s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

É mais fácil seguir o grupo

É mais fácil seguir o grupo

Jota Fagner - Origens do Brasil -

Existe uma crença muito difundida de que a história humana avança em etapas gradativas e que culminará numa revolução transformadora. O tipo de revolução muda conforme o viés ideológico.

A esquerda acredita na chegada do socialismo real, a direita no liberalismo redentor. Comecemos pelo socialismo. Segundo essa crença, as pessoas terão igualdade de oportunidades numa sociedade muito mais integrada e empática. O liberalismo, por sua vez, prega uma perspectiva não menos utópica. De acordo com essa visão de mundo, basta deixar o mercado com total liberdade que ele se autorregulará. Esse processo seria, na concepção liberal, o único modo de diminuir as desigualdades e permitir que a história siga o seu rumo natural em direção a uma sociedade mais justa.

É claro que eu estou fazendo simplificações grosseiras das duas correntes ideológicas, mas é só para que fique evidente o quanto elas são, em essência, utópicas. A ideia de uma evolução social contínua deixa de considerar os movimentos de resistência e oposição. Não acredito num processo histórico que seja linear, etapista e escatológico. Um pouco de estudo da História pode ajudar na compreensão do quanto alguns processos são cíclicos, outros são completamente caóticos, imprevisíveis, desordenados.

A necessidade humana de colocar ordem em tudo contribui para essa escatologia reinante. Além disso, temos a herança do cristianismo que, como argumenta John Gray, forneceu alicerce teórico para as religiões políticas dos últimos séculos.

Observe o fervor das militâncias nos centros universitários, nas organizações comerciais, nas redações de jornais e revistas, nos ambientes públicos. É pura e simples pregação religiosa e doutrinária.

John Gray afirma que,

A política moderna é um capítulo na história da religião. Os grandes movimentos revolucionários que tanto influenciaram a história dos dois últimos séculos foram episódios da história da fé: momentos do longo processo de dissolução do cristianismo e ascensão da moderna religião política. O mundo em que vivemos no início do novo milênio está coberto de escombros de projetos utópicos, os quais, embora estruturados em termos seculares que negavam a verdade da religião, constituíam de fato veículos para os mitos religiosos.

Num país em que faz parte da cultura se apegar a todos os santos e crenças, as religiões políticas encontraram solo fértil para sua proliferação e desenvolvimento. Mas essa não é uma característica exclusiva dos brasileiros, é apenas mais uma apropriação cultural que desenvolveu traços muito regionais e caricatos. Gray complementa sua análise explicando que,

Apesar de ser apresentada nas roupagens de ciência social, esta crença de que a humanidade estaria no limiar de uma nova era não passa da mais recente versão de crenças apocalípticas que remontam às épocas mais antigas.

Em resumo, estamos substituindo as religiões tradicionais por suas versões políticas. Semelhante ao cristão recém convertido, o militante deseja pregar a boa-nova a todos que encontrar em seu caminho. Às vezes, no entanto, acontece de o evangelizador encontrar alguém que milita por um credo diferente. É nesse momento que a intolerância pode resultar em perda da civilidade. E é sobre isso que precisamos refletir constantemente. Afinal, que tipo de avanço acreditamos estar construindo quando a simples diferença de opinião transforma o outro em alguém inferior? Será que as diferenças só devem ser aceitas quando nos é conveniente? É preciso abandonar o comportamento de manada, é preciso refletir em privado. Infelizmente é mais fácil seguir o grupo.

 

José Fagner Alves Santos

Ver Todos os artigos de Jota Fagner