s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Difícil até de dar nome

Difícil até de dar nome

Jorge De Lima - Iscas Olhos&Alma -

Fica no ar aquele aperto no peito… Uma sensação estranha, difícil de nomear, algo indefinido, que não sabemos o que é, nem o que vai dar. Tontura, indecisão, fome de barriga cheia, tudo estranho e fora do comum. Choro sem lágrima. Sorriso sem alegria. Olhar sem vida. Vontade de fazer, mas o quê? E o tempo não espera… apenas passa…

A impotência, quando bate à porta de nossa vida, é  assim, cheia de contradições e de nuances peculiares. É o ser que não é, a boa ideia que não veio, ou, se veio, sumiu. Quem jamais se sentiu assim? Nos dias de hoje é comum tal vivência, pelo desmando político, pela corrupção do Judiciário, pela falta de ética em toda a sociedade, principalmente pela decadência na busca por um sentido de vida. Quem jamais se comoveu pelo choro de criança faminta, pelo irmão deficiente largado… tantos e tão frequentes abandonos pela vida afora. É aquele espelho, deixado com aquele pedacinho nosso, jogado nos barrancos do passado… Vivemos em um mundo onde cada um luta por si, e salve-se quem correr! Um blues de Cartola esquecido.

Mantemos constantemente uma casca de onipotência interessante, criada pelo aspecto social de manutenção do status. Sou melhor e mais forte que isto tudo, potente e bom, desde que se cumpram as regras de minhas duas pílulas excitantes antes de cada ato. Droga! A cada dia mais inventam tais comprimidos de tesão. Até isso tem de ser artificial nos dias de hoje? É muito super herói para tanta pasmaceira e apatia. Batman de cuecas e Mulher Maravilha de camisola.

E assim vivemos um elo paradoxo entre o ser maravilhoso e a inutilidade, entre o tesão desembestado e o broxa. Cindimos a vida em paralelos e perdemos a noção da dinâmica da existência. Negamos o caos da vida, fingindo que ele não existe, ou que ao menos está longe, bem longe.

O volume de pessoas sentindo-se impotentes progride geometricamente, tanto no aspecto físico, quanto no psicológico. Isto advém da visão mecanicista de um ser humano-máquina, capaz de “dar cinco sem tirar”, de dormir apenas três horas por noite, altamente rentável e produtivo, lindo e perfeito em tudo e em todas as situações. Às vezes acho que colocaram na água que bebemos extrato de amendoim mágico do super pateta. Quando ligo a televisão e vejo certas personalidades em entrevista, sinto-me tão mortal, tão falho e mesquinho, tão limitado e medíocre ante tantos feitos divinos. É muita gostosura para tanta patetice. Talvez meu Brasil seja muito mais nórdico que meus olhos conseguem perceber. Falta humildade e pés no chão pra sobreviver em nossa atualidade.

Jorge Antonio Monteiro de Lima

Visite nosso web site:www.olhosalma.com.br

Ver Todos os artigos de Jorge De Lima