s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Deduzir ou induzir

Deduzir ou induzir

Luciano Pires -

No Podcast Café Brasil 385 – Deduzir ou Induzir, parti de um texto de Mark Zegarelli chamado Think Logically para construir uma reflexão. Vamos a ela.

Dedução rima com redução, guarde isso com você. Dedução rima com redução. Deduzir é começar com um conjunto de possibilidades e reduzi-lo até que poucas opções restem. E aí escolher entre elas. É assim que trabalha a mente de Sherlock Holmes, por exemplo, o famoso detetive. Num caso de assassinato ele examinava todos os suspeitos, o açougueiro, a empregada, o sócio e a viúva. No final da história ele chegava a apenas um suspeito, por exemplo: “A vítima morreu na banheira, mas foi carregada até a cama. Uma mulher não conseguiria arrastar o corpo. Nem o açougueiro, que tem um problema físico. Portanto, o sócio deve ter cometido o crime.”

Essa é a dedução: uma redução.

Já a indução é o contrário: é um aumento. Ao induzir, você começa com um numero limitado de observações e vai aumentando-o através de generalizações. Por exemplo, de quando em quando você depara com a notícia de um caso de pedofilia envolvendo um padre. E conclui: todo padre é pedófilo. Sacou? Toda loira é burra. Todo do político é ladrão. Isso é indução: a partir de pequeno conjunto de possibilidades extrapolar para um universo maior.

A lógica permite que você raciocine dedutivamente com confiança. É ela que permite que você navegue por premissas, pelos fatos ou ideias iniciais a partir das quais se inicia um raciocínio, eliminando as conclusões inválidas e chegando o mais próximo da verdade possível. A lógica e a dedução estão, portanto, intimamente conectadas.

Mas, a dedução funciona muito bem é na matemática, por exemplo, onde praticamente não existem área cinzas. Quatro mais quatro dá sempre oito. Todos os números são pares ou ímpares. Se você quer provar que um número é par, divida-o por dois. Não há o que discutir. Essa deduções são fáceis de serem feitas.

Com a indução o bicho pega de verdade. A indução é logicamente falha. Encontrar 5, 10 ou 1000 pessoas legais numa cidade não significa que todos naquela cidade são legais. Ouvir cinco podcasts ruins não significa que todo podcast é ruim. Assistir a um filme ruim do Leonardo di Caprio não significa que todos os filmes dele são ruins. Parece tão óbvio, não é? Pois é… Mas dê uma olhada em volta e você verá a quantidade de gente que funciona por indução. Especialmente nas mídias sociais…

Bem, eu aprendi sobre dedução e indução em 1975, quando a sonda Viking 1 foi enviada para Marte. Naquela época eu mantinha correspondência com um dos grandes astrônomos amadores brasileiros, Jean Nicolini, lá de Atibaia, um especialista no planeta Marte. Nicolini me escreveu dizendo algo que marcou.

Havia uma grande expectativa sobre a Viking encontrar vida em Marte, estava todo mundo assanhado. E Jean escreveu assim: “Existem duas possibilidades para a Viking: encontrar vida ou não. Mas a única possibilidade que dará certeza definitiva será o sim, existe vida, encontramos uma prova. O ‘não existe vida’ não nos dará certeza alguma, pois é impossível, a partir das amostras encontradas numa pequena área, induzir sobre o que existe no resto do planeta.”

Ao deduzir, poderíamos dizer que “não há evidências de vida em Marte”, ou seja, não encontramos provas de que existe vida em Marte. Mas as provas podem existir em algum outro lugar do planeta. Ao induzir, poderíamos dizer que “há evidências de que não existe vida em Marte”. Estaríamos projetando para todo o planeta uma conclusão tirada com base numa pequena amostra recolhida, o que é um erro.

Aquilo me fascinou! Um tremendo esforço, milhões gastos, a mais alta tecnologia e tudo que teríamos seria a incerteza sobre se existia vida ou não em Marte? Pois é. Era possível deduzir a partir da amostra. Mas era impossível induzir.

Agora preste a atenção que vou dar um nó na sua cabeça: é muito mais fácil provar que a afirmação “não existe vida em Marte” é falsa. Basta encontrar uma evidência. Já para provar que “existe vida em Marte” é falso, só tem um jeito: revirar o planeta inteirinho, o que é impossível.

Sacou? Vamos conviver com a dúvida pelo resto da vida. É impossível induzir com certeza.

Muito bem… Aí você dirá: “Pô, mas já faz 40 anos que a gente explora Marte e não achou nada lá. Isso prova que não tem vida lá.”

E eu respondo: “Tem certeza?”

Se você for honesto, só terá uma resposta: “Não. Não tenho certeza.” Mesmo não encontrando evidências por 40 anos, continuamos com a dúvida. Pode ser que um dia apareça uma bactéria no fundo de um fosso e pronto! 40 anos de certezas cairão por terra.

De novo: conclusões indutivas são perigosas, pois generalizar uma premissa verdadeira pode levar a uma conclusão falsa.

Agora olhe em volta. Veja a quantidade de gente que induz coisas, especialmente nas mídias sociais. A partir de um fragmento de verdade, criam um cenário completo repleto de certezas absolutas. Negam aquilo que não se adapta à narrativa que construiram ou compraram e seguem exibindo orgulhosamente suas certezas.

Quanta arrogância.