s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

Café Brasil 927 – Quando a água baixar
Café Brasil 927 – Quando a água baixar
A história de Frodo Bolseiro em "O Senhor dos Anéis" ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

LíderCast 321 – Rafael Cortez
LíderCast 321 – Rafael Cortez
Tá no ar o #LC321 O convidado de hoje é Rafael Cortez, ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

A tragédia e o princípio da subsidiariedade
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A tragédia e o princípio da subsidiariedade “Ações que se limitam às respostas de emergência em situações de crise não são suficiente. Eventos como esse – cada vez mais comuns por ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Cafezinho 625 – Fake news que matam
Cafezinho 625 – Fake news que matam
Há tempos eu digo que saímos da Sociedade da Informação ...

Ver mais

Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Cafezinho 624 – Desastres não naturais
Ao longo dos anos, o Brasil experimentou uma variedade ...

Ver mais

Café Brasil 899 – A Torre de Babel

Café Brasil 899 – A Torre de Babel

Luciano Pires -

Cara, tem coisa mais desagradável do que ficar sem bateria do celular, hein? Pois a Santa Carga criou um negócio inovador para acabar com essa dor, e se transformou na microfranquia de crescimento mais rápido no Brasil: já são quase 600 totens recarregadores de celulares espalhados pelo país.

E olhe só o que ela preparou para sua Black November: torne-se um franqueado pagando apenas 19.900 reais em 20 VEZES SEM JUROS! Com o modelo inovador da Santa Carga, o pagamento das mensalidades acaba sendo feito pelo faturamento do próprio equipamento.

E tem mais! Ouvintes do Café Brasil e LíderCast têm um bônus especial de R$ 1.000 reais, tornando a Black November Santa Carga ainda mais irresistível!

Você vai se tornar um empreendedor investindo apenas R$ 32 reais por dia.

Siga o caminho de muitos empreendedores de sucesso que já alcançam com suas franquias ganhos de mais de 8 mil reais por mês por totem. Tudo isso sem se preocupar com estoque, contratação de funcionários ou aluguel de espaços.

Aproveite a Black November em da santacarga.vip. Não perca a chance de abrir o seu próprio negócio com a premiada microfranquia Santa Carga. De novo: santacarga.vip.

O Dilúvio foi um evento cataclísmico de inundação global, descrito no livro de Gênesis. Segundo o relato, o Dilúvio foi enviado por Deus como um castigo para a corrupção e a maldade da humanidade na Terra. A história é mais conhecida por sua descrição da construção da Arca por Noé, um homem justo, e como ele e sua família foram escolhidos para sobreviver à inundação, juntamente com animais de cada espécie.

A Arca serviu como uma embarcação segura durante o Dilúvio, permitindo que Noé e os animais sobreviventes passassem a tempestade e o subsequente alagamento da Terra. Depois que as águas do Dilúvio diminuíram, Noé, sua família e os animais deixaram a Arca e repovoaram a Terra.

Naquele tempo, todo mundo falava a mesma língua.

Um dia, as pessoas decidiram construir uma torre gigantesca em Babel, uma das cidades antigas na região da Mesopotâmia, onde hoje é o sul do Iraque.

A construção ficou conhecida como a Torre de Babel e o objetivo era marcar sua presença e unidade como uma civilização poderosa. Eles buscavam fama, reconhecimento e talvez uma forma de alcançar uma posição elevada e privilegiada na Terra.

Mas…

Deus não queria que a humanidade se tornasse arrogante e orgulhosa, acreditando que poderia rivalizar com Ele. Então, fez com que as pessoas começassem a falar línguas diferentes, tornando impossível para elas se entenderem.

Isso transformou a construção da Torre de Babel num caos. Ninguém mais podia se comunicar efetivamente. Como resultado da confusão linguística, cada grupo acabou se reunindo com aqueles que podiam entender a mesma língua e isso deu origem a diferentes grupos étnicos e culturas ao redor do mundo.

A Torre de Babel é um modelo clássico de orgulho humano e retribuição divina, arrogância escrita em pedra e depois um agente de divisão e incompreensão que vai muito além da mitologia. Ela enfatiza a crença de que Deus pode castigar a arrogância e a busca de poder. É uma das histórias mais conhecidas da Bíblia e tem sido interpretada e adaptada de várias maneiras ao longo do tempo. É a partir dela que, no episódio de hoje, falaremos de comunicação, autoconfiança, arrogância e poder.

Bom dia, boa tarde, boa noite. Você está no Café Brasil e eu sou o Luciano Pires. Posso entrar?

“Oi Luciano. Bom dia, boa tarde, boa noite pra você, pra todo mundo que escuta o Café Brasil.

Eu já tive o prazer de conhecê-lo, eu fui visitá-lo uma vez aí em Moema, saímos pra almoçar no restaurante japonês que tem aí na mesma rua, na época eu tinha acabado de passar por uma cirurgia, uma neurocirurgia bem séria e estava tomando a decisão de largar tudo em São Paulo, largar uma carreira promissora, mas muito estressante e voltar para o interior de São Paulo.

Então, foi um momento muito interessante, conversamos, conheci seu estúdio e sempre fui aí seu fã e ouvinte do Cafezinho e eu queria contar uma história legal.

Nessa semana eu escutei o episódio 894, o Dezessete e setecentos, uma brincadeira ali com a matemática, e é interessante porque poucos dias antes, eu havia recebido um aviso no meu celular, um SMS no meu celular do meu banco, e que uma despesa de R$ 780,00 tinha sido efetuada no meu cartão de crédito. Achei estranho, eu estava em casa, e descobri que era a assinatura automática do Café Brasil.

Fiquei surpreso, fiquei “p” da vida, pra falar a verdade, porque eu tinha certeza que eu tinha cancelado essa assinatura, há dois anos atrás ou três anos atrás, e depois eu vim a descobrir que não era verdade, eu tinha esquecido de cancelar. Eu achava que tinha cancelado, mas na época eu decidi que eu iria cancelar porque você tinha adotado uma postura muito política nos seus programas e por mais que você sempre fale que você fez a conta e que apenas 30% dos seus episódios, em determinado período eram sobre política, os outros setenta não eram, discordo de você dessa conta, eu acho que 70% não é 100%, não vou numa pizzaria e pago 100% da pizza pra comer só setenta. Não vou numa hamburgueria e pago 100% do hamburger e do milk shake pra ficar só com 70% dele, mas não é esse o assunto, você tem todo o direito de falar o que você quer, de publicar o que você quer e eu tenho todo o direito de decidir se eu quero seguir ou não quero seguir. Mas não é o que eu vou falar aqui.

Depois de um tempo, eu acabei esquecendo, não quis cancelar ou questionar essa despesa, porque eu vi que, realmente, eu não tinha cancelado a assinatura e talvez, na próxima rodada, no próximo ano, eu deveria fazer alguma coisa e evitar essa cobrança automática.

Voltando ao episódio Dezessete e setecentos, eu fiz uma continha, viajando de carro, escutando mais um de seus episódios, poxa, esses R$780,00 anuais, dividido por 12, daria 65, vamos supor aí, eu escuto muito mais do que isso, quatro episódios por mês, daria aí duas horas de episódios por mês e transformaria esse R$ 780,00 em R$ 65,00 por mês que virariam R$32,50 por mês, pra ter aí todo esse conteúdo e eu comparei isso com um evento. Eu fui a um show de stand up comedy na minha cidade, nesse mesmo período e paguei lá R$ 120,00 sem pestanejar por uma hora de show e eu fiz, mais ou menos esse exercício matemático que o Dezessete e setecentos, o episódio 894 faz todo mundo refletir.

Poxa, eu tinha aí por R$ 32,50 por mês muito conteúdo, muita coisa boa, muita coisa interessante, então, seja do Café Brasil, seja do LíderCast, seja do Cafezinho e repensei aí a questão de rever a minha assinatura, o meu plano anual, a cobrança automática, e decidi que o custo benefício é ótimo.

Acho que todo mundo aí que puder escutar essa mensagem repense essa questão de investir em coisas boas, em conteúdo em assinar coisas que realmente valem a pena, colocar na conta o que é que  realmente agregue.

Então eu queria te dizer isso, te mandar um abraço, te falar que são os R$32,50 mais bem investidos aí no meu mês.

Vida longa ao Café Brasil, ao Cafezinho a você e a toda a sua equipe e que a gente continue com essa parceria por muitos e muito anos, tá? Um grande abraço. Aguardo aí um convite para o próximo restaurante japonês aí em Moema. Tudo de bom, querido”.

Grande Fabricio, que bom saber que você está bem, recuperado e agitando, viu? Essa despesa que você recebeu é a renovação da assinatura do plano Academia, com 50% de desconto! Com ela, além dos episódios antecipados, com extras e sem propaganda, você tem acesso a uma infinidade de conteúdos, inclusive os nove cursos que eu lancei e que estão na plataforma. Cara, sozinhos, eles valem mais de três mil e quinhentos reais. Fico feliz que você diga ao público que o custo x benefício vale a pena. As pessoas gastam isso em cerveja, estacionamento, assinatura de jornais ruins e muito mais, coisas que dão prazer momentâneo, mas que não ficam conosco para o resto da vida. Conhecimento, fica! Olha Fabrício, estando por aqui, me avise, vamos a outra rodada lá no Sushi Nami!

O comentário do ouvinte agora é patrocinado pela Livraria Café Brasil, e o Fabricio ganhou um livro! Deixa ver, esse tá legal: Consenso Inc.: O monopólio da verdade e a indústria da obediência, da Paula Schmitt.

Uma mentira repetida mil vezes pode não virar verdade, mas facilmente se torna política pública. Foi assim que multidões em diferentes partes do planeta passaram a acreditar, simultaneamente, que questões identitárias são o maior problema do mundo, e passaram a exigir dos seus governos uma solução que não lhes beneficia, para uma adversidade que não existia. Este livro é uma coletânea de alguns dos principais artigos de Paula Schmitt publicados em Poder 360. Eles foram selecionados a partir de um fio condutor, que permite ao leitor compreender em profundidade a fundação da indústria do Consenso que se estabeleceu no Brasil e no mundo.

Entre em contato conosco pelo whatsapp 11 96429 4746, Fabricio, para gente definir a remessa do livro. Muito obrigado, viu?

Então vamos lá… se você vê valor no trabalho que a gente faz aqui no Café Brasil, faça como o Fabricio, torne-se um assinante. E se gosta de ler, compre nossos livros na livrariacafebrasil! É só acessar mundocafebrasil.com. Vai lá. A gente espera.

Há algum tempo, os especialistas em marketing digital têm recomendado pra mim fazer mais posts que tragam “provas sociais”. Eles dizem que eu tenho de mostrar o meu trabalho, que ele é apreciado por muita gente. Eu sempre tive problemas com isso, porque eu acredito que quem é confiante não tem necessidade de contar a todo mundo ao seu redor que é bom no que faz. Quem tende a se gabar são os inseguros. Mas aí vem a turma do marketing que diz assim: quer vender? Tem de se gabar…

Estou fazendo uma série de posts onde mostro caixinhas de respostas do Instagram, de uma pergunta que fiz algum tempo atrás. Perguntei para as pessoas, simplesmente, por que você me seguem? E as respostas são uma delícia. Mostram que eu estou seguindo fielmente meus valores e princípios.

Mas no terceiro post que eu fiz veio um comentário: “parece uma auto bajulação isso aí. Precisa não”.

E aí, cara? Falo ou não falo que eu sou bom no que eu faço. Mostro ou não mostro? Afinal, aquilo que pra mim é confiança e orgulho, pra alguns aí parece que é auto bajulação. Quem sabe até, parece arrogância.

Simples assim
Lenine
Dudu Falcão

Do alto da arrogância qualquer homem
Se imagina muito mais do que consegue ser
É que vendo lá de cima, ilusão que lhe domina
Diz que pode muito antes de querer
Querer não é questão, não justifica o fim
Pra quê complicação, é simples assim
Focado no seu mundo qualquer homem
Imagina muito menos do que pode ver
No escuro do seu quarto ignora o céu lá fora
E fica claro que ele não quer perceber
Viver é uma questão de inicio, meio e fim
Pra quê a solidão, é simples assim
É, eu ando em busca dessa tal simplicidade
É, não deve ser tão complicado assim
É, se eu acredito, é minha verdade
E é simples assim
E a vida continua surpreendentemente bela
Mesmo quando nada nos sorri
E a gente ainda insiste em ter alguma confiança
Num futuro que ainda está por vir
Viver é uma paixão do inicio, meio ao fim
Pra quê complicação, é simples assim
É, eu ando em busca dessa tal simplicidade
É, não deve ser tão complicado assim
É, se eu acredito, é minha verdade
E é simples assim
É simples assim
É simples assim

Olha que delícia, cara! Essa é a paulistana Annalu, com Simples Assim, de Lenine e Dudu Falcão. A letra é uma delícia…

É, eu ando em busca dessa tal simplicidade
É, não deve ser tão complicado assim
É, se eu acredito, é minha verdade
E é simples assim

E aí? Lembra da Torre de Babel, hein? “Deus não queria que a humanidade se tornasse arrogante e orgulhosa, acreditando que poderia rivalizar com Ele.”

E você? Quando pensa em confiança, o que é que vem à sua mente? E quando pensa em arrogância?

Olha, a diferença entre confiança e arrogância nem sempre é fácil de ser determinada.

Quando penso em confiança, me vem à mente o Neymar com a bola debaixo do braço, caminhando para bater o pênalti que vai definir a partida. Ou então o Romário entrando em campo com a camisa da seleção. Mas há quem interprete a atitude deles como arrogância.

Isso acontece porque, externamente, os comportamentos de uma pessoa confiante e de uma arrogante muitas vezes parecem iguais. Ambos podem parecer que têm tudo resolvido e não têm problema nenhum em reconhecer suas qualidades. Mas, embora a diferença entre confiança e arrogância seja sutil, dá para ser percebida.

É útil pensar na confiança e na arrogância não como conceitos que são mutuamente excludentes, mas como conceitos que existem ao longo do mesmo espectro.

Em uma extremidade do espectro, temos a arrogância, quando uma pessoa acredita que é melhor do que todos ao seu redor. Gente arrogante têm um senso exagerado de sua própria importância. Mas isso não significa que ela não seja importante. Muitos líderes arrogantes são, sim, fundamentais para o sucesso de suas organizações e têm as habilidades para comprovar isso. Mas o problema é que junto com a arrogância, vem a uma necessidade de estar no centro de tudo – um comportamento semelhante ao microgerenciamento.

Essas pessoas têm uma atitude de superioridade que, paradoxalmente, as mantém presas, impedindo seu próprio progresso e o sucesso de suas equipes.

Na outra extremidade do espectro, temos a autodepreciação. O comportamento autodepreciativo minimiza nossas habilidades e conquistas. Frequentemente a gente usa o auto rebaixamento como uma maneira de gerenciar a impressão que outra pessoa tem de nós. Se ficamos preocupados em parecer convencidos, presunçosos ou arrogantes, muitas vezes minimizamos nossas qualidades positivas.

Me vem à mente aqui o Edson Barboza, outro lutador brasileiro de elite lá do UFC. Depois de passar por meses de treinamento intenso, entra no octógono para enfrentar outro lutador de elite. Come o pão que o diabo amassou, e consegue vencer a luta. Então ajoelha-se no centro do octógono e faz gestos para o público, dizendo que quem ganhou a luta não foi ele, foi Deus… Tá certo, não me parece que seja uma questão de auto rebaixamento, de jeito nenhum, mas de fé mesmo. O que no final dá na mesma coisa: os louros da vitória não são seus, que se esforçou, que tomou porrada e que venceu, mas de uma força externa.

Arrogância numa extremidade, autodepreciação na outra. No meio fica a confiança, a crença em si mesmo e em suas habilidades. Pessoas com autoconfiança saudável têm uma imagem positiva de si mesmas. Elas têm um forte senso tanto de suas qualidades quanto de áreas a melhorar, de suas fraquezas. Mas, em vez de permitir que essas fraquezas virem insegurança, elas buscam apoio.

Vamos de novo ao futebol… eu acompanhei a carreira do Zico desde que ele começou a jogar no começo dos anos 70. E uma coisa que ficou em minha memória foi uma reportagem, eu acho que na revista O Cruzeiro, que mostrava fotos de como aquele menino franzino e craque de bola teve seu corpo trabalhado para ganhar músculos e poder enfrentar os marcadores. O talento do galinho era evidente, mas ele sabia que tinha muito a melhorar. E assim se transformou num dos maiores do mundo.

Ao longo de minha carreira profissional, eu aprendi que líderes confiantes inspiram confiança nos membros da equipe. E sabem receber feedback construtivo sem ficar na defensiva. Sua autoconsciência como líderes realmente lhes dá uma sensação de calma interior.

Confiança nasce da autoconfiança. Indivíduos confiantes sabem que não sabem tudo, mas sabem que podem encontrar o apoio de que precisam.

A arrogância, por outro lado, vem de uma mentalidade de soma zero. Indivíduos arrogantes não gostam de pedir ajuda, porque isso ameaça sua identidade autosuficiente.

Isso quer dizer que tanto a confiança quanto a arrogância estão relacionadas à autoestima, ou seja, à maneira como uma pessoa se sente consigo mesma.

A confiança vem de um alto valor interno, intrínseco, quando a pessoa entende que o seu valor não é medido por conquistas, fracassos ou opiniões dos outros.

A arrogância vem de um senso de superioridade sobre os outros. E infelizmente, para os arrogantes, a única maneira de manter esse status de superioridade é fazendo com que os outros permaneçam em seu lugar de inferioridade.

Pessoas confiantes não se baseiam na crença de que o mundo gira em torno delas. Por isso elas têm mais probabilidades de colaborar, celebrar as conquistas dos outros, pedir ajuda, correr riscos calculados e buscar oportunidades de crescimento. Estão interessadas em fazer acontecer e em compartilhar seus talentos.

Pessoas confiantes são vistas como capazes e agradáveis. Sua autoconfiança pode ter efeitos positivos sobre as pessoas que estão ao seu redor, tornando toda a equipe motivada. As pessoas confiantes tendem a ter maior autoeficácia, melhores habilidades de tomada de decisão e são solucionadoras de problemas mais criativas.

Tem mais. As pessoas que realmente têm confiança não fingem saber tudo. Elas têm uma ampla gama de conhecimentos e procuram oportunidades de aprender com outras pessoas. Além disso, são mais propensas a aceitar diferentes perspectivas. A insegurança não faz com que elas imponham suas opiniões ou conhecimentos a ninguém. Sua autoconfiança ajuda os outros a se tornarem mais confiantes por meio de afirmações e incentivos.

Pessoas confiantes não tem problemas em ouvir ativamente os outros e esperar até que outra pessoa fale antes de se pronunciar, porque acreditam que as interações podem ajudar a resolver problemas e aumentar sua confiança. A pessoa confiante é grata pela oportunidade que possa aprender, se desenvolver e ser mais produtiva.

Se você quiser um exemplo, procure um episódio recente do programa de Youtube chamado Inteligência Limitada.

– Ah, Luciano o podcast Inteligência Limitada?

Não. O programa de Youtube Inteligência Limitada. Aquilo é um programa feito para o Youtube, com foco no Youtube, remunerado pelo Youtube. Não tem nada a ver com podcast, só o nome.

Mas procure um episódio recente onde um maluco chamado Nando Moura, que é um roqueiro youtuber, debate com outro maluco chamado Paulo Kogos, também youtuber e ativista libertário. São loooongos minutos de gritaria, xingamentos, ofensa,  desentendimentos. Não dá para dizer que o Nando Moura não é confiante em sua ignorância. Mas aquilo é confiança ruim, usada para ganhar debate no grito. Não tmesmo prepotênciaem como olhar aquilo e não achar que seja arrogância ou mesmo prepotência.

E os arrogantes, hein? Pessoas arrogantes podem ser prepotentes, agindo de maneira autoritária, dominante ou arrogante. Elas mostram um excesso de poder, superioridade ou influência sobre os outros e muitas vezes o fazem de forma abusiva ou desconsiderada.

Pessoas arrogantes acreditam que as outras pessoas não podem ensiná-las nada novo e se comportam como se fossem donas da verdade. Os arrogantes lutam para serem ouvidos e farão tudo o que for necessário para mostrar que os outros estão errados. Cara, como é difícil interagir, sequer ouvir, um prepotente.

No trabalho ou em outros ambientes profissionais, a arrogância pode afastar rapidamente as pessoas. Ninguém quer realmente trabalhar com alguém que acredita ser melhor do que todos os outros. E não é porque está intimidada por suas habilidades. O arrogante torna-se menos acessível e pode até ser sinalizado como um possível problema.

Em relacionamentos individuais, as pessoas tenderão a confiar menos no arrogante. Afinal, mesmo que ele se apresente com sucesso como alguém que tem tudo sob controle, poucas pessoas fazem isso.

As pessoas querem ser vistase e não julgadas.

De novo: pessoas querem ser vistas, não querem ser julgadas.

Mas se confiança e arrogância andam tão juntas, é possível manter um equilíbrio?

Olha, as pessoas são engraçadas, viu? Quando nos sentimos inseguros, tendemos a compensar com excesso de confiança. Mas quando estamos preocupados em parecer muito confiantes, vamos para o outro extremo e a gente se menospreza.

Para percorrer essa corda bamba social e emocional é preciso um alto grau de autoconhecimento. E uma boa quantidade de apoio dos outros.

Por exemplo, aceitando o feedback. A confiança é acreditar em si mesmo e em suas próprias habilidades sem precisar de validação dos outros. É ter fé em seu julgamento e estar seguro de quem você é. Mas ao mesmo tempo, isso não significa que você deve ignorar completamente as opiniões dos outros. Você pode aprender com os feedbacks deles, mesmo que não concorde com ele.

Todos temos uma necessidade de validação social, então às vezes pode ser frustrante quando as pessoas apontam as áreas em que precisamos melhorar. Ser capaz de aceitar feedback como um profissional é um sinal de confiança.

Muito bem: você quer desenvolver autoconfiança? Então aprenda a identificar onde você precisa melhorar e, em seguida, faça o trabalho necessário para se tornar mais competente nessas áreas. É óbvio, não é? Mas quanta gente não faz isso….

Man in the mirror
Glen Ballard
Siedah Garrett

I’m gonna make a change
For once in my life
It’s gonna feel real good
Gonna make a difference
Gonna make it right

As I turn up the collar on my favorite winter coat
This wind is blowin’ my mind
I see the kids in the street with not enough to eat
Who am I to be blind?
Pretending not to see their needs

A summer’s disregard, a broken bottle top
And one man’s soul
They follow each other on the wind, ya know
‘Cause they got nowhere to go
That’s why I want you to know

I’m starting with the man in the mirror
I’m asking him to change his ways
And no message could have been any clearer
If you wanna make the world a better place
Take a look at yourself and then make a change

Na, na, na, na, na, na, na
Na, na

I’ve been a victim of a selfish kind of love
It’s time that I realize
There are some with no home
Not a nickel to loan
Could it be really me
Pretending that they’re not alone?

A willow deeply scarred
Somebody’s broken heart
And a washed-out dream (washed-out dream)
They follow the pattern of the wind, ya see
‘Cause they got no place to be
That’s why I’m starting with me

I’m starting with the man in the mirror (who?)
I’m asking him to change his ways (who?)
And no message could have been any clearer
If you wanna make the world a better place
Take a look at yourself and then make a change

I’m starting with the man in the mirror (who?)
I’m asking him to change his ways (who?)
And no message could have been any clearer
If you wanna make the world a better place
Take a look at yourself and then make that change!

I’m starting with the man in the mirror (oh, yeah)
I’m asking him to change his ways (come on, change)
And no message could have been any clearer
If you wanna make the world a better place
Take a look at yourself and then make the change
You gotta get it right, while you got the time
‘Cause when you close your heart (you can’t)
Then you close your mind (close your, your mind)

(That man, that man) I’m starting with the man in the mirror
(That man, that man) oh, yeah
(That man, that man) I’m asking him to change his ways
(That man, you know it) and no message could have been any clearer
If you want to make the world a better place
Take a look at yourself and then make that change

Na, na, na, na, na, na, na
Na, na

Gonna feel real good (oh, yeah)
Yeah, yeah, yeah, yeah (na, na, na, na, na, na, na)
Yeah, yeah, oh, oh, no

I’m gonna make a change
It’s gonna feel real good, sha’mon (change)
Just lift yourself, you know
You’ve got to start with yourself (yeah)

(Make that change) I gotta make that change today
(Man in the mirror) you got to
You got to, you got to not pick yourself, brother (yeah)
You know (make that change)
I’ve gotta get that man, that man (man in the mirror)

You got to, you got to move, sha’mon, sha’mon
You got to stand up (yeah), stand up (make that change)
Stand up, stand up and lift yourself now (man in the mirror)
You know it, you know it, you know it, you know (change)
Make that change

Homem no espelho

Vou fazer uma mudança
De uma vez na minha vida
Vai ser muito bom
Vou fazer a diferença
Vou fazer isso direito

Enquanto dobro a gola do meu casaco de inverno favorito
Este vento faz eu me perder em pensamentos
Vejo as crianças nas ruas sem o suficiente pra comer
Quem sou eu pra me fazer de cego?
Fingindo que não vejo suas necessidades

Um verão negligenciado, uma tampa de garrafa quebrada
E a alma de um homem
Eles seguem uns aos outros no vento, você sabe
Porque eles não têm para onde ir
É por isso que eu quero que você saiba

Estou começando com o homem no espelho
Estou pedindo para que ele mude de atitude
E nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça uma mudança

Na, na, na, na, na, na, na
Na, na

Tenho sido vítima de um tipo de amor egoísta
Está na hora de eu perceber
Que tem gente sem casa
Sem nenhum centavo para emprestar
Poderia ser realmente eu
Fingindo que eles não estão sozinhos?

Um salgueiro profundamente marcado
O coração partido de alguém
E um sonho esquecido (sonho esquecido)
Eles seguem o padrão do vento, veja
Porque eles não têm onde estar
É por isso que estou começando comigo

Estou começando com o homem no espelho (quem?)
Estou pedindo para que ele mude de atitude (quem?)
E nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça uma mudança

Estou começando com o homem no espelho (quem?)
Estou pedindo para que ele mude de atitude (quem?)
E nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça essa mudança!

Estou começando com o homem no espelho (oh, sim)
Estou pedindo para que ele mude de atitude (vamos lá, mude)
E nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça essa mudança
Você tem que fazer do jeito certo, enquanto ainda tem tempo
Porque quando você fecha seu coração (você não pode)
Então você fecha a sua mente (fecha a sua, a sua mente)

(Aquele homem, aquele homem) estou começando com o homem no espelho
(Aquele homem, aquele homem) oh, sim
(Aquele homem, aquele homem) estou pedindo para que ele mude de atitude
(Aquele homem, você sabe) e nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça essa mudança

Na, na, na, na, na, na, na
Na, na

Vai ser muito bom (é, sim)
Sim, sim, sim, sim (na, na, na, na, na, na, na)
Sim, sim, oh, oh, não

Vou fazer uma mudança
Vai ser muito bom, vamos lá (mude)
Basta erguer-se, você sabe
Você tem que começar com você mesmo (é)

(Faça essa mudança) tenho que fazer essa mudança hoje
(Homem no espelho) você tem que
Você tem que, você não pode desistir, irmão (é)
Você sabe (faça essa mudança)
Tenho que ser aquele homem, aquele homem (homem no espelho)

Você tem que, você tem que se mexer, vamos lá, vamos lá
Você tem que se levantar (é), se levantar (faça essa mudança)
Se levante, se levante e erga-se agora (homem no espelho)
Você sabe, você sabe, você sabe, você sabe (mude)
Faça essa mudança

Uau!!! Essa é uma versão funk do clássico Man in the mirror, de Michael Jackson, com o Scary Pockets e a voz de Rozzi…

Essa canção enfatiza a importância de começar a mudança pelo próprio reflexo no espelho.

Estou começando com o homem no espelho
Estou pedindo para que ele mude de atitude
E nenhuma mensagem poderia ser mais clara
Se você quer fazer do mundo um lugar melhor
Olhe para você mesmo e depois faça uma mudança

Pessoas bem-sucedidas e confiantes não tentam fazer tudo sozinhas. Elas constroem aquilo que chamamos de um sistema de apoio. Elas encontram pessoas em quem podem confiar e as utilizam como apoio para sanar suas dúvidas e eliminar aquilo que eu chamo de “solidão empresarial”.

Cara: eu quero aproveitandor a deixa. É isso que temos feito com a criação da minha Mentoria MLA – Master Life Administration, um programa de treinamento contínuo em que reunimos pessoas interessadas em conversar sobre temas voltados ao crescimento pessoal e profissional. Comunidades online oferecem conexão,  chamadacompartilhamento, apoio, aprendizado e segurança. O MLA é um Mastermind para profissionais, com encontros mensais presenciais e online, promovendo uma sensação de comunidade e uma troca valiosa de experiência. Olha, tem vagas disponíveis, se você se interessa em estar comigo, acesse mundocafebrasil.com e clique no link para saber mais.

E se você é assinante do Café Brasil agora vem o conteúdo extra. Se não é assinante, a gente vai pro fechamento.

Cara, sempre que é hora de manutenção do meu veículo eu tenho aquelas dúvidas de todos nós. Qual é o produto que eu escolho, hein? E como eu não sei muito sobre manutenção de automóveis, sabe o que que eu faço? Eu procuro quem me traz confiança.

Por isso, quando se trata de peças para automóveis, motos e caminhões, eu vou de Nakata, sabe por quê, hein? Porque a Nakata entrega alta performance na reta, na curva, na subida…em qualquer caminho. E principalmente porque não sou só eu que estou falando, não. Pode perguntar para o seu mecânico de confiança.

Amortecedores, componentes de suspensão e direção, certeza que ele vai dizer que a marca é Nakata. Sabe porquê?

Oras: porque é Nakata!

Assine gratuitamente o boletim em nakata.com.br e receba as últimas novidades em seu e-mail.

Tudo azul, tudo Nakata.

Muito bem. A verdadeira autoconfiança não é arrogância. É uma certeza tranquila de que você pode lidar com o desafio que vier. Essa certeza vem da autoconsciência e do conhecimento de que seu valor não é baseado em circunstâncias externas.

Ninguém precisa rebaixar os outros para se sentir bem consigo mesmo. Para construir a autoconfiança, comece aceitando exatamente como você é. Depois, trabalhe no desenvolvimento das habilidades e conhecimentos que farão você se sentir competente no que faz.

E então vem o mais importante: cerque-se de pessoas que lhe darão apoio e ajudarão você a acreditar em si mesmo. A capacidade de confiar em si mesmo e capacitar os outros é uma das principais diferenças entre confiança e arrogância.

A change is gonna come
Sam Cooke

I was born by the river in a little tent
Oh and just like the river I’ve been running ever since
It’s been a long, a long time coming
But I know a change gonna come, oh yes it will

It’s been too hard living but I’m afraid to die
Cause I don’t know what’s up there beyond the sky
It’s been a long, a long time coming
But I know a change gonna come, oh yes it will

I go to the movie and I go downtown
Somebody keep telling me don’t hang around
It’s been a long, a long time coming
But I know a change gonna come, oh yes it will

Then I go to my brother
And I say: Brother help me please
But he winds up knockin’ me
Back down on my knees

There been times that I thought I couldn’t last for long
But now I think I’m able to carry on
It’s been a long, a long time coming
But I know a change gonna come, oh yes it will

Uma mudança virá

Eu nasci próximo ao rio, em uma pequena cabana
Oh, e, como aquele rio, eu corro desde então
Há quanto tempo, quanto tempo esperando
Mas eu sei que uma mudança virá, oh, sim,ela virá

Tem sido muito difícil viver mas estou com medo de morrer
Porque eu não sei o que acontece do lado de lá
Há quanto tempo, quanto tempo esperando
Mas eu sei que uma mudança virá, oh, sim,ela virá

Eu vou ao cinema e vou ao centro da cidade
Alguém continua me dizendo: Não fique à toa por aí
Há quanto tempo, quanto tempo esperando
Mas eu sei que uma mudança virá, oh, sim,ela virá

Então, eu vou ao meu irmão
E digo irmão me ajude por favor
Mas ele apenas conclui, me criticando
Desanimo de joelhos

Teve algumas vezes que pensei que eu não aguentaria por muito tempo
Mas agora eu acho que estou pronto para continuar
Há quanto tempo, quanto tempo esperando
Mas eu sei que uma mudança virá, oh, sim,ela virá

E é assim então, ao som de A change is gonna come, com Sam Cooke, um hino da luta pelos direitos civis nos Estados Uidos e que expressa a crença de que a mudança positiva está chegando, que vamos saindo… pensativos.

Estamos entendidos então? Com autoconsciência, a arrogância pode ser facilmente evitada. Com uma dedicação ao crescimento pessoal e profissional, a confiança pode ser naturalmente construída. Foque mais em fazer os outros se sentirem bem do que em como você está sendo recebido. Trabalhar para melhorar a sua confiança contribuirá significativamente para o seu progresso. E é exatamente isso que o ecossistema do Café Brasil oferece a você. Já sabe, né? mundocafebrasil.com.

O Café Brasil é produzido por quatro pessoas. Eu, Luciano Pires, na direção e apresentação, Lalá Moreira na técnica, Ciça Camargo na produção e, é claro, você aí, que completa o ciclo.

De onde veio este programa tem muito mais. E se você gosta do podcast, imagine  só uma palestra ao vivo. E eu já tenho mais de mil e cem no currículo. Conheça os temas que eu abordo no mundocafebrasil.com.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96429 4746. E também estamos no Telegram, com o grupo Café Brasil.

E para terminar, uma frase de ninguém menos que Renato Russo:

O mal do século é a solidão, cada um de nós imerso em sua própria arrogância, esperando por um pouco de afeição.