s
Portal Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Café Com Leite 77 – A história das emoções

Café Com Leite 77 – A história das emoções

Luciano Pires -

Babica: Bárbara ?

Bárbara: Oi Babica.

Babica: Tem uma coisa que me deixa muito pensativa, sabe?

Bárbara: Ah, Babica, você está sempre pensativa!

Babica: É mesmo. Mas tem uma coisa que me incomoda. A maioria das histórias que aparecem aqui no Café Com Leite, especialmente as dos tempos antigos, falam de gente batendo em gente, gente matando gente, de sofrimento… Antigamente as pessoas não tinham sentimentos?

Bárbara: Ah, que ótimo assunto, Babica! As pessoas sempre tiveram sentimentos, mas os trataram de forma diferente ao longo da história.

Babica: Conte mais?

Bárbara: Conto. Mas antes, quem é ouvinte de hoje?

Babica: Hoje são o Francisco, o João e o Eliezer.

COMENTÁRIO DO OUVINTE

Babica: Ah, que legal! O Francisco gosta do Rock da Babica! Então lá vai!

ROCK DA BABICA

Bárbara: Que legal! Olha, temos de avisar para todos nossos ouvintes: a Melô do Café Com Leite e o Rock da Babica já estão no Spotify, viu?

Babica: Isso mesmo, em todas as plataformas de música! É só procurar lá pela Melô do Café Com Leite!

Bárbara: E o Francisco, o João e o Eliezer ganharam uma camiseta cada um! Entrem em contato conosco para combinar a remessa.

Babica: E se você gostou do nosso Café com Leite, mande uma mensagem de voz para nós no whatsapp 11915670602. Se sua mensagem for escolhida, vamos publicá-la num próximo episódio e você ganhará uma camiseta muito legal!

_______________________________________________________

Babica: Bárbara, eu pensava que as emoções eram sempre as mesmas para todo mundo.

Bárbara: É interessante pensar assim, mas as emoções e a forma como as entendemos mudaram muito ao longo do tempo, Babica. No passado, as pessoas viam as emoções de maneira diferente do que nós hoje.

Babica: Tipo como? O amor ou o medo não eram iguais?

Bárbara: Bom, o amor e o medo sempre existiram, mas a forma como as pessoas os interpretavam e expressavam, podia ser bem diferente. Por exemplo, a ideia do que significa ser corajoso ou mostrar amor mudou muito desde a época dos cavaleiros medievais até hoje.

Babica: Uau! Então as emoções também evoluem?

Bárbara: Vamos começar com o amor. Na época dos cavaleiros medievais, por exemplo, o amor era muitas vezes idealizado de maneira romântica e heroica. Os trovadores…

Babica: Trovadores?

Bárbara: Os trovadores eram poetas, músicos e compositores da Europa medieval, principalmente nos séculos 11 ao 13. Eles cantavam sobre amores proibidos e paixões arrebatadoras, frequentemente associados a gestos grandiosos e sacrifícios em nome do amor.

Babica: Ah, eu lembro da história de Romeu e Julieta!

Bárbara: Sim.  Romeu e Julieta é uma peça escrita pelo inglês William Sheakespeare, mas mais tarde, no século 16. Ela retrata o amor na época como uma paixão intensa, desafiando as convenções sociais e familiares. O amor entre os jovens amantes é idealizado, romântico e rebelde, e termina em uma tragédia, pois as famílias do Romeu e da Julieta eram inimigas.

Babica: Sim, eu fiquei tão triste com essa história…

Bárbara: Naquela época era bem diferente de hoje, Babica. A expressão do amor também era limitada por normas sociais rígidas. Casamentos eram arranjados entre famílias nobres para garantir alianças políticas e econômicas.

Babica: Como assim?

Bárbara: As famílias escolhiam quem ia casar com quem, para que juntassem suas fortunas e ficassem mais fortes.

Babica: Os noivos não escolhiam um ao outro?

Bárbara: Não.

Babica: Se eu vivesse naquela época alguém ia escolher com quem eu ia casar?

Bárbara: Provavelmente.

Babica: Mas e se ele fosse feio?

Bárbara: Paciência. Você teria de casar com o feio!

Babica: Ah, não to gostando disso, não…

Bárbara: Ahahahahah, essa ideia de casamento escolhido é muito estranha mesmo, Babica. Hoje pensamos no amor romântico, onde a liberdade individual e a escolha pessoal são valorizadas, e os casais buscam uma conexão com pessoas das quais gostam…

Babica: E se apaixonam!

Bárbara: Isso mesmo. Mas ainda existem locais onde o casamento é arranjado.

Babica: Ainda existem? Onde?

Bárbara: Na Índia, no Paquistão, em Bangladesh, no Afeganistão, nos Emirados Árabes Unidos e em muitos países do golfo Pérsico, principalmente em sociedades onde as tradições culturais e os valores familiares desempenham um papel significativo na vida das pessoas.

Babica: No Brasil não, né?

Bárbara: No Brasil não, mas pode acontecer em algumas regiões. A lei brasileira diz que qualquer casamento sem o consentimento livre e consciente do noivo e da noiva pode ser anulado.

Babica: Ufa!

Bárbara: Ahahahahahah,..

Babica: E o medo, Bárbara? Ele também era visto de forma diferente antigamente?

Bárbara: Ah, a interpretação e a expressão do medo também evoluíram ao longo do tempo. Na era medieval, o medo muitas vezes estava ligado a ameaças físicas, como invasões de exércitos inimigos ou doenças epidêmicas.

Babica: Os cavaleiros enfrentavam o medo em batalhas?

Bárbara: Sim. A coragem era vista como a capacidade de confrontar essas ameaças de forma destemida, muitas vezes arriscando suas próprias vidas.

Babica: Eu amo histórias de cavaleiros!

Bárbara: Eu também! Mas eu teria medo.

Babica: Medo?

Bárbara: É. Aquelas espadas, aquelas lutas… Mas hoje em dia, o medo pode assumir formas mais abstratas e psicológicas, não precisa ser o medo de um inimigo numa batalha.

Babica: Como assim?

Bárbara: Hoje temos medo do fracasso, da rejeição social, de que não gostem da gente, ou até mesmo medo do desconhecido.

Babica: Eu tenho medo de avaranha.

Bárbara: Avaranha?

Babica: É. Avatar de aranha.

Bárbara: Ahahahahahahah… eu também tenho medo de aranhas reais, Babica.

Babica: E a coragem, Bárbara?

Bárbara: A coragem é a capacidade de superar esses medos internos, enfrentando desafios emocionais e psicológicos com bravura e determinação. Nos tempos antigos, a coragem muitas vezes era associada a ideais de bravura física, destemor diante do perigo e disposição para enfrentar desafios de maneira direta e até mesmo violenta.

Babica: É mesmo. Eu lembro do episódio do Minotauro, quando Teseu se ofereceu para ir até o Minotauro e o derrotou.

Bárbara: Bem lembrado, Babica!

Babica: Os cavaleiros medievais eram modelos de coragem, honra e lealdade, dispostos a enfrentar inimigos e defender seus senhores com bravura e determinação, não é?

Bárbara: Isso mesmo. A coragem também era vista como uma virtude moral, relacionada à capacidade de resistir à tentação, perseverar diante da adversidade e fazer o que é certo, mesmo quando isso implica em sacrifício pessoal.

Babica: Como um super-herói!

Bárbara: Como um super-herói!

Babica: Mas Bárbara, as qualidades da coragem, como bravura, determinação e integridade, continuam a ser admiradas e celebradas em todas as culturas até hoje, não é?

Bárbara: É sim. A coragem pode ter sido valorizada de maneira diferente nos tempos antigos, mas suas qualidades essenciais valem até hoje. O historiadores que estudam as emoções mostram que até mesmo o que nós consideramos emoções básicas, como alegria ou tristeza, pode variar de uma cultura para outra, ou de uma época para outra.

Babica: Mas Bárbara, como eles sabem sobre as emoções das pessoas antigas? Elas já morreram!

Bárbara: Eles olham para muitas coisas diferentes, como diários, cartas, obras de arte e até como as leis tratavam os sentimentos das pessoas. Isso tudo ajuda a entender como as emoções eram vistas e vividas no passado.

Babica: Mas e sobre saber o que alguém realmente sentia naquela época? Podemos mesmo saber?

Bárbara: É aí que fica complicado, Babica. Temos que ter cuidado para não pensar que as emoções sempre significaram o mesmo para todo mundo. O que chamamos de “amor” hoje pode ter sido algo bem diferente para alguém centenas de anos atrás.

Babica: Eu sei. Eles obrigavam a casar com gente feia! Mas Bárbara, então aprender sobre as emoções antigas nos ajuda a entender melhor as pessoas de antigamente?

Bárbara: Sim, e não só isso. Ao ver como as emoções mudaram, podemos aprender mais sobre nós mesmos e como nossa sociedade molda o que sentimos e como expressamos esses sentimentos.

Babica: Ah, eu quero saber mais sobre as emoções de todo mundo, não só as minhas!

Bárbara: E é por isso que estudar a história das emoções é tão fascinante. Nos ajuda a ver a enorme diversidade da experiência humana e a apreciar mais profundamente nossos próprios sentimentos.

Babica: E a entender muitas histórias malucas!

Bárbara: isso mesmo. Mas prepare-se que vem mais.

Babica: Ebaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa

_________________________________________________

Bárbara: Não esqueça então: os assinantes do Café Com Leite recebem um conteúdo extra no final de cada episódio!

Babica: Isso mesmo! Pule pra dentro do Café Com Leite! Ajude a gente a continuar! No podcastcafecomleite.com.br

Bárbara: Venha pro Clube Café Com Leite!

_______________________________________________________

Bárbara: Muito bem! Eu sou a Bárbara Stock…

Babica: E eu sou a Babica! O avatar da Bárbara que mora no celular dela.

Bárbara: somos suas companheiras neste Café Com Leite, que é feito com muito carinho pela turma do Podcast Café Brasil. A edição é do Senhor A e o texto e direção são do Luciano Pires.

E hoje como vamos encerrar o episódio?

Babica: Vou trazer uma frase do escritor William Sheakespeare:

Não posso escolher como me sinto, mas posso escolher o que fazer a respeito.