s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Komsomol brasileiro

Komsomol brasileiro

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Um dos métodos mais eficazes para garantir a lavagem cerebral nos jovens de tenra idade (muitas vezes órfãos, vítimas da guerra ou dos pavorosos assassinatos em massa ordenados por Stalin) na ex-União Soviética era o Komsomol, uma organização juvenil do partido comunista que dirigiu o País de 1917 (em termos) até a derrocada em 1991. O Komsomol não permitia pensamentos “perigosos” sobre liberdade, religião, eleições e tantos outros fatores que só florescem onde o comunismo inexiste. Foi um enorme sucesso, tanto pelo alcance quanto pela severidade na arte de inculcar valores absolutamente apodrecidos na mente sadia dos jovens. Números assombrosos: Estima-se que 2/3 da população russa pertenceu à organização em algum ponto de sua vida. Liberdade era aquilo que o Estado Soviético permitia, e nada mais. Religião? Negada e fortemente reprimida, com destruição de igrejas, muitas vezes dinamitadas, com assassinatos em série no clero. A única “religião” permitida era o louvor ao ditador de plantão, notadamente Stalin, o pior e mais longevo. Os professores do Komsomol, esse hospício político-educacional, costumavam usar um estratagema que penetrava fundo nas mentes jovens e aturdidas: Para “provar” que Deus não passava de uma invenção capitalista, sugeriam a cristãos e judeus que implorassem a Deus por uma chuva de bombons; como os bombons não caiam, sugeriam novamente a mesma súplica, mas desta vez dirigida a Stalin. Ato contínuo, pressurosos funcionários da organização lançavam os chocolates em direção às crianças, fazendo-as crer que somente Stalin era um deus. Asqueroso, mas muito eficaz num país corroído pela fome, tortura, doença, corrupção, terror. Em resumo: Só o Estado-pai resolveria.

O brasileiro parece um anacrônico membro do Komsomol. Aqui, todos esperam do governo uma tutela absoluta de suas vidas como a única estrada e a única represa a balizar os problemas cotidianos. Para tudo, uma lei (ou cinco, ou doze) e para cada questão um grito de socorro que só o governo-mãe pode acudir. Aventa-se a possibilidade de não mais multar-se a falta de cadeirinhas nos automóveis, e os brasileiros reagem como se decretassem o fuzilamento de quem usar o artefato. Não, não é para deixar de ter e usar, pelamor; só é desnecessário multar quem não usa – diz a proposta. Mas não é suficiente explicar, ninguém quer entender. O brasileiro exige a mão forte do Estado para tudo, em tudo – temos uma das mais rígidas leis antitabaco do mundo, idem para uso de álcool ao volante e restrição severa a armas de fogo; não obstante, crianças não vão à escola, as drogas estão destruindo a nação, a cultura é relegada ao último nível (cultura de verdade, e não “funk” ou outras formas de derreter o cérebro juvenil) Fuma quem quer, sob sua conta e risco, o trânsito é um dos mais violentos do mundo, e os assassinatos alcançam números estratosféricos, mesmo depois de um desarmamento praticamente total da população. Só se esqueceram de desarmar os bandidos; estes conseguem um fuzil com a mesma facilidade com que compramos um Chicabon.

Em resumo, temos cada vez menos direitos de escolha, cada vez mais regras (muitas vezes inúteis ou draconianas) e pouco ou nenhum avanço social. Tão aí muitos outros povos aos quais se ensinam decência, bons modos, educação, valores, patriotismo real, e tantas outras qualidades que fazem um jovem depender mais de si do que de um governo, rico ou não.

Aqui na Banânia, onde impera a jecaria, vivemos sob uma montanha de leis que “garantem” tudo e não nos dão nada; num País em que, depois de 13 anos de uma esquerda podre no poder absoluto, 50% da população não tem acesso a rede de esgoto, 62% tem algum tipo de dívida e 14% dos trabalhadores estão sem emprego. E os messiânicos lulistas pedem mais e mais leis para “proteger” o povo. O pior é que o brasileiro típico, viciado em bolsa-tudo e vale-qualquer-coisa, espera sentado uma solução. Taspariu.

Cadê uma lei urgente para proteger os homossexuais canhotos que falam javanês? Como não tem? Onde-já-se-viu? Vamos fazer movimentos nas ruas, nas redes sociais!

Enquanto isso, crianças e idosos morrem, não por falta de vacinas, mas pela displicência de pais daqueles e filhos destes, que deveriam cuidar da própria família e não o fazem. E depois ainda culpam os governos pelas suas mazelas, reais ou fictas. Vitimismo e mau caratismo, vícios ensinados por anos de populismo podre. Pior: dão um jeitinho de processar o País e levantar uma grana com a tragédia, como se o dinheiro público viesse de algum cofre mágico, e não do bolso dos brasileiros. É o vício de sempre jogar a culpa em alguém, se fazer de vítima e lucrar algum.

Por outro lado… tratam quem bebe, fuma ou dirige como criminoso; mas tratam criminoso como santo. A lulada repete que cadeia não ressocializa ninguém, e que todo preso é uma vítima da sociedade. Ou seja: Querem endurecer com o cidadão comum e abrandar a vida dos criminosos. É o fim do mundo. Querem todo tipo de regras, mas dispensam os criminosos de segui-las. Sabe como é… são vítimas, coitadinhos.

Talvez seja necessária uma única lei: Todos estamos, a partir de agora, obrigados a criar vergonha na cara sem que seja necessária uma regra ou uma multa para isso. Simples e mágico.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes