s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

#DicaNetFlix Trotsky

#DicaNetFlix Trotsky

Luciano Pires -

#DicaNetFlix Trotsky. Minisérie em oito capítulos. Gênero: terror.

Descreve a evolução do jovem judeu Lev Bronstein, de uma obscura prisão em Odessa em 1898, até tornar-se o todo poderoso Leon Trotsky, um dos arquitetos da revolução russa de 1917 e criador do exército vermelho.

É naquela prisão, durante um jogo de xadrez, que o jovem Bronstein de 19 anos aprende com o diretor da prisão, Nicolai Trotsky, que o povo russo só pode ser controlado pelo medo e que ele deveria desenvolver a capacidade de controlar as massas para obter poder. E, simbolicamente, Bronstein adota o nome de seu carcereiro: Trotsky.

Numa licença artística, os criadores da série inventaram um jornalista de origem canadense que em 1940 se aproxima de Trotsky, exilado no México, para uma série de entrevistas. Por meio de perguntas incômodas, sempre tentando entender a moral por trás do indivíduo que trucidou milhares de pessoas em nome de uma revolução, o jornalista abre caminho para os flash backs que caracterizam a série.

A todo momento eu me lembrava da jovem Clarice Starling conversando com Dr. Annibal Lecter em “O Silêncio dos Inocentes”. Ela saía das conversas abalada, cheia de dúvidas… A mesma tensão, a sensação de que a qualquer momento aquele psicopata vai pular em seu pescoço… é esse o clima de toda a série.

Trotsky é retratado como um sujeito frio, sem emoções, um revolucionário doentio, que não hesita em sacrificar a família, usar o filho criança como escudo, mentir descaradamente para eliminar inimigos e manipular, manipular e manipular as pessoas na direção de seu sonho da revolução comunista mundial. Ele não está focado na Russia, mas no mundo. Seu relacionamento com Lênin, Stalin e outros figurões da época é sempre tenso, prestes a uma explosão e produzindo rios de sangue. E a série mostra momentos conhecidos, como o caso com Frida Khalo, a decisão de assassinar a família do Czar (muito criticada, pois dá a impressão que a decisão foi de Trotsky, o que contraria historiadores que a atribuem a Lênin), a formação do Exército Vermelho e o assassinato no México. Isso não é spoiler, é história.

A série é curta demais para o tema que aborda. Passa por cima de muitos momentos marcantes, não se aprofunda em diversos personagens fascinantes e dá uns saltos na história que mostram a dificuldade do roteiro. Stalin, por exemplo, é representado como o psicopata dos psicopatas. Pouco abre a boca, basta seu olhar para se perceber que o sujeito era um monstro. Ficou meio caricatura. E o processo de construção da inimizade com Trotsky fica obscuro, merecia mais atenção.

Outra coisa fascinante é a forma como Trotsky é cuidadosamente construído para ser um dos líderes, com um mentor, a partir de Paris, com ajuda da imprensa e dinheiro de oligarcas e com um plano muito bem arquitetado. Lembra o processo que construiu um certo personagem no Brasil.

A série é tecnicamente deficiente, seja nos efeitos visuais (o trem tem momentos que parece desenho animado) e no desempenho de diversos atores. O começo é particularmente arrastado, mas vai melhorando para o final. Nota-se que há uma preocupação em trazer os personagens históricos, mas infelizmente os nomes estão em russo e não foram colocadas legendas nesses momentos. Ficamos sem saber quem são ou tentando adivinhar. Mas é curioso ver figuras como Máximo Gorki e Sigmund Freud na tela. Aliás, Freud é responsável por um dos momentos mais saborosos da série, outra “licença artística” criando um fato que jamais ocorreu, mas que é fascinante e ajuda a construir o caráter de Trotsky.

O personagem principal é representado por um dos grandes atores russos da atualidade, Konstantin Khabensky. E ele o faz muito bem, com a psicopatia necessária para o tom que decidiram dar ao filme.

É possível sacar que muitas cenas foram forçadas, que em momentos a tal “liberdade artística” vai longe demais, assumindo até mesmo uma militância. A sequência do assassinato de Trotsky é absurdamente falsa. A única coisa verdadeira ali é uma martelada na cabeça. O resto é viagem dos roteiristas. Aliás, o próprio pôster da série já dá uma ideia do viés de terror. Veja na imagem que ilustra este post. E nós, que olhamos de longe, ficamos sem saber até onde a ficção prejudica a verdade.

Sobre a posição política, bem, basta dizer que os socialistas do mundo estão revoltados com a série, que representa os demônios que causaram o rio de sangue da revolução socialista de 1917. Mostra o sangue frio e a loucura socialista do sacrifício do indivíduo pelo bem da revolução. E os caras matam mesmo. Os socialistas estão gritando que “deturparam Trotsky”, o que é um indicativo de que deve ter sido aquilo mesmo.

Bem, eu não tenho um pingo de simpatia pela esquerda, pelo socialismo ou por aqueles psicopatas assassinos. E senti a mão pesada da série. Me deu vontade de ler uma biografia séria de Trotsky, Lênin e Stalin, para compreender um pouco mais da mente desses homens (ou serão demônios?), que impactaram a história da humanidade e por cujos atos pagamos até hoje.

É uma série de terror. Tem assassinos em série, monstros psicopatas, tortura psicológica, tortura física, mortes explícitas, vítimas indefesas e a ruindade do ser humano, que nos leva a questionar se eram humanos. E a tentar imaginar como é que há até hoje quem defenda essas figuras, esse sistema, essa loucura.

Aqui o trailer:

 

Boa sorte.