s
Portal Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Café Com Leite 19 – O nosso hino

Café Com Leite 19 – O nosso hino

Luciano Pires -

https://www.youtube.com/watch?v=hkynayF-puE

Hino nacional para quinteto de flautas doces, de Orlan Charles.

 

Bárbara: Bom dia, boa tarde, boa noite! Sabe que o Hino Nacional Brasileiro é um dos mais belos hinos do mundo? Mas você sabe o que é e para que serve um hino?

Babica: É mesmo, Bárbara! E será que nosso ouvinte sabe o que quer dizer a letra do nosso hino?

Bárbara: Ah, Babica, entender a letra do Hino é mesmo um desafio. Vamos tentar explicar hoje?

Babica: Vamooooooosssssss! E eu sou a Babica, o avatar da Bárbara que vive dentro do celular dela!

Bárbara: E eu sou a Bárbara Stock, que junto com a Babica apresento seu podcast Café Com Leite. E quem traz um ouvinte hoje, sou eu! A Heloísa!

Oi Bábalo… oi oi Bárbala… oi oi Bárbara, oi Babica, eu sou a Heloísa de seis anos e moro em Santos. Eu gosto muito das suas histórias de super herói, mas eu quero uma do Homem-Aranha porque eu gosto muito dos poderes dele. Tchau.

Vida longa ao cafezinho, café com leite, café Brasil, Luciano Pires e todos. um abraço

Bárbara: Ahahahahahha, que linda, Heloísa! Seis aninhos! Olha, eu também gosto muito do Homem Aranha e ele vai voltar num dos próximos episódios, viu?

Babica: Heloísa, você gosta do meu super-herói favorito! Que legal!!! Agora vou fazer mais força pra ele voltar!

Bárbara: A Heloísa ganhou uma camiseta linda do Café Com Leite!

Babica: Ebaaaaaaaaaaaaaaaa. E olha, se você gostou do nosso Café com Leite, mande uma mensagem de voz para nós no whatsapp 11915670602. Se sua mensagem for escolhida, vamos publicá-la no próximo episódio e você ganhará uma camiseta muito legal!

Bárbara: Então, Babica, hinos nacionais, de qualquer país que você escolher, representa um símbolo de grande importância. Geralmente é uma representação do amor e do respeito que o povo tem pela sua nação. É uma homenagem que as pessoas prestam ao país onde vivem e à nação que construíram. Lembra da diferença ente país e nação?

Babica: Lembro sim. Mas por que o nome é “hino”? Não podia ser “melô” ou “canção” ou “balada”?

Bárbara: Babica, hino é uma música, é um estilo musical. O que faz dele um hino é exatamente o sentimento de patriotismo que a letra traz. Isso é hino, e não existe outra forma de se fazer hino, se não for assim. A palavra hino vem do grego hýmnos, que quer dizer “canto laudatório”, ou seja, um canto de homenagem. Por isso, pelo que ele representa, não poder Melô. Aliás, Melô Nacional ficaria ruim, né?

Babica: É mesmo. Hino Nacional é muito mais bonito.

Bárbara: Então, o Hino Nacional do Brasil, do jeito que a gente conhece, existe desde 1823, quando a melodia foi composta por um violoncelista e compositor chamado Francisco Manuel da Silva. A música era para comemorar a proclamação da Independência do Brasil. E é tão bonita que recebeu em 1909 uma letra, uma poesia de Joaquim Osório Duque Estrada. Mas só em 1922 a música e letra foram declarados oficialmente como o Hino Nacional Brasileiro.

Babica: Nossa, mas é antigo, não é?

Bárbara: É sim, Babica. E o mais curioso é o compositor da melodia, Francisco Manuel, morreu cinco anos antes do nascimento do compositor da letra Osório Duque estrada.

Babica: Ah, eu sempre achei que eles tinham trabalhado juntos.

Bárbara: Não mesmo. Mas ficou linda!

Babica: Eu também acho lindo o hino. Me emociono com ele. Mas sabe de uma coisa, Bárbara?

Bárbara: O quê, Babica?

Babica (evergonhada): Eu não entendo quase nada da letra dele…

Bárbara: Ahahahahahahahha muita gente diz isso, Babica. Eu mesma, levei um bom tempo para entender. É que ela foi escrita usando palavras e um estilo que não se usa mais. O português erudito ou culto, que é muito rico e complexo. No dia a dia, nós usamos o português mais informal, que chamamos de coloquial, que é mais simplificado.

Babica: Como assim?

Bárbara: A principal diferença entre a linguagem culta e a coloquial é que a culta segue a regra formal e as normas gramaticais. A coloquial, que nós usamos no dia a dia, está mais fora dos padrões e segue variações conforme a época e o lugar em que a gente vive.

Babica: Me dá um exemplo?

Bárbara: Dou. Se um dia você for numa entrevista de emprego, não será adequado utilizar palavras como “mano”, “véio”, “vamo”, “tá ligaro”, entendeu? Isso você deve deixar para usar quando estiver com amigos num churrasco. E nesse churrasco, se você pedir assim: “Busque-me um copo d’água, por obséquio, cara amiga Bárbara”, todo mundo vai olhar você com cara estranha…

Babica: Entendi. A lígua é viva, né?

Bárbara: É. Ela vai mudando com tempo, por isso é importante existirem as normas cultas, que mantém uma referência. NO nosso hino dá pra ver isso direitinho. Quer que eu te explique?

Babica: Quero!

Bárbara: Então vamos lá. Você fala a letra de cada estrofe e eu explico.

Babica: Ebaaaaaaaaaaaaa. Vamos lá! Tá pronta?

Bárbara: Tô.

https://www.youtube.com/watch?v=RUQrFikV6vg

Hino Nacional na Viola Caipira , com Afonso Villasanti

Babica:

Ouviram do Ipiranga as margens plácidas

De um povo heroico o brado retumbante

E o sol da Liberdade, em raios fúlgidos

Brilhou no céu da Pátria nesse instante

 

Bárbara: Vamos lá. Essa primeira estrofe descreve a margem tranquila, que é o que quer dizer “plácida”, do Rio Ipiranga, em São Paulo. Foi ali que Dom Pedro I proclamou a Independência do Brasil. O autor fala do grito do Imperador …

Babica: Independência ou Morte!

Bárbara: Isso. Brado retumbante é o grito forte que ecoou representando todo o povo brasileiro.  E fala como o país se tornou fúlgido, iluminado, pela liberdade, porque deixou de ser uma colônia portuguesa para ser, enfim, uma nação.

Babica:

Se o penhor dessa igualdade

Conseguimos conquistar com braço forte

Em teu seio, ó Liberdade

Desafia o nosso peito a própria morte!

Bárbara: “Penhor” pode ser entendido como “garantia”, “direito”. O autor da letra fala do direito de igualdade conseguido com firmeza pelos comandantes do Brasil. E na base dessa liberdade está o coração disposto a defender a liberdade até à morte. Esta última parte pode remeter à frase “Independência ou Morte”, que teria sido dita pelo Imperador D. Pedro I.

Babica:

Ó Pátria amada

Idolatrada

Salve! Salve!

 

Bárbara:  Uma saudação ao país idolatrado, amado por sua gente.

 

Babica:

Brasil, um sonho intenso, um raio vívido

De amor e de esperança à terra desce

Se em teu formoso céu, risonho e límpido

A imagem do Cruzeiro resplandece

 

Bárbara:  O país Brasil é um sonho que se tornou real, como um raio de luz vívido, intenso, que traz esperança e amor às pessoas que aqui vivem. A imagem do Cruzeiro que brilha no céu belo, claro e que dá esperanças, é a constelação do Cruzeiro do Sul. A palavra “risonho”, não trata de sorrisos, mas de estar cheio de promessas.

 

Babica:

Gigante pela própria natureza

És belo, és forte, impávido colosso

E o teu futuro espelha essa grandeza

 

Bárbara: Gigante pelo tamanho que o Brasil tem, está entre os cinco maiores do mundo.  É um território bonito, de grande riqueza natural e com a força de seu povo se torna um gigante impávido, destemido. E toda essa grandeza o prepara para ter um futuro brilhante.

 

Babica:

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil

Ó Pátria amada!

 

Bárbara: Entre todos os outros lugares do mundo, o Brasil é o mais amado por quem vive aqui.

 

Babica:

Dos filhos deste solo és mãe gentil

Pátria amada

Brasil!

 

Bárbara: O Brasil é como se fosse uma mãe generosa para todos os brasileiros.

 

Babica: Bem, aí acaba a primeira parte. Vamos para a segunda?

Bárbara: Vamos!

 

Babica:

Deitado eternamente em berço esplêndido

Ao som do mar e à luz do céu profundo

Fulguras, ó Brasil, florão da América

Iluminado ao sol do Novo Mundo!

 

Bárbara: Ah, esse verso é bem complicado. O berço é uma metáfora para a América do Sul, que é onde o Brasil, uma pátria jovem, está localizado. Então o Brasil está eternamente deitado no berço esplêndido da América do Sul. As forças da natureza, como o céu e o mar, estão presentes, e fazem parte do cenário onde o Brasil fulgura. Fulgurar é o ato de propagar ou ocasionar luz ou brilho; ato de brilhar. O Brasil brilha como florão, uma jóia, uma preciosidade no novo mundo descoberto pelos portugueses.

 

Babica:

Do que a terra mais garrida

Teus risonhos, lindos campos têm mais flores

“Nossos bosques têm mais vida”

“Nossa vida” no teu seio “mais amores”

 

Bárbara:  Garrida quer dizer enfeitada com flores, como são os campos do Brasil, que oferecem promessas e possibilidades. O que dá mais vida às terras, e junto com essa vida oferece acolhimento a quem vive em seu meio, que é o que quer dizer “teu seio”.

 

Babica:

Ó Pátria amada

Idolatrada

Salve! Salve!

Brasil, de amor eterno seja símbolo

O lábaro que ostentas estrelado

E diga o verde-louro desta flâmula

– Paz no futuro e glória no passado

 

Bárbara: O lábaro é a bandeira do país, enfeitada com as estrelas que representam seus estados. A letra pede que ele seja um símbolo de comprometimento e fidelidade de seu povo. E que o verde e amarelo, que é chamado de verde-louro, represente as conquistas do passado e um futuro de paz.

 

Babica:

Mas, se ergues da justiça a clava forte

Verás que um filho teu não foge à luta

Nem teme, quem te adora, a própria morte

 

Bárbara: E se por acaso no futuro formos ameaçados, se precisarmos levantar armas em defesa da justiça para o nosso povo, podemos contar com os brasileiros, que enfrentam as dificuldades e não têm medo de morrer por amor ao seu país.

 

Babica:

Terra adorada

Entre outras mil

És tu, Brasil

Ó Pátria amada!

Dos filhos deste solo és mãe gentil

Pátria amada

Brasil!

 

Bárbara: O Brasil, terra adorada pelos brasileiros entre tantos outros países, é a mãe gentil dos que aqui nascem e vivem. Pronto!

Babica: Nossa, Bárbara, eu não tinha entendido nada. Agora percebi como a letra é bonita, como fala com orgulho do Brasil, não é?

Bárbara: É mesmo. Mas tem uma coisa que você não sabe.

Babica: O quê?

Bárbara: Sabe aquela introdução instrumental do Hino Nacional?

Babica: Quem não sabe? (cantarola)

(colocar o instrumental por baixo em fade in)

Bárbara: Essa mesmo. Ela tem uma letra. Vou te mostrar:

Espera o Brasil que todos cumprais com o vosso dever

Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante

Gravai com buril nos pátrios anais o vosso poder

Eia! Avante, brasileiros! Sempre avante

Servi o Brasil sem esmorecer, com ânimo audaz

Cumpri o dever na guerra e na paz

À sombra da lei, à brisa gentil

O lábaro erguei do belo Brasil

Eia! Sus, oh, sus! (*2)

 

Babica: Sus?

Bárbara: Sim. Buril é um instrumento para trabalhar a madeira, e a palavra “sus” vem do latim e quer dizer “de baixo para cima”. É um chamado à motivação: Eia sus pode ser erga-se!, ânimo!, coragem! É sinônimo de “em frente, avante”

Babica: Ah, eu não sabia…

Bárbara. Então. Agora quero fazer um convite à você e ao nosso ouvinte.

Babica: Ebaaaaaa!

Bárbara: Em 2009, Eliezer Setton, um artista lá de Maceió, lançou um CD chamado “Hinos à Paisana”, que foi patrocinado em parte pelo Café Brasil do Luciano Pires. E ele gravou o Hino Nacional. O Luciano diz que é a versão mais bonita que ele já ouviu do hino. Quero convidar você e nosso ouvinte para ouvir. E, se quiser, cantar juntos.

Babica: Ah, que lindo! Vamos lá!

https://www.youtube.com/watch?v=pMcQsqcfs_g

Hino nacional na versão de Eliezer Setton

Babica: Bárbara, eu estou arrepiada!

Bárbara: Eu também, Babica! As coisa do Brasil me emocionam! E nosso hino é lindo!

Babica: É mesmo. Por isso temos de respeitá-lo. E aprender a cantá-lo com orgulho e respeito.

Bárbara: Taí mais um valor! O patriotismo. O sentimento de amor, devoção e de apego ao nosso país. O patriotismo permite que o povo se sinta parte do mesmo país, e ajuda no desenvolvimento e progresso da sociedade. É isso que o hino representa.

Babica: Viva o Brasil!

Bárbara: Vivaaaaaaaaaaaa! Não esqueça então: se você está gostando deste nosso podcast, se quer que a gente cresça, contribua conosco! Tem várias formas! Quem sabe você nos ajuda a encontrar um patrocinador. Ou então faz uma contribuição pelo nosso PIX, que é o 11915670602

Babica: É isso mesmo! E mande recados de voz para nós, comentando o programa! Se seu recado for escolhido, vamos publicá-lo no podcast e você ainda vai ganhar uma camiseta de presente, Que tal? Vou repetir o número do whatsapp: 11915670602.

_______________________________________________________

Bárbara: Muito bem! Eu sou a Bárbara Stock…

Babica: E eu sou a Babica! O avatar de Bárbara que mora no super celular dela.

Bárbara: somos suas companheiras neste Café Com Leite, que é feito com muito carinho pela turma do Podcast Café Brasil. A edição é do Senhor A e a direção é do Luciano Pires.

Quem você trouxe para encerrar este episódio, Babica?

Babica: Ah, hoje é uma frase sobre do jurista, político e diplomata brasileiro Ruy Barbosa:

A pátria não é ninguém. São todos.