s
Iscas Intelectuais
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Encontro Roberto Motta e Luciano Pires
Roberto Motta e Luciano Pires numa manhã de conversas ...

Ver mais

Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Café Brasil 930 – A Escolha de Sofia
Tomar decisões é uma parte essencial do dia a dia, ...

Ver mais

Café Brasil 929 – Desobediência Civil
Café Brasil 929 – Desobediência Civil
O livro "Desobediência Civil" de Henry David Thoreau é ...

Ver mais

Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Café Brasil 928 – Preguiça Intelectual
Láááááááá em 2004 eu lancei meu livro Brasileiros ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
LíderCast 324 – Cristiano Corrêa
Hoje trazemos Cristiano Corrêa, um especialista no ...

Ver mais

LíderCast 323 – Sérgio Molina
LíderCast 323 – Sérgio Molina
O convidado de hoje é Sérgio Molina, – atual CEO do ...

Ver mais

LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
LíderCast 322 – Rodrigo Rezende
Rodrigo Rezende, carioca, empreendedor raiz, um dos ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Inteligência de mercado (Business intelligence)
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A importância da inteligência de mercado[1] Considerações iniciais Este artigo tem por objetivo ressaltar a importância da inteligência de mercado no competitivo mundo contemporâneo, por se ...

Ver mais

Americanah
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Americanah   “O identitarismo tem duas dimensões, uma dimensão intelectual e uma dimensão política, que estão profundamente articuladas, integradas. A dimensão intelectual é resultado ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
Cafezinho 627 – O Pum da Vaca
O físico Richard Feynman tem uma frase ótima: "A ...

Ver mais

Cafezinho 626 – A Globo já era?
Cafezinho 626 – A Globo já era?
A internet mudou tudo. Ela acabou com os ...

Ver mais

Daniel Kahneman, a economia e a psicologia

Daniel Kahneman, a economia e a psicologia

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Daniel Kahneman, a economia e a psicologia

 

“O trabalho de Kahneman é realmente monumental na história do pensamento”.

Steven Pinker

(Entrevista em 2014 ao jornal The Guardian)

Faleceu no dia 27 de março, aos 90 anos, o psicólogo Daniel Kahneman, ganhador do Prêmio de Ciências Econômicas em Memória de Alfred Nobel de Economia[1] de 2002 “por ter integrado insights de pesquisa psicológica em ciência econômica, especialmente sobre o julgamento humano e tomada de decisão sob incerteza”. Na ocasião, ele dividiu o Prêmio com Vernon Smith, “por ter estabelecido experimentos de laboratório como uma ferramenta na análise econômica empírica, especialmente no estudo de mecanismos alternativos de mercado”.

Os dois são expoentes da economia comportamental, um ramo da teoria econômica que teve também como ganhadores do Prêmio Nobel de Economia: Herbert Simon, em 1978, “por sua pesquisa pioneira sobre o processo de tomada de decisão dentro de organizações econômicas”; Angus Deaton, em 2015, por sua análise do consumo, pobreza e bem-estar; e Richard Thaler, em 2017, “por suas contribuições para a economia comportamental”[2].

Além deles, merece destaque o nome de Amos Tversky, com quem Kahneman trabalhou em estreita colaboração. Tverski faleceu em 1996, seis anos antes de Kahneman receber o Prêmio Nobel de Economia. Caso estivesse vivo, Tversky provavelmente partilharia a láurea com Kahneman, uma vez que foi premiado o trabalho que ambos realizaram em conjunto durante mais de uma década na área de julgamento e tomada de decisão.

O trabalho de Kahneman – e, de certa forma, o dos outros adeptos da economia comportamental – serviu para derrubar a suposição de que a racionalidade é sempre responsável pela tomada de decisões por parte dos agentes econômicos, hipótese dominante na economia por muitas décadas. Kahneman foi capaz de mostrar a lógica (ou falta de) por trás de uma série de comportamentos intrigantes. Por exemplo: por que as pessoas vão de carro até uma loja distante para economizar dinheiro em um item de pequeno valor, mas não pensam em fazer a mesma economia com o carro?

Em entrevista concedida em 2012 à Associação Americana de Psicologia, Kahneman afirmou: “O cérebro reage rapidamente e com base em informações incompletas, muitas vezes com resultados infelizes. Não perdemos muito tempo dizendo: ‘Bem, há muita coisa que não sabemos’. Nós nos contentamos com o que sabemos”.

Em 2011, Kahneman publicou o livro Thinking, Fast and Slow, que se tornou best-seller. Publicado no Brasil em 2012 com o título Rápido e devagar: duas formas de pensar, apresenta uma visão abrangente da mente como contendo dois sistemas, um rápido e intuitivo, outro lento e mais racional. Entre os conselhos fornecidos no livro para tomar melhores decisões, um dos primeiros é: “Reconheça os sinais de que você é um campo minado cognitivo”.

O campo da economia comportamental ganhou espaço perto do final do século XX, quando um grupo de jovens economistas utilizou essas ideias para desafiar as noções clássicas de “homo economicus“, o ator racional.

De acordo com Flávia Ávila e Ana Maria Bianchi, organizadoras do Guia de economia comportamental e experimental, “a economia comportamental enxerga uma realidade formada por pessoas que decidem com base em hábitos, experiências pessoais e regras práticas simplificadas; aceitam soluções apenas satisfatórias; tomam decisões rapidamente; têm dificuldade de conciliar interesses de curto e longo prazo; e são fortemente influenciadas por fatores emocionais e pelas decisões daqueles com os quais interagem”.

A recente divulgação de inúmeras matérias versando sobre economia comportamental, surgidas em razão do falecimento de Daniel Kahneman, deve ter conduzido muita gente a imaginar, erroneamente, que a proximidade entre psicologia e economia surgiu há apenas algumas décadas, ou que só é perceptível a partir da visão predominantemente microeconômica da Escola Neoclássica.

Ledo engano. O estreito relacionamento entre a psicologia e a economia pode ser identificado em diversas correntes de pensamento, tanto pela ótica da psicologia[3], como pela ótica da economia.

Pela ótica da economia vou me ater a dois exemplos significativos.

O primeiro exemplo é de Adam Smith, chamado por muitos de “pai da economia”.Embora tenha escrito apenas dois livros, ele refletiu sobre uma série de temas, questões, eventos, países, culturas e ideias, transformando-se, por isso, num dos maiores pensadores da humanidade.

No livro O essencial de Adam Smith: os fundamentos da economia, James Otteson dá ênfase à combinação da psicologia, predominante em A Teoria dos Sentimentos Morais, e da economia, predominante em A Riqueza das Nações[4].

Como observa Otteson (2021, pp. 27-28):

O primeiro ponto a se notar é que o objetivo de Smith com Teoria [dos Sentimento Morais] não era recomendar comportamentos; sua preocupação principal não era dizer às pessoas como deveriam ou não se comportar. Portanto, não era uma obra sobre moralismo, mas algo mais próximo de um exercício naquilo que hoje chamaríamos de psicologia moral. Smith desejava entender como os seres humanos construíam seus sentimentos morais. Quase todos os seres humanos possuem sentimentos morais, e formar – e expressar – julgamentos morais é uma das principais atividades que realizamos.

Além disso, continua Otteson (p. 29):

Em Teoria, Smith busca ser um cientista empírico nos moldes de Isaac Newton, cujo método, como Smith o entendia, seguia o processo de, primeiro, observar os fenômenos a serem explicados; segundo, formular a hipótese que confirma seus padrões em leis e regras; terceiro, fazer previsões sobre os possíveis resultados em casos novos ou futuros; quarto, realizar mais observações para ver se as previsões de mantinham. e, por fim, revisar, reformular ou rejeitar hipóteses, como indicado ou exigido pelos novos dados observados. A ideia revolucionária de Smith era aplicar esse método newtoniano não apenas a objetos que se moviam no espaço, mas também ao comportamento humano.

Trazendo as ideias psicológicas de Smith na Teoria dos Sentimentos Morais para a economia, observa Otteman (P. 19):

A disciplina que hoje conhecemos como “economia” começou como “economia política” no século XVIII. Os primeiros economistas políticos, incluindo Adam Smith e David Hume, desejavam adaptar uma metodologia científica newtoniana ao estudo do comportamento humano e da sociedade humana por dois motivos principais e relacionados: primeiro, descobrir, através da história e da observação empírica, padrões regulares de comportamento que pudessem ser sistematizados e, portanto, explicados e entendidos; e, segundo, para utilizar esses padrões como bases empíricas pelas quais fazer recomendações sobre reforma institucional. Eles argumentavam que, se pudéssemos entender o funcionamento das instituições sociais humanas, talvez pudéssemos entender quais instituições morais, políticas, econômicas e culturais conduziam – e, é claro, as que não conduziam – à prosperidade humana.

Ora, atingir a prosperidade humana é exatamente o objetivo primordial da visão econômica de Smith, o que é evidenciado pelo título de sua obra: Uma investigação sobre a natureza e as causas da riqueza das nações.

O segundo exemplo do estreito relacionamento entre psicologia e economia pode ser encontrado nos autores da Escola Austríaca. No livro Viagem pela economia, afirmo que a Escola Austríaca se consolidou no século XX, utilizando-se de conceitos e métodos que vieram à tona na revolução marginalista, cujos principais expoentes, William Stanley Jevons, Carl Menger e León Walras, publicaram suas obras entre 1871 e 1874.

O universo da teoria econômica da Escola Austríaca é sintetizada pelo Prof. Ubiratan Iorio, no livro Ação, tempo e conhecimento,  na frase “a economia é ação humana ao longo do tempo, nos mercados, sob condições de incerteza genuína” (p. 61).

No mesmo livro, ele afirma (p. 19):

Como não é possível quantificar todo o nosso conhecimento, a Escola Austríaca não analisa os mercados como estados de equilíbrio, mas como processos de descoberta e articulação de conhecimentos que, normalmente, na economia do mundo real, permanecem  calados, silenciosos, escondidos, espalhados e desarticulados, à espera da inteligência humana subjetiva exatamente para despertá-los, exibi-los, organizá-los e articulá-los.

Friedrich Hayek, laureado com o Prêmio Nobel de Economia em 1974 e principal expoente da Escola  Austríaca, baseia-se claramente na explicação oferecida por Smith para o desenvolvimento de padrões morais seguindo um processo de criação que hoje chamamos de “ordem espontânea”, um sistema ordenado que surge das ações descentralizadas de indivíduos, mas sem a intenção de projetar um sistema geral.

Encerro com outro exemplo ilustrativo do estreito relacionamento entre psicologia e economia. O principal livro de Ludwig von Mises, também um baluarte da Escola Austríaca, tem por título Ação humana: um tratado de economia. Nele, Mises mostra que tudo que procuramos estudar em economia origina-se na escolha individual. O homem não escolhe apenas entre diversos bens e serviços, todos os valores humanos lhe são oferecidos como opção e submetidos às decisões individuais.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto 

Referências e indicações bibliográficas

ÁVILA, Flávia; BIANCHI, Ana Maria (organizadores). Guia de economia comportamental e experimental. Tradução de Laura Teixeira Motta e Paulo Futagawa. Revisão de Taís Rocha. São Paulo: EconomiaComportamental.org, 2015.

FERREIRA, Vera Rita de Mello. Psicologia econômica. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

_______________ Decisões econômicas: Você já parou para pensar? São Paulo: Évora, 2011.

KAHNEMAN, Daniel. Rápido e devagar: duas formas de pensar. Tradução de Cássio de Arantes Leite. Rio de Janeiro: Objetiva, 2012.

MACHADO, Luiz Alberto. Viagem pela economia. São Paulo: Scriptum, 2018.

_______________ Neurociência, criatividade, psicologia e economia comportamental: Conexões. Série Documentos. Espaço Democrático, 2023. Disponível em https://espacodemocratico.org.br/wp-content/uploads/2023/07/neurociencia-1.pdf. 

MISES, Ludwig von. Ação humana: um tratado de economia. Tradução de Donald Stewart Jr. Rio de Janeiro: Instituto Liberal, 1990. 

OTTESON, James. O essencial de Adam Smith: os fundamentos da economia. Tradução de Matheus Pacini. São Paulo: Faro Editorial, 2021.

SMITH, Adam. Teoria dos sentimentos morais. Tradução de Lya Luft; revisão de Eunice Ostrensky. São Paulo: Martins Fontes, 1999 – (Paidéia)

_______________ A riqueza das nações: investigação sobre a sua natureza e suas causas, com a introdução de Edwin Cannan. Apresentação de Winston Fritsch. Tradução de Luiz João Baraúna. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas)

THALER, Richard H.; SUNSTEIN, Cass R. Como tomar melhores decisões sobre saúde, dinheiro e felicidade. Tradução de Ângelo Lessa. Rio de Janeiro: Objetiva, 2019.

 

[1] Só a partir de 1968 o Nobel foi concedido na categoria de ciências econômicas. Ao contrário dos demais, concedidos pela Academia Real de Ciências da Suécia, o de ciências econômicas é concedido pelo Sveriges Riksbank (Banco Central da Suécia). Embora não seja um Prêmio Nobel, tem sido comumente conhecido como o Prêmio Nobel de Economia, denominação que será usada neste artigo.

[2] Todas essas justificativas entre aspas foram utilizadas pela Academia Real de Ciências da Suécia por ocasião da concessão da láurea aos respectivos ganhadores.

[3] Recomendo a leitura dos livros Psicologia econômica e Decisões econômicas: Você já parou para pensar?,  da Profª Vera Rita de Mello Ferreira, nos quais ela examina esse relacionamento pelo ângulo da psicologia econômica. Recomendo também o Guia de Economia Comportamental e Experimental, organizado por Flávia Ávila e Ana Maria Bianchi.

[4] O título completo é An Inquire into the Nature and Causes of the Wealth of Nations (Liberty Fund, 1981).

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado