerda e a ideologia ultraliberal
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Amigos, a nossa alienação nunca está onde nós acreditamos que ela esteja: a nossa alienação está justamente onde temos certeza de que enxergamos a realidade.   Digo isso porque percebo, em boa ...

Ver mais

A gangorra da concentração no setor bancário
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A gangorra da concentração no setor bancário  “Concorrência é como um jogo de tênis. Não tem contato físico. Não podemos impedir que ela crie jogadas e produza. Temos que ser eficientes em nosso ...

Ver mais

A Dialética do Confinamento
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
O pensamento, como o próprio real, é dialético: a escolha de um caminho sempre revela mais sobre nós mesmos do que sobre a paisagem. A escuridão sempre ilumina o que está oculto na nossa alma. A ...

Ver mais

Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Cafezinho 336 – Dê uma chance pra sorte
Não dá pra provocar a sorte. Mas dá pra dar uma chance ...

Ver mais

Cafezinho 335 – Identidade
Cafezinho 335 – Identidade
Não me reconheço mais neste povo incompleto e perdido, ...

Ver mais

Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Cafezinho 334 – Eu vi Rivellino jogar
Eu vi Rivellino jogar. E isso me afastou do futebol.

Ver mais

Cafezinho 333 – O mentor
Cafezinho 333 – O mentor
De onde veio o termo "mentor", que designa uma espécie ...

Ver mais

Os suspeitos

Os suspeitos

Luciano Pires -

Na TV Record, reportagem mostra bandidos mantendo dois jovens como reféns numa loja. Na imagem em quase close, os bandidos aparecem com uma pistola e uma faca, ameaçando matar as vítimas. A negociação dura mais de uma hora até que, ajudada por parentes dos bandidos, a polícia rende os vagab… ops! os infratores. E a repórter da Record informa:

– Os suspeitos estão algemados e são colocados no camburão.

“Suspeitos?”. O que será que os bandidos deveriam fazer para deixar de ser “suspeitos”?

Isso me lembrou de um texto publicado no www.sandrofortunato.com.br chamado MANIA DE SUPOSTO:

“Suposto(a) foi a palavra mágica que a imprensa resolveu adotar para minimizar – ao menos para si mesma no caso de processos – os males causados pelo débil jornalismo que vem sendo feito na última década e meia. O denuncismo (mais que uma mania, uma praga), a sede louca por apontar coisas erradas, fez esquecer um dos princípios básicos do jornalismo: apurar a veracidade de uma informação. E para não voltar a ter esse trabalho, a saída foi passar para o campo da suposição.

Se tudo é hipotético, o que está sendo feito é ficção. O suposto assassino…, a suposta propina…, o suposto caso…, o suposto uso irregular… Isso é fofoca disfarçada de jornalismo. Nada é apurado. Nada é checado. Nada é confirmado. Joga-se o ‘suposto’ no ar e, se não for verdade… quem disse que era? Era apenas suposição.

O emprego do termo não blinda a imagem de ninguém no caso de a suposição vir a se mostrar inverídica. Por outro lado, se é verdadeira, não tem credibilidade alguma, afinal, não passa de uma teoria sem comprovação.

Por supuesto, o suposto é mais uma forma de empobrecer o já lastimável jornalismo que vem sendo feito desde os anos 1990. Qual será a próxima degradação?”

O Sandro fala do uso do “suposto” como uma garantia por jornalistas com preguiça de apurar. Mas acho que é mais que isso. Até hoje tem gente que fala do “suposto” mensalão.

Aquela jornalista da Record foi muito mais longe. Diante da imagem dos bandidos, ali ao vivo, com a arma apontada para a cabeça das vítimas, ameaçando matá-las, chamou os vagab… ops! infratores, de “suspeitos”. O “suposto”, assim como o “suspeito”, se é que um dia foi ferramenta para proteger os preguiçosos de acusações de erro, hoje representa um dos problemas fundamentais de nossos dias: a incapacidade de chamar as coisas pelo nome que elas têm.

Suspeito que isso não tenha nada a ver com “garantia contra um erro futuro”. Nem com preguiça. Tem a ver com engenharia social, com manipulação ideológica, com a Janela de Overton.

Mas pensando bem, no fundo, no fundo, não suspeito.

Tenho certeza que tem a ver com burrice.

Luciano Pires