s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Leitura do Cafezinho 302 – Tenho pressa
Hoje as narrativas familiares perderam espaço para uma ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Perdemos Jorge Portugal e nossa capacidade de autodefinição
Jota Fagner
Origens do Brasil
“Esqueci de te falar, o Jorge Portugal deu entrada no Hospital do Estado de Salvador. Está em coma induzido, não está bem não. Acho que deu um problema no coração, que não estava conseguindo ...

Ver mais

Tributo a Celso Furtado
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Celso Furtado: 100 anos “O desejo obstinado de entender o Brasil pressupôs entender por que o país era subdesenvolvido, e, corolário, a mecânica do subdesenvolvimento. ´[…] Autor de cerca ...

Ver mais

A conveniência do comércio eletrônico conquistou os consumidores
Michel Torres
No início de abril, quando o comércio estava quase que totalmente fechado, conversei com um amigo próximo que lidera uma grande rede de lojas de tintas e ele fez uma constatação emblemática: ...

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

Cafezinho 302 – Tenho pressa
Cafezinho 302 – Tenho pressa
Houve um tempo em que as narrativas eram feitas dentro ...

Ver mais

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

O caos no Rio de Janeiro tem muitos culpados. E uma explicação

Bruno Garschagen - Ciência Política -
Em seu livro Os Bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi (Companhia das Letras), o historiador José Murilo de Carvalho tentou explicar as ações e reações dos moradores da então capital do país em três dimensões: envolvimento comunitário, desinteresse pela política e uma relação utilitária e submissa em relação ao Estado. Era “uma visão antes de súdito do que de cidadão, de quem se coloca como objeto da ação do Estado e não de quem se julga no direito de influenciar” (p. 147).

Em momentos de normalidade, ou seja, quando não havia crise, quem reclamava pelos jornais era “quase só pessoas de algum modo relacionadas com a burocracia do Estado (…), seja os próprios funcionários e operários, seja as vítimas dos funcionários, especialmente da polícia e dos fiscais” (p. 146).

O que acontecia entre uma crise e outra era, portanto, a aceitação quase passiva das decisões políticas. A população só se dava conta das consequências quando a conta tinha que ser paga.

O que está acontecendo neste momento no Rio de Janeiro revela que a relação do carioca com a política não mudou muito desde o final do século 19. Os protestos de hoje em frente à Assembleia Legislativa mostram exatamente isso. Quando o governo estadual sob o comando do hoje presidiário Sérgio Cabral Filho agia de forma irresponsável, gastando a rodo, os servidores só reclamavam circunstancialmente por reajuste e os fluminenses quando não eram atendidos pelo governo. A fábula da Cidade Maravilhosa foi incorporada à política pelos políticos e por parte da população. Se Paris já foi uma festa, o Rio virou uma farra.

Uma explicação sobre como o político e o burocrata gastam o dinheiro de quem paga imposto é necessária para que as coisas fiquem claras. Até para que você não continue a achar que o dinheiro que o governo gasta não tem dono.

No livro Livre para Escolher (Editora Record), o casal de economistas Milton e Rose Friedman classificou o gasto de dinheiro em quatro categorias. As categorias 3 e 4 aplicam-se também ao caso do Rio.

O que diz a categoria 3? Quando alguém (governador e deputado estadual do Rio, por exemplo) gasta o dinheiro de outra pessoa com algo para ele não está preocupado com os gastos nem com o dono do dinheiro (população do Rio, por exemplo), apenas com ele próprio.

A categoria 4 ocorre quando alguém (governador e deputado estadual) gasta o dinheiro que não é dele com algo que é para outra pessoa (população do Rio). Em ambos os casos, segundo Friedman, não haverá preocupação com o gasto do dinheiro. “Os legisladores votam para gastar o dinheiro de terceiros. Os eleitores que elegem os legisladores estão votando, em certo sentido, para gastar seu próprio dinheiro com eles mesmos” ( Livre para Escolher , p. 179).

O que acontece na prática é que “os eleitores, assim como os legisladores, têm a tendência a achar que outra pessoa está pagando pelos programas a favor dos quais o legislador vota diretamente e que o eleitor vota indiretamente”. Uma vez aprovado o gasto, qualquer que seja, “os burocratas” também gastarão “o dinheiro de terceiros”. Por isso, “não é de admirar que a quantia gasta seja explosiva” e que haja “desperdício e ineficácia dos gastos” ( Livre para Escolher , p. 179).

Quando tudo parecia bem no Rio, os políticos gastavam, funcionários públicos e a população aceitavam (com lamentos pontuais). Quando a conta do governo não fechou e os servidores passaram a enfrentar o drama de não receber pagamento, o caldo entornou e a violência ganhou as ruas. O protesto violento de hoje é sinistramente compatível com a violação da responsabilidade (inclusive fiscal) cometida pelos políticos.

O caos no Rio de Janeiro é o típico caso onde não há inocentes: dos sucessivos governadores e deputados estaduais aos servidores e parte da sociedade, há culpados para dar e vender.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen