s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Um convite para o IV Sarau Café Brasil

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Não, o mundo não vai acabar

Não, o mundo não vai acabar

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                           Alerta aos navegantes: Este NÃO é um texto em defesa de Donald Trump. Portanto, pode guardar o tacape e tirar seu cavalinho apocalíptico-distópico da chuva.

                           Deu pra entender ou precisa desenhar? Ufa. Ótimo.

                           A paranoia parece ter atingido 2/3 do mundo depois da inesperada eleição de Trump. A coisa variou da cara de bobo dos analistas políticos e institutos de pesquisa, que “garantiam” a vitória da Marta Suplicy dos EUA, passou pela raivinha dos esquerdistas-artistas, atravessou a loucura dos lulistas (Dilma-Janete inovou: deu parabéns à perdedora) e desembocou na pura histeria dos paranoicos que preveem o fim do mundo para depois de amanhã, no máximo.

                           Não, o mundo não vai acabar. Da mesma forma que os mesmos “entendidos” previram a desgraça econômica da Grã-Bretanha depois de sua saída da zona do Euro, apelidada de Brexit, e erraram feio.

                           Para os mais desesperados, que começaram a estocar água e comida ou se refugiaram nas Igrejas à espera do Juízo Final, vai o conselho: Acalmem-se. Trump é doido, mentiroso, xenófobo, mas não o suficiente para tanto pavor.

                           Outra coisa: Os Estados Unidos não são uma república de bananas; lá, o judiciário não é uma corte de primas-donas que se acham deuses, vivendo numa torre de marfim longe do povinho fedorento. Nem o legislativo se considera uma casta nobiliárquica sem monarquia, e nem o presidente faz o que quer; não pode distribuir dinheiro a ditaduras estrangeiras e enriquecendo parasitas, nem pode quebrar estatais – que nem existem lá. Ah, e disparar um míssil termonuclear intercontinental não é tão fácil quanto acionar o interruptor de luz.

                           Nos EUA não existe essa demência chamada Medida Provisória, nem o presidente pode declarar guerra como quem pede um Chicabon na padaria. Lá, o Congresso vigia cada passo do eleito, e seu partido obriga-o a seguir a plataforma geral. Ou seja, o mandatário supremo pode dirigir políticas de governo e de estado, bem como suas tendências, mas nada de radical acontece. E ninguém reclama de herança maldita do antecessor, nem entrega terra arrasada ou dívidas impagáveis ao sucessor. Simplificando: Democracia sólida, adulta, madura, na qual a centro-esquerda convive com a centro-direita numa alternância benéfica, numa senóide eficaz, muito além de picuinhas interesseiras ou ideológicas. Enfim, o oposto daqui.

                           Da mesma forma, não haverá 3ª guerra mundial, como vaticinam (aliás, contra quem seria essa guerra, se todas as potências nucleares são aliadas e os russos e chineses são simpáticos ao novo governo?). Também não há “promessas” de Trump sobre “extermínio” e “matanças” ou “um novo apartheid”, mesmo que muitos analistas de botequim “garantam” que ele disse isso. Não disse.

                           Trump é meio pancada? Sim. Mentiu e exagerou para cativar eleitores e vencer? Sim. Hillary seria muito melhor que ele? Não. A única coisa que Trump tem de explicar é aquele seu penteado indecente. De resto, nada vai mudar ao ponto de hecatombe. Sosseguem.

                           O magnata nova-iorquino se fez de mais doido do que é, num populismo barato de direita – e deu certo. Prometeu coisas inexequíveis, como o tal muro entre seu país e o México, vetar a entrada de muçulmanos, ou a expulsão de todos os imigrantes ilegais. Nada disso vai acontecer, por impossível, e seu discurso de presidente eleito já sinalizou nesse sentido. Ele próprio tratou de baixar a pressão eleitoreira.

                           O que há é choro ideológico, e paranóicos devidamente alimentados por uma imprensa que não noticia, torce. Muitos repórteres, mesmo daqui, não se mostravam apenas surpresos com o resultado da votação; sua irritação era visível. Repórter não tem de torcer, tem de informar. Ponto.

                           E outra: Com ou sem torcida, ninguém aqui votou em nenhum dos dois candidatos. Estamos todos no mesmo barco; meio naufragado, alguns ratos ainda fora da gaiola… mas no mesmo barco. Portanto, torcer ou se desesperar é tão ridículo quanto inútil.

                           De resto, tirando a apreensão (compreensível) de alguns governos europeus, a nota ridícula ficou por conta dos castristas-bolivarianos: Os idiotas corruptos (Maduro, Morales, Ortega e demais dementes), Raul Castro à frente, previram a hecatombe, a desgraça final, e vaticinaram a destruição do povo mexicano, a fome, a guerra e a peste.

                           Engraçado… Essa turma, incluindo Lula, que alardeia o impossível, impraticável, inexequível “muro mexicano” como uma tragédia mundial, uivou de ódio quando o Muro de Berlim caiu. E nunca comentam o muro cubano, que impede todo um povo prisioneiro de ir onde desejar. Qual muro? Aquele, que sempre esteve lá; a diferença é que não é feito de pedra, nem precisou ser erigido – é feito de muita água salgada e tubarões famintos.

                           O mais ridículo é que tais narizes-marrons, que adoram os Castro como deuses do inferno, admitem que seu maior desespero é que Trump freie a abertura com Cuba que, pobre e desesperada, mendiga dólares a quem sempre tachou de pior inimigo. Idem para a falida Venezuela que vende petróleo aos EUA e cospe no prato que come.

                           Enfim: Trump é uma incógnita, e seu currículo não é nada bom; mas tragédia mesmo… só seu penteado. O resto é exagero. O homem do saco não existe. Ao menos não nesse nível mundial – em Curitiba tem uns presos.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes