s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

A metade cheia do copo está esvaziando?

A metade cheia do copo está esvaziando?

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Considerações sobre emprego e desemprego

 

“… nem a inflação nem as contas públicas
estão desajustadas, só não se sabe ao certo
como ajustá-las.”
Alexandre Tombini

Diante da advertência do Papa Francisco sobre a necessidade de se dar atenção especial aos extremos, os jovens e os idosos, o programa jornalístico Globo News decidiu pautar o tema, convidando uma professora de geriatria para tratar da questão dos idosos nos estúdios do Rio de Janeiro e a mim para tratar da questão dos jovens nos estúdios de São Paulo, com foco especial no emprego e no mercado de trabalho.

Ao conversar com a jornalista que havia preparado o roteiro das perguntas, constatei um problema. Tendo se baseado num livro de Márcio Pochmann publicado em 2007, ela considerava um nível relativamente elevado de desemprego e uma enorme dificuldade para os jovens conseguirem acesso ao mercado de trabalho obtendo seu primeiro emprego.

Alertei para o fato de que esta não era a realidade observada no Brasil nos últimos anos, quando nossa economia operou com um nível de desemprego muito baixo, próximo daquilo que os economistas chamam de pleno emprego. Acrescentei que tal situação vinha se constituindo num desafio para muitos analistas que tinham dificuldade de entender a combinação de um baixo índice de crescimento econômico com um baixíssimo índice de desemprego. Surgiu até uma expressão jocosa para isso: “Pibinho” X “Empregão”. Embora engraçada, há um erro na mesma, uma vez que o PIB do Brasil é grande, o que tem sido pequeno é a sua variação anual, ou seja, a taxa de crescimento econômico.

Complementei minhas considerações afirmando que também entre os jovens a situação havia sido favorável nos últimos anos, principalmente entre os que conseguem obter uma boa qualificação, formando-se em cursos reconhecidos como de excelência. Estes eram disputados ainda nos bancos escolares, recebendo boas ofertas para estágios ou mesmo para trainees. Situação bem diferente da observada na União Europeia, onde a taxa média de desemprego entre os jovens é de aproximadamente 23%, atingindo mais de 50% na Espanha e 58% na Grécia.

Em artigo que será oportunamente publicado pela revista Economistas, o Prof. Hélio Zylberstajn, com base em dados recentes da Pesquisa Mensal do Emprego do IBGE, revela que o excelente momento em termos de emprego e renda da economia brasileira pode estar chegando ao fim, já que os últimos indicadores registram elevação – ainda incipiente – do desemprego em algumas regiões. O Prof. Zylberstajn destacou ainda dois aspectos importantes:

1º) O “casamento” entre crescimento pífio do produto e elevado nível de emprego só foi possível porque nossa economia se tornou mais intensiva em mão-de-obra. Com base nessa explicação, conclui-se que expansão do emprego tem se dado em setores que demandam mais trabalho e são menos produtivos que a indústria, por exemplo. Consequentemente, a produtividade geral do trabalho estagnou. Em outras palavras, para o mesmo nível de produto, estamos usando mais mão-de-obra. Isto é preocupante porque implica em reconhecer que perdemos o dinamismo na criação de valor adicionado.

2º) Observa-se uma diferença nos padrões do crescimento do emprego entre as regiões do País. A taxa de desemprego das 6 principais regiões metropolitanas foi de 5,8% em maio. Porém, a variação foi significativa: Porto Alegre, com 3,9%, e Belo Horizonte, com 4,3%, estavam praticamente em pleno emprego; Rio de Janeiro, com 5,2%, e Recife, com 6,1%, apresentavam expansão acelerada; e São Paulo, com 6,3%, e Salvador, com 8,4%, registravam expansão declinante. “Resta saber”, adverte o Prof. Zylberstajn, “até onde vai o ‘fôlego’ de Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Belo Horizonte. Se as previsões de crescimento econômico modesto para os próximos meses se confirmarem, o padrão deexpansão declinante de São Paulo e Salvador poderá contagiar as outras quatro regiões”.

Considerando que as obras da maior parte dos estádios que serão utilizados na Copa do Mundo chegaram – ou estão chegando – ao fim, assim como a construção de grandes usinas, como a de Santo Antônio e Jirau, sem que existam outros projetos de tamanha envergadura para absorver essa mão-de-obra, constata-se que o céu de brigadeiro que garantiu a trajetória tranquila da economia brasileira até o primeiro semestre deste ano gerando elevados índices de popularidade à presidente da República parece, cada vez mais, coisa do passado.

Usando uma conhecida metáfora, pode-se dizer que o baixo crescimento, entendido como “a metade vazia do copo”, foi compensado pelo elevado nível de emprego, visto como “a metade cheia do copo”. Ao que tudo indica, no entanto, a metade cheia do copo começa a se esvaziar.

O que aguardar para os próximos meses?

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências e indicações bibliográficas

POCHMANN, Márcio. O emprego no desenvolvimento da nação. São Paulo, Boitempo Editorial, 2008.

ZYLBERSTAJN, Hélio. Padrões de expansão do emprego nas Regiões Metropolitanas. Economistas. Revista do Conselho Federal de Economia – COFECON, ano IV, nº 11, agosto de 2013.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado