s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Você acha que a música popular brasileira acabou, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Minha viagem pela Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Minha viagem pela Economia “Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.” Roberto Campos Em março de 1974 embarquei numa viagem na estação ...

Ver mais

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
“Eu tomei cloroquina e fiquei curado”. Quantas vezes não ouvimos ou lemos alguém dizendo isso? Não duvido: muitos devem ter superado o Covid após o uso da cloroquina. Isso significa ...

Ver mais

Um sentido para a vida
Jota Fagner
Origens do Brasil
Esta semana eu completo 41 voltas em torno do Sol. Confesso que nunca entendi o motivo de se parabenizar alguém que faz aniversário. Parabéns pelo quê? Por continuar vivo? Como se pudéssemos ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Cafezinho 306 – Sem treta
Cafezinho 306 – Sem treta
Empatia com quem produz o conteúdo que você curte

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Moralidade e Capitalismo 3: A Dignidade

Moralidade e Capitalismo 3: A Dignidade

Alessandro Loiola -

Com base nas evidências acumuladas até aqui – e especialmente após o colapso do comunismo soviético -, é impossível negar que o capitalismo seja o sistema econômico mais eficiente e produtivo de todos. Na mesma medida, também é complicado afirmar ele seja absolutamente Bom e Correto do ponto de vista Moral.

Após séculos de quilometragem, o sistema não demonstrou um respeito indubitável aos vínculos com e entre pessoas competentes e trabalhadoras: o sucesso e as recompensas podem abençoar a esperteza daqueles que aproveitam pequenas falhas na estrutura e lançam mão de suas conexões políticas. Como liberdade de mercado nem sempre tem a ver com meritocracia por produtividade ou pela raridade do seu bem ou serviço em um contexto de livre comércio – e pode muito bem valer-se lucrativamente da corrupção e do tráfico de influências -, que dignidade peculiar habita no capitalismo?

Com os pés fincados neste temor, um número considerável de pessoas defende uma “economia mista” ou uma “economia democrática” por considerar o capitalismo inerentemente indigno. Não podemos simplesmente culpá-las de ignorância: boa parte dessa desconfiança decorre das defesas que antigos capitalistas fizeram do sistema, louvando o lucro como um novo deus.

A característica mais importante do capitalismotalvez não seja sua eficiência econômica ou seu dramático sucesso em produzir riquezas, mas o fato dele ser consistente com um princípio Moral fundamental da própria vida: o respeito à dignidade de cada pessoa, seus direitos,seus valores individuais e suas responsabilidades.

As culturas agrícolas pré-industriais em geral apresentavam valores tradicionais relacionados à sobrevivência de curto e médio prazo: a vida no campo é dura e imprevisível, então você deve cumprir com suas obrigações, contar com a ajuda de sua família e orar pela proteção de deus. Contudo, à medida que a industrialização avançou e as pessoas saíram do campo e entraram nas fábricas, as posses aumentaram e os juízos mudaram. Quando o dinheiro passou a fazer parte da rotina, as convicções religiosas perderam espaço para valores mais práticos – as pessoas passaram a desejar mais dinheiro não apenas por garantia, mas pelo prestígio social que ele é capaz de comprar. É neste estágio que o capitalismo assume um espectro imoral, especialmente entre artistas e intelectuais. Ele parece explorar os trabalhadores, que por sua vez perseguem cegamente bens de consumo, fechando o ciclo de sua própria agiotagem.

Não obstante, se tivermos paciência para aguardar algumas poucas gerações, chegaremos ao próximo degrau: a transição da sociedade de trabalho de manufatura para uma sociedade mais focada na prestação de serviços que exigem habilidades diferentes daquelas do chão da fábrica.

Com a fartura e o aumento dos mecanismos de proteção da autodeterminação, com a redução da incidência de doenças evitáveis, da fome desnecessária, da vulnerabilidade às forças da natureza e da brutalidade política, o crescimento da segurança produz um efeito em cascata, modificando os valores pessoais com priorização da liberdade sobre a sujeição, da autonomia sobre a autoridade, da diversidade sobre a uniformidade, e da criatividade acima da disciplina.

Como consequência, a geração que crescer com esta mente aberta terá mais apreço pelos direitos das mulheres, dos gays, dos animais, de seus semelhantes e do meio ambiente como um todo. Em comparação aos seus pais, terão expectativas bem mais construtivas e conscienciosas com relação à vida – e tudo terá começado com uma semente de dignidade chamada capitalismo e seus campos férteis de plantio: o livre mercado.

Ver Todos os artigos de Alessandro Loiola