s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Facetas da criatividade, do empreendedorismo e da inovação no Brasil

Facetas da criatividade, do empreendedorismo e da inovação no Brasil

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Facetas da criatividade, do empreendedorismo e da inovação no Brasil

 

“A judicialização, em qualquer lugar, opera como um obstáculo a qualquer iniciativa, especialmente daquelas cujo conteúdo pode ser mais inovador.”

Eiiti Sato

 

Aproveitei o recesso de final de ano para intensificar minhas leituras e duas delas em particular servirão de base para este meu primeiro artigo de 2024. Aparentemente sem qualquer conexão entre elas, as leituras foram: o segundo volume – A necessidade da agilidade –  da trilogia escrita pelo Prof. Victor Mirshawka sobre Trabalhabilidade; e o ensaio do Prof. Eiiti Sato intitulado O empreendedorismo e a construção do poderio econômico americano.

Os dois professores abordam aspectos do empreendedorismo partindo de prismas diferentes, embora ambos façam questão de estabelecer relação entre criatividade, empreendedorismo e inovação.

Evidentemente, por estar inserida num livro, a abordagem do Prof. Mirshawka é muito mais detalhada do que a do Prof. Sato, ainda que as duas apresentem tópicos bastante interessantes.

A abordagem do Prof. Sato chama atenção por ser multidisciplinar, focalizando o empreendedorismo não apenas no plano econômico-administrativo, mas levando-o também para os planos da sociologia e da política.

Assim sendo, o Prof. Sato procura enfatizar o empreendedorismo como uma espécie de DNA dos norte-americanos, evidente não apenas nas figuras de John D. Rockefeller, J. P. Morgan, Cornelius Vanderbilt, Andrew Carnegie e Henry Ford, qualificados como “magnatas empreendedores” que desempenharam papel central para a ascensão do poderio econômico americano, mas também em sucessivas gerações, passando por Jay Gould, William Boeing, Walter Chrysler, Thomas Edison, Pierre Du Pont, Philo Farnsworth e chegando aos nomes que se projetaram nas últimas décadas como Bill Gates, Jeff Bezos, Elon Musk e outros. Muitos desses nomes estão ligados a poderosas indústrias norte-americanas, enquanto no Brasil as referências continuam sendo o Barão de Mauá e a geração de industrialistas como Francisco Matarazzo e outros líderes empresariais que fizeram de São Paulo um grande centro industrial, comercial e financeiro. O Prof. Sato conclui esta parte do seu ensaio alertando para a ausência no Brasil das últimas décadas de um autêntico espírito empreendedor, cuja consequência é o baixo dinamismo da atividade industrial. Para ele, “nestas duas primeiras décadas do novo milênio a economia brasileira voltou a ser predominantemente agro-exportadora, deixando de ser destaque em qualquer ramo industrial e a economia brasileira como um todo tem crescido, infelizmente, a taxas inferiores à média mundial”[1].

Na sequência, o Prof. Sato destaca o importante papel de Joseph Schumpeter na fundamentação teórica do empreendedorismo e da destruição criativa, entendida como fator essencial para a sobrevivência e supremacia do capitalismo. Neste particular, há plena concordância com o Prof. Victor Mirshawka que também exalta a relevância de Schumpeter para o empreendedorismo e a inovação. O que distingue a análise dos dois professores é a ênfase dada por Sato à relação entre capitalismo e democracia, bem mais elaborada do que a feita por Mirshawka.

O Prof. Sato vai buscar na história política americana o estreitamento dessa relação:

Não seria exagero afirmar que o próprio governo americano, desde sua concepção, trazia em si a marca da inovação. Os conceitos e ideias de democracia e república foram formulados e já haviam sido amplamente discutidos por notáveis pensadores desde a Antiguidade, mas a concepção de uma república democrática presidencialista surgiu, de fato, apenas na constituição promulgada em 1787, na qual se criava o primeiro Estado Nação governado por um sistema presidencialista moderno.

Prosseguindo na tentativa de estabelecer estreita relação entre o empreendedorismo, e a inovação na economia e na política, observa Sato:

Da mesma forma que na indústria, onde muitas inovações tecnológicas notáveis surgiram de combinações e de arranjos inéditos de elementos presentes na natureza desde o início dos tempos, é possível dizer que, na esfera da sociologia política, é um notável feito conseguir juntar, em uma solução viável na prática social e política, as inúmeras possibilidades presentes nos conceitos e nas teorias que a filosofia política denomina genericamente de democracia. Foi o que fizeram os “Pais Fundadores” ao conceber o sistema presidencialista americano que, dois séculos depois, continua vivo em sua essência e, em torno do qual se construiu os Estados Unidos da América como uma grande  sociedade livre e uma incomparável potência econômica e estratégica. Na realidade, a própria formação e organização de um Estado Nação em torno de um contrato formal – uma constituição – estabelecido sobre uma visão filosófica da ordem política foi uma notável inovação.

Faço questão de salientar dois outros aspectos da análise do Prof. Sato referentes à constituição dos Estados Unidos. O primeiro diz respeito à forma. Ao se concentrar em princípios e não em disputas e questões sobre fatos correntes (como ocorreu no Brasil), a constituição norte-americana não favorece a judicialização da convivência social ou mesmo das disputas no âmbito da ordem política. O segundo refere-se ao contexto histórico e ao desprendimento dos atores da política americana. Um caso notável de inovação na política pelo governo dos Estados Unidos foi a decisão de promover a industrialização da nação. É bastante conhecida a história de que Alexander Hamilton, por solicitação de George Washington, produziu em 1791 o Report on the Subject of Manufactures, numa época em que a grande maioria dos integrantes da classe política era composta de fazendeiros, como era o caso de Thomas Jefferson, James Madison e do próprio George Washington.

E em que aspecto a abordagem do Prof. Mirshawka constitui-se num relevante complemento à do Prof. Sato?

A meu juízo, ao mostrar que embora a criatividade, o empreendedorismo e a inovação dos brasileiros não sejam representados pelo segmento industrial, cuja participação no produto interno bruto (PIB) vem caindo há décadas, estão presentes – e como!!! – no segmento das startups, entendidas como empresas jovens com um modelo de negócio replicável, flexível e escalável, o que significa que ela estará sempre em busca de automação de suas operações, recorrendo para isso às mais recentes tecnologias.

Em dois de seus oito capítulos, o Prof. Mirshawka deixa clara a elevadíssima capacidade  criativa dos brasileiros, fazendo com que o País seja referência num segmento que envolve o que há de mais avançado em tecnologia da informação e inteligência artificial.

No quinto capítulo, o Prof. Mirshawka explica detalhadamente o que é uma startup, de que tipo podem ser e como financiá-las. Vale reproduzir deste capítulo, o trecho em que ele detalha as três características de uma startup já mencionadas:

Replicabilidade (ou repetibilidade)

É vital que o modelo de negócios de uma empresa iniciante seja replicável, isto é, que seja possível reproduzir a experiência de consumo do seu produto (ou serviço), de forma relativamente simples, sem exigir o crescimento na mesma proporção de recursos humanos ou financeiros.

Flexibilidade

Em função de sua característica inovadora, do ambiente incerto, competitivo e volátil em que a startup irá atuar, ela deve ser capaz de atender às demandas do mercado, adaptando-se rapidamente conforme ocorrem as mudanças. Desse modo, uma startup possui uma estrutura enxuta, com equipes relativamente pequenas e constituídas por pessoas ágeis, flexíveis e donas de certa autonomia.

Escalabilidade

Ser escalável significa que a startup pode atingir rapidamente um grande número de clientes, com custos relativamente baixos. Assim, um negócio escalável é aquele capaz de promover o crescimento da startup, de forma ágil, sem que isso afete significativamente sua estrutura ou demande muitos recursos.

Um negócio escalável naturalmente requer gestores líderes, com as habilidades necessárias para conduzir o crescimento da startup de forma coerente, valendo-se de ferramentas robustas de gerenciamento e desenvolvendo uma comunicação interna e externa bem eficaz.

É óbvio que a transformação digital estará sempre por trás da maioria dos empreendimentos escaláveis. Por exemplo, com o auxílio da Internet e de recursos de marketing digital, pequenas startups são capazes de competir com grandes marcas, muitas vezes provocando mudanças radicais ou disruptivas em seu setor.

Um modelo de negócios escalável deve contar com as seguintes características fundamentais:

        • Ser ampliável e capaz de atender altas demandas.
        • Possuir um processo de produção ensinável.
        • Oferecer produtos ou serviços padronizados.
        • Contar com uma logística inteligente.
        • Utilizar processos automatizados.

No sexto capítulo, o Prof. Mirshawka explica o que significa ser uma startup de sucesso, merecendo a qualificação de unicórnio, ou seja, empresas de tecnologia que alcançaram o valor de no mínimo US$ 1 bilhão, algo considerado bem expressivo e difícil de atingir.

Em seguida, faz uma breve descrição do histórico de 26 startups brasileiras que se transformaram em unicórnios. Essas 26 startups  brasileiras atuam em diferentes segmentos e algumas delas operam em diversos países. Algumas são bastante conhecidas – 99, PagSeguro, Arco Educação, Nubank, iFood, Quinto Andar, Stone e C6Bank -, outras nem tanto, mas são todas exemplos vivos da capacidade do brasileiro de criar, empreender e inovar de forma competente e competitiva.

Resta torcer para que a mesma competitividade presente no agronegócio e em determinados segmentos do setor de serviços se espalhe pelos outros setores produtivos da nossa economia.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

HAMILTON, Alexander. Report on the Subject of Manufactures.  Disponível em https://founders.archives.gov/documents/Hamilton/01-10-02-0001-0007.

MIRSHAWKA, Victor. Trabalhabilidade: a necessidade da agilidade. São Paulo: DVS, 2022.

SATO, Eiiti. O empreendedorismo e a construção do poderio econômico americano. Disponível em https://www.souzaaranhamachado.com.br/2024/01/o-empreendedorismo-e-construcao-do-poderio-economico-americano/.

SCHUMPETER, Joseph. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Introdução de Rubens Vaz da Costa. Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas)

_______________ Capitalismo, socialismo e democracia. Introdução de Tom Bottomore. Tradução de Sérgio Góes de Paula. Rio de Janeiro: Zahar, 1984.

 

[1] De acordo com dados do SISCOMEX, os cinco produtos mais exportados pelo Brasil são minério de ferro, soja, petróleo bruto, açúcares e melaços, e carne bovina. Esses cindo produtos responderam por 43% das exportações brasileiras em 2023 (Jan-Out). O caso da EMBRAER, obviamente, é uma notável exceção e mereceria uma reflexão à parte. Conforme dados do Banco Mundial, em duas décadas (2000- 2020), a economia mundial cresceu 151,75%, enquanto o Brasil cresceu apenas 125,79%.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado