s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Diferentes tipos de capital

Diferentes tipos de capital

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Diferentes tipos de capital

 “O mais valioso de todos os capitais é aquele investido em seres humanos.”

 

 

 

 

 

 

Alfred Marshall

Logo na primeira aula do curso de ciências econômicas aprendi que a economia é a ciência que estuda a combinação dos recursos escassos de forma a satisfazer, da melhor forma possível, as ilimitadas necessidades humanas[1]. Aprendi, então, que os recursos, fatores ou meios de produção dividem-se em humanos (ou trabalho), naturais (ou terra) e capital. Este, por sua vez, divide-se em capital físico, incluindo instalações, máquinas, equipamentos, e capital financeiro, englobando os diversos ativos monetários e financeiros.

Bem mais tarde, conheci uma definição que me agrada bastante. É do economista francês Léon Walras, um dos principais expoentes da revolução marginalista na segunda metade do século XIX. Para ele,

[Capital é] toda espécie de riqueza social que não é inteiramente consumida, ou é consumida apenas lentamente; todo bem útil limitado em quantidade, que sobrevive ao primeiro uso; em suma, que pode ser usado mais de uma vez; uma casa, uma peça de mobiliário.

Com o tempo, conheci a expressão capital humano, que, segundo Eduardo Giannetti,

representa o grau de capacitação da comunidade para o trabalho qualificado, a inovação científica, a liderança e a organização a nível empresarial privado e na vida pública. Ele é constituído não somente pelo investimento das famílias e da sociedade como um todo na capacidade produtiva das pessoas, mas também por elementos de natureza ética como, por exemplo, a capacidade dos indivíduos de perceber e agir consistentemente com base em interesses comuns, ou ainda de respeitar na prática regras gerais de conduta – as “regras do jogo” – das quais todos os participantes se beneficiam, embora para isso precisem restringir alguns de seus interesses pessoais – ou de grupo – mais imediatos.

Embora tal ideia remonte a Alfred Marshall no fim do século XIX, ganhou força com dois economistas laureados com o Nobel, Theodore Schultz e Gary Becker[2]. No Brasil, além de Eduardo Giannetti, Ricardo Paes de Barros e Marcelo Neri são dois de seus principais divulgadores.

Mais algum tempo, conheci a expressão capital social, definido como o conjunto de conexões de uma rede social, que por meio de confiança e reciprocidade pode aumentar a produtividade de indivíduos e organizações públicas e privadas. Embora o conceito remonte ao sociólogo Pierre Bourdieu, quem consagrou a ideia foi Robert Putnam, professor da Universidade de Harvard e autor de uma obra que se tornou referência, Making democracy work.[3]

Por fim, conheci a expressão capital político. Tendo também Pierre Bourdieu como um de seus idealizadores, significa o leque de apoios que o político que participa e vence processos eleitorais consegue arregimentar e que lhe dá respaldo – tanto parlamentar como da opinião pública – para implantar suas propostas.

No Brasil, vimos diferentes experiências sobre capital político. Fernando Henrique Cardoso e Lula se elegeram com votação expressiva e governaram com elevado capital político. Dilma Roussef reelegeu-se com baixíssimo capital político em razão da vitória eleitoral muito apertada. Esse frágil capital político favoreceu o rápido desgaste que culminou no seu impeachment. Michel Temer, por sua vez, assumiu o cargo sem ter sido pessoalmente votado, mas contando com o apoio de parcela expressiva da população. Seu capital político esvaiu-se em pouco tempo graças à necessidade de substituir ministros nos primeiros dias após ter tomado posse. O vazamento da conversa com Joesley Batista logo em seguida encerrou precocemente sua gestão.

Fazendo uma analogia, pode-se dizer que elevado capital político é uma espécie de sinal verde para o governante avançar com seus projetos, ao passo que baixo capital político equivale ao sinal vermelho.

Vemos, agora, a situação de Jair Bolsonaro. Eleito com margem considerável de votos, inicia seu governo com amplo capital político e, sabiamente, tem procurado utilizar esse capital encaminhando ao Congresso desde logo o conjunto de reformas tidas como essenciais. Preocupa-me, porém, o acúmulo de questiúnculas, como a que envolveu a demissão do ministro Gustavo Bebiano, que vai minando esse capital político.

Se problemas dessa natureza continuarem ocorrendo, o sinal verde logo dará lugar ao sinal amarelo.

 

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referências bibliográficas e webgráficas

BECKER, Gary. Human Capital: a theoretical and empirical analysis, with special reference to education. New York: Columbia University Press, 1964.

BOURDIEU, P. The forms of capital. In RICHARDSON, J. (ed.). Handbook of theory and research for the sociology of education. New York: Greenwood Press, 1986.

GIANNETTI DA FONSECA, Eduardo. A ideia do capital: sua evolução e sua presença hoje. In GALL, Norman et al. Nova era da economia mundial. São Paulo: Pioneira/Instituto Fernand Braudel de Economia Mundial, 1989, pp. 37 -52.

MARSHALL, Alfred. Princípios de economia: tratado introdutório. Tradução revista de Rômulo de Almeida e Ottolmy Strauch. Introdução de Ottolmy Strauch. São Paulo: Abril Cultural, 1982. (Os Economistas)

MIGUEL, Luís Felipe. Capital político e carreira eleitoral: algumas variáveis na eleição para o congresso brasileiro. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 20, junho de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000100010.

PUTNAM, Robert D. Making Democracy Work: civic traditions in modern Italy. Princeton University Press, 1992, apud Braudel Papers no 10, 1995.

_______________ Comunidade e democracia: a experiência da Itália moderna. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1997.

RAMOS, José Maria Rodriguez. Lionel Robbins: Contribuição para a Metodologia da Economia. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo. 1993.

REIS, Bruno Pinheiro W. Capital social e confiança: questões de teoria e método. Revista de Sociologia e Política. Curitiba, nº 21, novembro de 2003. Disponível em http://dx.doi.org/10.1590/S0104-44782003000200004.

SCHULTZ, Theodore W. O valor econômico da educação. Tradução de P. S. Werneck, revisão técnica de Calógeras A. Pajuaba, 2 ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

___________________. Investindo no povo. Tradução de Élcio Gomes de Cerqueira. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1987.

_______________ O Capital Humano: Investimentos em Educação e Pesquisa. Tradução de Marco Aurélio de Moura Matos. Rio de Janeiro: Zahar, 1973.

WALRAS, Léon. Compêndio dos elementos de economia política pura. Apresentação de Dionísio Dias Carneiro Netto. Tradução de João Guilherme Vargas Netto. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Os Economistas)

[1] Esta é uma das diversas definições de economia. Outra, muito citada, é a do economista inglês Lionel Robbins, para quem “economia é a ciência que estuda o comportamento humano como um relacionamento entre fins e meios escassos que têm usos alternativos”.

[2] Mais recentemente, James Heckman foi também laureado com o Prêmio Nobel de Economia por suas pesquisas a respeito do retorno econômico da educação.

[3] Contábil ou financeiramente, Capital Social é o valor que os sócios ou acionistas estabelecem para sua empresa no momento da abertura. Trata-se, portanto, da quantia bruta que é investida, o montante necessário para iniciar as atividades de uma nova empresa, considerando o tempo em que ela ainda não vai gerar lucro suficiente para se sustentar.

 

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado