s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

Lições de viagem 8

Lições de viagem 8

Luiz Alberto Machado - Iscas Econômicas -

Lições de viagem 8

Conhecendo a Amazônia e a Região Norte

“Rio Amazonas teu cenário é uma beleza

A natureza chega até se admirar

O teu caboclo tão altivo e altaneiro

Para o mundo inteiro virou festa popular

Olha já

Teu jeito aqui escamoteando a morena

 Na lua serena brincando de boi bumbá

 No terreiro é festa taruba manipuera

A fogueira viva o boião já vai chegar

Traz o tucupi faz o tacacá, tem pato, bodó e curimatá

 Vinho de cupu e taperebá

Festa de caboclo diz três índio brasileiro

Garantido é forte é o rei deste lugar” 

Recentemente, em palestra proferida na Fundação Espaço Democrático, centro de estudos e pesquisas do Partido Social Democrático (PSD), o pré-candidato a prefeito Andrea Matarazzo, fez uma afirmação em tom de brincadeira – mas que tem sem dúvida uma ponta de verdade – sobre o desconhecimento que os habitantes das zonas mais nobres da capital a respeito não apenas da periferia, mas até do centro histórico da cidade de São Paulo, parte do qual, infelizmente, encontra-se em acentuado estado de deterioração. Com evidente ironia, falou; “Tem gente que acha que depois da Avenida Paulista há um abismo que leva ao desconhecido”.

Exagero à parte, as colocações de Matarazzo remeteram-me a inúmeras situações em que me defrontei com pessoas que fazem afirmações repletas de certeza e convicção a respeito do Brasil e das ações que deveriam ser tomadas para que ele deixe definitivamente de ser o “País do futuro” para se transformar no “País do presente”.

Não raras vezes, tais afirmações são enunciadas por indivíduos que conhecem apenas algumas capitais, a maior parte das quais, diga-se de passagem, frequentadas em viagens de lazer, quando foi possível apenas visitar os pontos turísticos mais tradicionais, os chamados cartões postais dessas localidades.

Reconheço que é extremamente difícil conhecer profundamente um país com as dimensões continentais como o Brasil, com enormes diferenças não apenas entre as regiões em que o País se divide, mas também dentro de cada região entre seus diferentes estados-membros.

Por uma série de circunstâncias, tive oportunidade de viajar bastante pelo Brasil, no início por conta de competições esportivas e, mais tarde, por conta de cursos, palestras e participações em eventos, quer representando a FAAP, quer como conselheiro do Corecon-SP e do Cofecon. Com isso, chego aos 60 anos numa condição rara entre os brasileiros, qual seja, tendo visitado todos os estados do País, com exceção de Tocantins, sendo que em muitos deles estive diversas vezes.

Vale destacar que em várias dessas viagens, não me limitei às capitais ou às principais cidades de cada estado, indo a rincões pouquíssimo conhecidos, a não ser pelos habitantes da região. Lembro-me da primeira vez que minha esposa viajou comigo a Sergipe. Estávamos em Aracaju e propus a ela que fôssemos até Mangue Seco, lindíssima localidade situada na fronteira com a Bahia, que se tornou nacionalmente conhecida graças à novela Tieta do Agreste. Alugamos um buggy e durante a viagem fui passando por diversas placas indicativas de cidades que se situavam à beira da estrada. À medida que avançávamos, passamos por várias cidades nas quais eu já havia dado aula ou ministrado palestra, entre as quais Estância, Lagarto e Itabaianinha. Diante da surpresa dela, falei que o mesmo ocorrera em diversos outros estados, o que ela pôde comprovar em sucessivas viagens a Pernambuco, onde pude trabalhar em cidades como Nazaré da Mata, Vitória de Santo Antão, Tracunhaém e Petrolina; Santa Catarina, onde estive a trabalho em cidades como Caçador, Chapecó e Indaial, além das mais conhecidas Joinville, Blumenau e Itajaí; Mato Grosso do Sul, onde estive em Dourados, Ponta Porã, Deodápolis e Rio Brilhante; ou Rio Grande do Sul, em que pude me apresentar em Bagé, Cachoeira do Sul, Canela, Pelotas, Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Santa Maria e Santa Cruz do Sul.

Para não me alongar muito, afirmo – com inegável orgulho – que algo parecido aconteceu em outros estados, tais como Paraná, Goiás, Bahia, Minas Gerais, Ceará, Piauí, Maranhão e Pará, no qual só a Santarém fui por cinco vezes. Numa dessas vezes, ocorreu um episódio que revela bem as diferentes formas de encarar a realidade num país como o Brasil. Como já estivera em Santarém outras vezes, fazendo escala em Manaus e em Belém, perguntei a um interlocutor local quanto tempo ficava cada um delas. Quando ele me respondeu “Depende”, minha primeira impressão é que ele estava brincando comigo. Foi quando ele completou a resposta: “Depende se você estiver subindo ou descendo o rio”. Só então compreendi que a noção de tempo da maior parte dos habitantes daquela região estava associada ao transporte fluvial, muito mais comum do que o limitado transporte rodoviário ou o caro transporte aéreo.

De 21 a 23 de maio, fui convidado a fazer a palestra de encerramento do X Encontro de Entidades de Economia da Amazônia (X ENAM), voltando assim uma vez mais a Manaus. O evento, que reúne representantes dos Conselhos Regionais dos estados da região amazônica, tinha uma programação que contemplava na sua esmagadora maioria questões regionais, com painéis recheados de palestrantes de grande gabarito.

ENAM 2016

Embora tenha estado por mais de vinte vezes nos estados daquela região, jamais tivera uma oportunidade tão boa para conhecer inúmeras peculiaridades, que me foram chamando a atenção à medida que as palestras se sucediam.

Tão rica foi a programação, que fica difícil apontar qual o melhor painel ou a melhor palestra ou depoimento. Não gostaria, porém, de deixar de registrar a exposição do general Geraldo Antônio Miotto, comandante do Comando Militar da Amazônia, em que fez uma ampla explanação a respeito do papel e das ações da instituição na região, que vão muito além da óbvia proteção das fronteiras, combatendo a entrada de drogas e armas, englobando inúmeras ações em parceria com o governo estadual e os municípios, medidas que também contemplam as áreas de saúde, engenharia, logística e social.

A outra marcante exposição foi do Prof. Eduardo Monteiro da Costa, meu colega no Cofecon e atual presidente da Fundação (Fapespa). Especialista em desenvolvimento regional, Eduardo mostrou todo o conhecimento que possui da região amazônica, apresentando dados reveladores do potencial e dos problemas enfrentados, quer pela região como um todo, quer pelos seus estados-membros em particular, no que recebeu a colaboração dos presidentes dos Conselhos Regionais de Rondônia, Roraima e Tocantins.

Iniciando sua exposição a partir de uma explicação sobre a trajetória da evolução histórica da região no período compreendido entre as décadas de 1960 e 2000, quando deixou claro que “a Amazônia brasileira foi inventada pela ‘mão visível’ do Estado (Top Down), resultando deste processo a construção de uma sociedade marcadamente dualista”, Eduardo prosseguiu revelando a matriz econômica da Amazônia Legal[1], em que destacou a importância da Zona Franca de Manaus, bem como aspectos ligados à energia, à mineração e ao agronegócio.

Na sequência, focalizou a questão da sustentabilidade, dividindo-a em dois pilares: um relacionado ao bem-estar humano e outro ao bem-estar ambiental.

Prosseguindo,  mostrou os principais desafios da região, sintetizados como “O enigma do ‘I’”, apresentados a seguir:

Palestra Eduardo 4

 Na parte final de sua exposição, que despertou enorme atenção da plateia, constituída em sua maioria por economistas, professores e estudantes de economia, Eduardo mostrou os impactos por região decorrentes da Lei Kandir, evidenciando as desvantagens da região Norte e, por último, a participação relativa das Unidades da Federação na Receita Corrente no ano de 2014.

Concluo com uma observação de ordem pessoal, com base no que pude constatar tendo viajado, no espaço de um mês, para as duas principais capitais da região, Belém e Manaus. Em que pese seja possível sentir a presença da crise que se abate sobre a economia brasileira como um todo, os efeitos dessa crise afetam diferentemente os dois estados por conta do modelo de desenvolvimento praticado em cada um deles. A economia do estado do Amazonas, em que o peso do Polo Industrial de Manaus (denominação do que se conhece genericamente como Zona Franca) é muito relevante, está sendo mais afetada. Afinal, tratando-se de um modelo substituidor de importações voltado ao fornecimento principalmente de produtos eletroeletrônicos para o mercado interno, ocorre uma espécie de crise dentro da crise, decorrente da redução acentuada da demanda interna de seus produtos. O Pará, cuja economia possui um grau bem mais acentuado de diversificação, tem condições mais favoráveis de enfrentar a dura situação vivida pela economia brasileira.

Este simples exemplo serve para evidenciar quão rica, diferenciada e multifacetada é a realidade do Brasil, razão pela qual sugiro que se olhe com desconfiança a quem faz afirmações do tipo “eu conheço o Brasil” ou mesmo “eu conheço bem esse estado ou essa região”.

E um alerta àqueles que vivem se vangloriando por viajar apenas ao exterior: há, no Brasil, uma enorme variedade de locais extraordinários e desafiantes que devem e merecem ser descobertos e explorados!

Iscas para ir mais fundo no assunto

Referência webgráfica

MACHADO, Luiz Alberto. Lições de viagem 6 – Conhecendo o Mato Grosso do Sul. Disponível em http://www.souzaaranhamachado.com.br/2014/08/licoes-de-viagem-6-conhecendo-o-mato-grosso-do-sul/.

Referência musical

RIO AMAZONAS. Emerson Maia. Boi Garantido, 1993

 

[1] Amazônia Legal é o nome atribuído pelo governo brasileiro a uma determinada área da Floresta Amazônica, pertencente ao Brasil, e que abrange nove Estados: Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e parte dos estados de Mato Grosso, Tocantins e Maranhão. A área corresponde a aproximadamente 5.217.423 km2, cerca de 61% do território brasileiro.

Ver Todos os artigos de Luiz Alberto Machado