s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Bruno Garschagen - Ciência Política -

Em 2008, fui a Turquia numa viagem de trabalho. Já tinha lido a respeito, mas tomei um susto ao tentar abrir o Youtube e surgir na tela a mensagem de que o serviço não estava disponível no país. Sim, o Youtube na Turquia estava bloqueado. E voltou a sê-lo no ano passado junto com o Twitter por decisão judicial a pedido de agentes do Estado que queriam impedir que a população tivesse acesso a informações a respeito da morte de um promotor e gravações que indicavam corrupção de pessoas próximas ao na época primeiro-ministro Tayyip Erdogan.

A coisa funciona assim: é mais fácil e rápido para o Estado bloquear e censurar redes sociais e aplicativos do que lidar com os problemas reais de suas condutas ou investigar crimes de forma adequada e sem transferir para a sociedade as consequências desse tipo de decisão.

No Brasil não só não é diferente como determinadas práticas certamente despertam a inveja dos autoritários turcos e dos comunistas do governo da China.

O ponto interessante nessa discussão é que muita gente que reclamou publicamente do bloqueio judicial do WhatsApp fez campanha para, ou apoiou, o Marco Civil da Internet, a lei que definiu os marcos regulatórios (princípios, garantias, direitos e deveres) para o uso da rede no Brasil. Clique aqui para saber quem são as pessoas que ajudaram a passar uma lei que atrapalhou a vida de milhares de brasileiros que também usam o WhatsApp para trabalhar (faxineiras, doceiras, encanadores, eletricistas etc.)

Foi justamente o Marco Civil da Internet, celebrado como garantia de liberdade e de punição para criminosos, que permitiu que até agora dois juízes mandassem bloquear o aplicativo.

Se você acha pouco e até vê com bons olhos que os bloqueios autorizados pelos juízes tenham como justificativas investigações de crimes é porque considera de forma ingênua que decisões desse tipo pararão por aí. Não irão.

Todos aqueles que consideram como legítimas as intervenções do Estado na vida das pessoas ignoram que aquilo que começa com a interrupção de um aplicativo pode terminar na invasão da privacidade ou na prisão de pessoas inocentes por parte de agentes do Estado sob a desculpa da segurança pública.

Assim como acontece com a informação e recolhimento de impostos, o governo (entendido como a soma dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário) tem transferido cada vez mais suas tarefas para os brasileiros. Se a polícia não consegue investigar um crime é mais fácil para um juiz determinar que uma empresa forneça as informações. Mesmo que no caso do WhatsApp a empresa já tenha explicado que não pode fornecê-las porque não as armazena em virtude do sistema de criptografia utilizado para garantir a privacidade dos usuários.

E assim somos conduzidos, com aceitação entusiasmada ou pacífica de uma parcela da população, para um ambiente similar ao do programa Big Brother Brasil no qual todos somos vigiados e, mais tarde, controlados de alguma maneira por quem está no poder – justamente como no livro 1984, de George Orwell, que serviu de inspiração para o programa de TV.

Imagine agora se o controle arbitrário mostrado no livro, e que pode ser ajudado pelo Marco Civil da Internet, pudesse ser exercido neste momento em que Dilma Rousseff é presidente e o PT está lutando para se manter no poder? Vocês acham que saberíamos algo sobre o mensalão, o petrolão e outras atividades menos nobres de todos aqueles (políticos, empreiteiros) envolvidos no esquema? E se, no futuro, um partido ainda mais autoritário do que o PT, que coloque o Estado ainda mais a serviço do partido e não da sociedade, conquiste o poder? Você consegue imaginar-se vivendo numa sociedade em que todos os seus passos são controlados por políticos e funcionários públicos?

Duvide sempre de todos aqueles que propõem leis para regular o que funciona bem ser regulado. Desconfie especialmente de políticos e de “formadores de opinião” que ocupam espaços de prestígio na imprensa e nos programas televisivos. E que para justificarem a sua sanha controladora apelam para coisas como “se não tivermos leis, os criminosos continuarão agindo”. Os criminosos continuarão agindo, infelizmente, pois é público e notório que o são justamente porque não respeitam as leis. Cada um de nós é que será prejudicado e punido por esse tipo de mentalidade e de ambiente controlado pelo Estado em nome de supostas garantias e direitos.

Hoje é o WhatsApp. Amanhã será o quê?

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen