s
Artigos Café Brasil
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Corrente pra trás

Corrente pra trás

Luciano Pires -

O que vai a seguir é um capítulo de meu livro Brasileiros Pocotó, lançado em 2004. Fica sendo a minha homenagem ao grande Wilson Fittipaldi, que nos deixou hoje. Foi um privilégio conviver com ele, ouvir as histórias e perceber a capacidade de perseguir um sonho de forma obstinada que ele tinha.

Eu ia dizer “descanse em paz”, mas acho melhor dizer: “acelera”!

 

Corrente pra trás.

Participei de uma reunião com Wilson Fittipaldi. Wilson é cativante e não pude resistir em lhe fazer algumas perguntas sobre nossa brasileiríssima equipe Fittipaldi.

Quando o Copersucar estreou, em 1973, eu tinha 17 anos. E quando parou, em 1982, eu tinha 25. Foram os áureos anos da Fórmula 1 romântica e, pelo menos na minha cabeça, o que ficou foi a imagem do carro brasileiro que quebrava, quebrava, e não chegava…

Wilsinho foi enfático em afirmar que o problema daquele sonho brasileiro foi muito mais de credibilidade do que qualquer outra coisa. A falta de visão da mídia brasileira, de pessoas que conhecessem os meandros da F1, acabou criando uma imagem de equipe fracassada, contaminando os possíveis patrocinadores. Ninguém deu moleza para uma equipe de perdedores e deu no que deu. “Aquela porcaria só quebrava…”

Fiquei curioso e fui fazer um levantamento para verificar os fatos. Olha o que descobri:

Em oito temporadas, a equipe Fittipaldi acumulou 44 pontos, sendo um segundo lugar, dois terceiros lugares, cinco quartos lugares, quatro quintos lugares e sete sextos lugares. Enquanto isso, a Williams, atual potência da categoria, marcou apenas 21 pontos em seis temporadas (1973-78), antes da chegada do patrocínio milionário dos árabes em 1979.

A Fittipaldi terminou o Mundial de Construtores de 1978 com 17 pontos, à frente da McLaren, Williams, Renault e Arrows. E o Mundial de Construtores de 1980 com 11 pontos, à frente da Ferrari e Alfa Romeo e empatada com McLaren e Arrows.

Emerson terminou o campeonato de estréia pela equipe, em 1976, empatado com Carlos Reutemann (Brabham – Alfa Romeo) com três pontos. O campeonato de 1978, empatado com Gilles Villeneuve, da Ferrari, com 17 pontos (9º na geral) e à frente de pilotos da Williams, Renault, McLaren e Tyrrel. O campeonato de 1980, na mesma colocação que Alain Prost, da McLaren, com cinco pontos (15º na geral) e à frente de pilotos como Mario Andretti, da Lotus.

A equipe Fittipaldi foi formada por profissionais como Emerson Fittipaldi, duas vezes campeão mundial de Fórmula 1, duas vezes vice; Keke Rosberg, que trocou a Fittipaldi pela Williams, em 1982, e foi campeão do mundo; Jo Ramirez, chefe de equipe, considerado por Senna o melhor de todos; Ricardo Divila, projetista, já conquistou mais de vinte títulos no automobilismo mundial; Adrian Newey, projetista em 1979 e 1980, faturou os mundiais de 92, 93, 96 e 97; Harvey Postlethwaite, projetista em 1980 e 1981, na Ferrari, conquistou o Mundial de Construtores de 1982.

A equipe Fittipaldi acumulou um índice de quebras ao longo de sua história de 33,3%. Enquanto isso, a Jordan teve 44,5%, a Sauber 44,4%, a Williams 35% e a Ferrari 34,5%.

Você conhecia esses dados? Acho que não…

Pô, meu, talvez a memória que eu tenho do Copersucar seja injusta… Talvez o Wilsinho não esteja com dor de cotovelo.

E ele dizia:

— Ninguém nos conhecia, o que sabiam era o que saía na mídia. E quando nós mais precisávamos, quem é que ia querer fazer negócio com gente que era motivo de piada? Pô!

No capítulo “Eu, burro” deste livro, trato exatamente dessa espécie de morbidez do brasileiro que teima em não dar valor às conquistas de seus conterrâneos. Como exemplo, eu citava a conquista do Campeonato Mundial de Rally Cross Country pela equipe DanaTroller em 2001. Uma conquista que não teve repercussão fora do círculo dos amantes de ralis e que foi ridicularizada por algumas pessoas que não admitiam um carro fabricado no Brasil sendo comparado às máquinas das grandes montadoras.

No caso do Copersucar, a situação era bem diferente. O que não faltou foi mídia e divulgação, o que acabou criando uma expectativa sem precedentes. E, se existe uma coisa que brasileiro não perdoa, é expectativa frustrada. Por isso achamos que vicecampeonato é derrota.

Fico imaginando como é que se forma essa “corrente pra trás” que acaba criando uma torcida contra os conterrâneos que estão tentando alcançar seus objetivos. Uma hora é porque são incompetentes mesmo, outra é porque são preguiçosos. Aí, é porque ganham muito dinheiro ou, então, porque são medrosos…

Retomando a conversa com o Wilsinho, como é que essa percepção de incompetência, preguiça e medo é formada na opinião pública? Pensem bem… Que demonstrações públicas, inequívocas, evidentes, de medo, covardia, incompetência ou preguiça vocês já viram, ao vivo e em cores, dos nossos conterrâneos ao enfrentarem adversidades nas competições esportivas contra gente de maior gabarito?

Aposto que o choro da derrota, o suor do esforço, a explosão de ira em busca da vitória, o sangue do excesso ou as lágrimas do sucesso de brasileiros vocês já cansaram de ver. E essas demonstrações são de quê?

Será que os Fittipaldi choraram? Suaram? Sangraram? Ficaram irados? Fizeram tudo pela vitória? Ou terão tido medo? Incompetência? Preguiça? Dinheiro em excesso?

Por que viraram piada? Por que ficaram com a imagem de perdedores com o Copersucar? Porque alguém contou que eles eram motivo de piada. Alguém rotulou a equipe Fittipaldi de fraca, incompetente, perdedora. Do mesmo modo como nunca rotulam nossos adversários como mais fortes, poderosos e competentes!

Brasileiro perde porque é fraco, nunca porque o adversário é mais forte.

O Popó, campeão mundial de boxe, passou longos períodos procurando patrocinador. A Danielle Hipólito, vicecampeã mundial, idem. O que eles pediam por ano é mais ou menos um salário mensal de um jogador badalado de um grande time brasileiro de futebol.

O que eles não tinham é credibilidade.

A mesma máquina que nos convenceu de que o futebol brasileiro é campeão do mundo e que valorizou jogadores em escala global, permanece tímida diante dos talentos que têm tudo, menos credibilidade. E, agindo assim, não lhes dá a chance de construir a mesma reputação que, a despeito das falcatruas, tem o futebol. Assim fica impossível sedimentar uma estrutura capaz de continuar gerando campeões.

Ah, se o Popó ou a Danielle fossem ingleses, franceses, russos, alemães, argentinos…

Olha, Wilsinho, se você um dia ler este texto, saiba que eu mudei. Procurei conhecer os fatos e hoje tenho orgulho do Copersucar.

Orgulho de ter deixado a ignorância de lado.