s
Artigos Café Brasil
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Sobre posse e acesso

Sobre posse e acesso

Luciano Pires -

Lancei um sistema de assinaturas para o Podcast Café Brasil, um modelo no qual o interessado paga mensalmente dez reais e baixa os mesmos quatro programas semanais que sempre recebeu gratuitamente.

– Luciano, a pessoa paga para receber o que pode ter de graça? Tá ficando louco?

Bem, a proposta é a seguinte: aquilo que você acha que agrega valor em sua vida merece ser remunerado. Se você obtém conteúdo, aprende, cresce, se diverte com os artigos daquele blog, os vídeos daquele youtuber, os posts daquele crítico ou os áudios daquele podcaster, por que não remunerar o trabalho dele/dela?

Como era de se esperar, a discussão foi grande, mas três meses depois de lançar a assinatura, temos hoje 400 pagantes que fazem parte da Confraria Café Brasil e que recebem, mensalmente, além dos 4 programas, alguns presentinhos: uma versão especial do programa, e-books, ingressos para eventos, arquivos exclusivos e mais coisinhas que vêm por aí. Uma forma de agregar ainda mais valor à assinatura.

Os comentários que esses pagantes fazem são fascinantes. Praticamente todos falam da gratidão pelos benefícios que o Podcast traz, da satisfação de contribuir, de se sentir parte de um processo e que eu nem deveria me preocupar em enviar presentinhos extras.

E eu acho o máximo. Aliás, faço o mesmo com meia dúzia de outros produtores de conteúdo com os quais colaboro religiosamente.

No meio da discussão, recebi um comentário do ouvinte Milton Braga:

– O problema dos podcasters é que seu produto não vem numa caixinha, nem é colocado numa vitrine de shopping. Se fosse, acredito que as pessoas estariam pegando empréstimo para comprá-lo. Não sabem elas que seu “produto” é muito mais importante e vai durar muito mais que uma bolsa de marca famosa que hoje a atriz da novela das 8 usa.

Pois é… O Milton fala de percepção de valor, de um tema que me fascina, a transição do nosso atual modelo de “posse” para “acesso”. Não discuto na hora de pagar dez reais numa lata de cerveja quente na balada, quinze reais para estacionar o carro, dez reais para o flanelinha, trezentos reais numa bermuda, dois mil reais num aparelho celular, mas não aceito pagar para ler um artigo, para ouvir um programa. Só dou valor àquilo que posso pegar, ver, guardar no armário. Só valorizo a posse.

O sujeito paga 50 reais por um DVD que ficará parado num canto, empoeirando, mas resiste pagar menos de 20 reais pela assinatura mensal da Netflix, que não ocupa espaço e lhe permite assistir filmes infinitamente… A caixinha de plástico, a embalagem, o CD em mãos, a sensação de que ele é só seu, essa é a percepção de posse que está mudando, especialmente em razão da tecnologia, e que alterará completamente nossos hábitos de consumo.

Passa a valer não a posse, mas o usufruto dos benefícios que o produto traz. Não quero ser dono da caixinha ou do disco de plástico, que gasta recursos e energia para ser produzido, ocupa espaço, gera embalagem que tenho que jogar fora… Quero é o prazer de assistir ao filme quando e onde quiser, apenas apertando um botão. Não preciso do filme, preciso do acesso a ele. Não preciso do automóvel, preciso ser levado de um lugar para outro.

É essa percepção da posse, que é milenar, que começa a mudar, e juntamente com ela, nossos hábitos de consumo. Aplicativos como o Netflix, serviços como o Uber  e assinaturas como as que eu propus para o Podcast estão quebrando resistências, mudando culturas e criando uma nova espécie de consumidores.

Os que aprenderam a valorizar o acesso, não a posse.