Artigos Café Brasil
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Cafezinho 298 – Jogando luz sobre a incerteza
Os dias de incertezas que hoje vivemos, estão repletos ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Terezinha de Santana

Terezinha de Santana

Luciano Pires -

Então recebo um Whatsapp de meu editor falando de uma senhora de 74 anos de idade que ligou para ele a partir do telefone que encontrou em meu livro ME ENGANA QUE EU GOSTO. Ela queria saber do Programa Café Brasil que desapareceu da Rádio Mundial nos domingos às 16 horas. Tentou ligar para a rádio, sem sucesso, e então se lembrou do livro.

Peguei o telefone e liguei para a dona Terezinha.

Ela mora sozinha no bairro de Santana, não tem computador e nem mesmo celular, e não suporta mais assistir televisão. Então ouve rádio. E aos domingos, era sagrado: 16 horas era hora do Café Brasil. Até a rádio mudar o horário para 21 horas do domingo, provavelmente sem avisar os ouvintes. E muitos ficaram órfãos.

Liguei para ela:

– Dona Terezinha? Bom dia, boa tarde, boa noite!

– Ah! Eu sei quem você é!

E ela se desmancha… diz que adorava o programa, que aprendeu muito, que pediu para a filha comprar meu livro, que ficou sem o programa, que isso e aquilo. Enquanto ela falava eu imaginava a cena. Domingo a tarde, ela sentada sozinha na cozinha, provavelmente com uma xícara de chá, ouvindo atentamente o rádio que toca o Café Brasil.

– Bom dia, boa tarde, boa noite, este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires…

Provavelmente ela repete mentalmente a introdução tão familiar.

Faço o programa imaginando que alguém com 30 anos de idade, cheio de energia e planos está me ouvindo… Essa imagem da velha senhora jamais passou pela minha cabeça.

Ouvir Dona Terezinha feliz ao telefone, entusiasmada até, com a possibilidade de voltar a ouvir o programa e com a perspectiva de que um dia a filha a visite no final de semana e tenha tempo para ensiná-la a usar o tablet no qual ela joga seus joguinhos, para ouvir o Café Brasil, explodiu minha cabeça. Eu aqui mergulhado em afazeres, produzindo conteúdo, palestrando, agitando… e ela lá esperando. Esperando o programa, esperando a filha, esperando a vida. Ela disse que tem amigas com as quais compartilha o programa, e isso abriu a possibilidade de que seja uma pessoa ativa e vivendo a vida plenamente. Mas a imagem que ficou em minha mente foi outra: aos domingos à tarde, a companhia da dona Terezinha de Santana, sou eu.

– Você não imagina como estou feliz por você me ligar!

Fiquei nove minutos com ela ao telefone. Nove minutos que não me fizeram a menor falta, mas provavelmente iluminaram o dia da Dona Terezinha. E o meu.

Pois é.

Não me custou nada, só um telefonema, assim como deve custar nada para a filha dela ensiná-la a usar o tablet para ouvir podcasts. Enquanto isso não acontece, dona Terezinha espera, afinal, aos 74 anos de idade o que ela mais tem é tempo, não é?

Quem não tem somos nós.

Estou mandando para dona Terezinha uma coleção de meus livros. Guardei seu telefone. Acho que vou precisar ligar para ela novamente.