Iscas Intelectuais
Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Café Brasil 725 – A revolução da mídia
Estamos protagonizando uma revolução nas mídias, com ...

Ver mais

Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Café Brasil 724 – A Pátria dos bobos felizes
Nos últimos 100 anos, na Alemanha e nos EUA, o ...

Ver mais

Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Café Brasil 723 – O Paradoxo do Dadinho
Pois é... esta semana completo 64 anos de idade. ...

Ver mais

Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Café Brasil 722 – O Poder do Mau
Um Podcast Café Brasil com quase três horas de duração ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
LíderCast 202 – Richard Vasconcelos
Que está à frente da LEO Learning Brasil, uma empresa ...

Ver mais

Sobre Liberdade
Sobre Liberdade
Abri uma das aulas de meu curso Produtividade ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
Minuto da Produtividade 4 – Registre os pensamentos e ideias
A mente da gente é que nem o Windows; está agitando mas ...

Ver mais

Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 – Livre-se do lixo
Minuto da Produtividade 3 - Livre-se do lixo

Ver mais

Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Minuto da Produtividade 2 – Desenvolva sua própria pegada produtiva
Desenvolva a sua própria pegada produtiva!

Ver mais

O fenômeno da fraude acadêmica no Brasil
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
Existe um fenômeno curioso na cultura brasileira: a falsificação de credenciais acadêmicas. A mentira do novo ex-ministro da Educação, Carlos Decotelli, que afirma ter concluído um doutorado que ...

Ver mais

Pandemia ou misantropia?
Filipe Aprigliano
Iscas do Apriga
Mais importante que defender a sua opinião, é defender o direito de livre expressão e escolha.

Ver mais

Revisionismos e intolerância
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Revisionismos e intolerância “Sabemos que ninguém jamais toma o poder com a intenção de largá-lo. O poder não é um meio, é um fim em si. Não se estabelece uma ditadura com o fito de salvaguardar ...

Ver mais

Motivos de orgulho
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Motivos de orgulho Numa época repleta de dificuldades, pessimismo e más notícias como a que estamos vivendo em razão da pandemia de coronavírus e suas consequências sanitárias, econômicas, ...

Ver mais

Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Cafezinho 297 – Empatia Positiva
Empatia positiva. Saborear a sensação boa do outro não ...

Ver mais

Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Cafezinho 296 – Conhecimento ao seu alcance
Se você tem acesso a informações que outras pessoas não ...

Ver mais

Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Cafezinho 295 – O Domingão do Faustinho
Estamos assistindo a uma revolução na mídia, meus ...

Ver mais

Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Cafezinho 294 – Vem pra Confraria
Se você vê algum valor em nosso trabalho, acesse ...

Ver mais

A volta dos que jamais se foram

A volta dos que jamais se foram

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Dia cinzento. No ar, o saudosismo impera. Dizem que quem vive de memórias é museu. Se isto for verdade, nossa psique é o maior museu do mundo e nossa percepção seletiva introverte-se periodicamente nos balanços da vida. O que eu fiz de mim mesmo? Passados de gentes distintas e indistintas, lugares, feitios, situações e, no porão da alma, um pedaço indigesto do mal vivido e acabado, que se amontoa à medida em que os anos se vão. Marcas de toda sorte ali ficam, alguns ignoram ou ao menos tentam fazê-lo. Mas o traço fica, qual rastro de crime. E sua autoria é inegável, querendo ou não.

Mas de todas as memórias, a do mal resolvido é a mais intensa. O beijo não dado por covardia, nas casualidades da puberdade, a recusa do emprego por medo, aquela relação mal resolvida que passou e ficou. Se todo museu é um acervo humano de valor inestimável, por contar nossa história, o que dizer do museu da alma? Neste, o centro é o que mexeu mais intensamente com nossa afetividade. E o mal resolvido neste campo é senhor: pelas horas de insônia, pelo choro, amargura, saudade, anseios frustrados, pelo grau de investimento do afeto, pelo desejo velado, pela vontade de mudar algo que ficou para trás e, o principal, pelas lembranças seletivas que descartam qualquer possibilidade de sofrimento vivido no passado, ou seja, o passado foi perfeito. Agora, relembrando, suspiro e ignoro todo mal vivido, ficou a saudade. Saudade que ressuscita os “mortos”, que transforma pessoas em zumbis que nos seguem madrugadas afora nas brigas com o travesseiro. A imaginação fértil amplia a problemática.

Temos aqui uma cisão psíquica, que quebra a possibilidade dinâmica da vida e que perpetua a volta dos que jamais se foram. Culpa da percepção seletiva ou de nossa imaturidade afetiva? Talvez de nenhum dos dois, mas do gostar, que jamais leva a culpa de nada, sempre é bom. Em nosso inconsciente, tendemos mais a valorizar o objeto antigo em detrimento do atual. Saudosismo. Tipo aquele desenho idiota de nossa infância, o cigarro de chocolate, a pipoca desidratada, frita, insípida, aquilo sim era bom! Precisamos do passado para aprender e crescer, mas valorizar excessivamente o que é antigo pode tornar-se patológico, mesmo porque o antigo tem sua força no espírito indissolúvel. E no campo das relações mal resolvidas, o imaginário impera nas políticas do “E SE…”, que configuram ensaios além da eternidade. Tudo no universo interior, longe da pessoa amada, de seu abraço, voz, carinho, beijo. E se eu tivesse feito isto, aquilo, como seria se… e qual uma criança brincando de quebra cabeças vamos, perdidos valorizando e reconstruindo histórias, recriando a existência em possibilidades que o outro sequer sonha. Em minha prática profissional como analista e psicólogo clínico vi vários pacientes presos a histórias do passado, às vezes por décadas vivendo e se nutrindo do que se foi. Deixar de viver a vida, a realidade para viver da frustração é o que torna este processo patológico.

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima