s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Go Ronda, go!

Go Ronda, go!

Adalberto Piotto - Olhar Brasileiro -

Eu nunca perdi uma madrugada para ver UFC.

Na deste último domingo, eu fiz isso e não contabilizo como perda, embora talvez não faça de novo.

Confesso que o marketing da luta entre Ronda Rousey e a brasileira Bethe Correia, a performance técnica da brasileira como desafiadora, o fato em si de ser uma brasileira, mas sobretudo Ronda e seu peculiar estilo de quem luta como gente grande e depois sorri como uma menina, tudo isso me deixou interessado.

Aprender nunca é demais.

E havia ali, por mais estranho que seja, valores humanos em jogo. Nesta luta, especialmente.

Pra quem não sabe do caso, explico:
Uma declaração insuportavelmente infeliz de Bethe, que disse que Ronda iria apanhar tanto e perder que, talvez depois, quisesse se suicidar (o pai de Ronda se suicidou, quando ela ainda era uma criança, depois de descobrir ser vítima de uma doença degenerativa), me fez de um espectador imparcial, por pouco conhecer do esporte, a um torcedor momentâneo de Ronda.

Li todas as trocas de farpas entre as lutadoras. Achei exagerado o linguajar excessivamente grosseiro da brasileira, mas tentei tomar isso como “do negócio”, uma tática, etc, a exceção, como expliquei, da frase sobre o suicídio.

A americana, mesmo dura, me pareceu mais contida, apesar da mãe que falou de golpes para quebrar o braço da oponente.

Eu sempre questionei essa troca de caras feias e declarações duras de arrogância e superioridade entre lutadores, herdada do boxe norte-americano, porque elas só valem, se valem, para quem ganha.

Ronda, eu vi, foi pra luta pra defender muito mais que seu cinturão. Foi em memória do pai. Ali tinha muito mais que técnica, talento e a estratégia de uma lutadora campeã bem treinada.

Tinha nela aquela raiva, que sai sabe-se lá de que lugar dentro de nós,que nos faz muito mais fortes. Ela lutou pela dignidade do pai, dela e da família que, embora tenha havido tentativa de desmentidos de Bethe, foi de alguma forma atacada.

Bethe foi infeliz e saiu do octógono com a vergonha não de quem perdeu uma luta, mas sim de quem perdeu uma grande oportunidade de ficar calada. De ter sido mesquinha. E tudo isso em meros 34 segundos e uma lona.

Por este aspecto, “go Ronda”!

PS.: e o que é o público de UFC na arena ficar gritando “Vai morrer, vai morrer”? Não consigo acompanhar um esporte assim.
Isso me lembrou da história dos romanos jogando cristãos aos leões para delírio da torcida.
Sinistra essa gente em pleno século 21.

Ver Todos os artigos de Adalberto Piotto