s
Iscas Intelectuais
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Semana Café Brasil 25/07/20 a 31/07/20
Atividades no Ecossistema Café Brasil de 25/07/20 a 31/07/20

Ver mais

Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Participe da Semana da Produtividade – 27 a 30/7
Quatro aulas gratuitas sobre Produtividade que ...

Ver mais

Produtividade Antifrágil
Produtividade Antifrágil
PRODUTIVIDADE ANTIFRÁGIL vem para provocar você a rever ...

Ver mais

Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Café Brasil 730 – Um massacre cultural revisitado
Você acha que a música popular brasileira acabou, hein? ...

Ver mais

Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Café Brasil 729 – Cala Boca Zebedeu
Se você está feliz porque estão sendo caladas as vozes ...

Ver mais

Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Café Brasil 728 – Saindo do armário Político
Já se sentiu perseguido ou discriminado por conta de ...

Ver mais

Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Café Brasil 727 – A nova Inquisição
Houve um tempo em que a censura vinha do Estado ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Minha viagem pela Economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Minha viagem pela Economia “Mais importante que as riquezas naturais são as riquezas artificiais da educação e tecnologia.” Roberto Campos Em março de 1974 embarquei numa viagem na estação ...

Ver mais

Cloroquina. Ou: Da necessidade da Filosofia
Gustavo Bertoche
É preciso lançar pontes.
“Eu tomei cloroquina e fiquei curado”. Quantas vezes não ouvimos ou lemos alguém dizendo isso? Não duvido: muitos devem ter superado o Covid após o uso da cloroquina. Isso significa ...

Ver mais

Um sentido para a vida
Jota Fagner
Origens do Brasil
Esta semana eu completo 41 voltas em torno do Sol. Confesso que nunca entendi o motivo de se parabenizar alguém que faz aniversário. Parabéns pelo quê? Por continuar vivo? Como se pudéssemos ...

Ver mais

A real história do Plano Real
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A real história do Plano Real Uma moeda cunhada no consenso democrático Jovens nascidos neste século dificilmente podem compreender o que era viver no Brasil nas últimas duas décadas do século ...

Ver mais

Cafezinho 306 – Sem treta
Cafezinho 306 – Sem treta
Empatia com quem produz o conteúdo que você curte

Ver mais

Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Cafezinho 305 – Rabo e perna 2
Bote sua energia em mudar a realidade para outra ...

Ver mais

Cafezinho 304 – (in)Tolerância
Cafezinho 304 – (in)Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Cafezinho 303- O cérebro médio
Cafezinho 303- O cérebro médio
Temas importantes que deveriam estar sendo discutidos, ...

Ver mais

O furo no casco

O furo no casco

Filipe Aprigliano - Iscas do Apriga -

“Portanto, tudo o que vós quereis que os homens vos façam, fazei-lho também vós a eles.” ~ Mateus 7:12

Essa proposta, que aparece na Bíblia, aparece também em outras culturas, e nos convida a exercitar algo de sublime na existência, algo que apenas os seres vivos são capazes de experimentar. Não tenho o conhecimento necessário para garantir isso, mas imagino que só os seres humanos possam fazê-lo de forma tão rica e consciente. Estou falando da empatia.

A empatia é a capacidade de se colocar de forma simulada no lugar de outra pessoa, ou até outro animal, ou mesmo de um objeto, se você assim desejar.

Durante o execício de simulação, podemos ver o mundo de outra perspectiva e, dependendo do grau de empatia, podemos compartilhar as mesmas emoções ou apenas mudar a forma como abordamos uma situação.

Esse processo, ao meu ver, é uma capacidade humana que dá origem a todas as relações afetivas. Nenhuma forma de amor é possível sem esse componente e, mais do que isso, nenhum compromisso moral é igualmente possível.

Você pode ter uma visão diferente de outras pessoas sobre o que é moralmente aceitável ou moralmente imperativo, mas, seja como for, esse repertório foi construído e validado a partir de um exercício pessoal de empatia.

A beleza da empatia é que não temos a opção de desligá-la, mesmo querendo ignorá-la. O sofrimento de outros à nossa volta nos afeta. Sofremos juntos em graus variados e acabamos agindo para tentar amenizar isso.

Algo ainda melhor é não tentar desligá-la, ao contrário, exercitá-la ao máximo e descobrir que o mundo é algo fantástico e disponível para todos, mas não vamos pular etapas.

Tem uma outra questão importante que precisamos considerar. Imagine uma pessoa clinicamente incapaz de exercitar sua empatia por outras pessoas. Pois é, o nome disso é psicopatia.

A psicopatia não significa impulso por matar outros, mas é exatamente a incapacidade de se colocar no lugar do outro. Muitas vezes, isso pode acabar em assassinato, mas na maior parte das vezes não.

Precisamos lidar com o fato de que existem muitos deles por aí. Essa doença não tem cura, e não é fácil de identificar. Os psicopatas aprendem com o tempo a fingir empatia. Muitas vezes fingem tão bem que até parecem os mais solidários do grupo e ganham eleições.

Podemos dizer que a psicopatia é a doença que garante o mal do mundo, e ela não tem classe social, não requer estudo, não requer nada, e algumas pessoas simplesmente nascem assim.

A ideia de que pessoas que optam por uma vida de crimes são vitimas sociais é pura baboseira sociológica. Não estou falando de um cara que rouba uma vez porque está com fome ou porque está drogado. Estou falando daquele que escolhe conscientemente uma vida de crime.

Quando um psicopata cresce numa comunidade e se envolve com o crime porque para ele é fácil, o sofrimento que ele gera não o afeta. Por outro lado, um psicopata nascido em berço de ouro pode não estar com um fuzil na mão, mas pode se envolver com o crime da mesma forma. O que pensar de um indivíduo corrupto que rouba dinheiro de um hospital onde tem crianças morrendo? A única forma de explicar é essa: a total incapacidade de se colocar no lugar dos outros.

A psicopatia é como um furo no casco. A negação da sua existência é a pior estratégia possível. Essa é a típica situação em que não fazer nada é sinônimo de estar numa situação pior a cada segundo.

O psicopata não é uma vitima, ele é essencialmente egoísta. A única forma de lidar com ele é contê-lo, restringir suas opções de ação. Não é um problema de falta de escola ou de oportunidade. Pessoas na mesma situação escolhem outros caminhos. Sinto informar, mas algumas pessoas simplesmente optam pelo mal.

Minha conclusão é simples: em uma sociedade onde impera a impunidade, os psicopatas governam, porque tudo é acessível para eles e seus atos perversos não têm consequências.

Primeiro, precisamos nos preocupar com a impunidade e, depois, com as escolas e com tantas outras coisas. As pessoas interessadas em viver em harmonia são a esmagadora maioria, mas elas se tornaram as verdadeiras vítimas, não de um sistema, mas efetivamente de uma corja de psicopatas.

O nosso barco está fazendo água faz muito tempo e, para mim, a reforma mais importante de todas não é politica. Precisamos de um judiciário ágil e de uma legislação sem nenhum benefício para bandidos.

Precisamos de muitas e muitas cadeias de primeiro mundo, para que não tenha “mimimi” de direitos humanos, e para que os criminosos cumpram longos anos longe da sociedade, sem direito a regime semiaberto e outras insanidades. Estou certo de que podemos pagar por elas com todo esse dinheiro que os psicopatas roubam impunemente de nós todos os dias.

Todo o resto, as pessoas empáticas resolvem naturalmente. O problema do crime no Brasil não são as pequenas corrupções, não é o garoto que cola na prova, não é o dentista que não passa nota fiscal, é a impunidade, e ponto final.

“A verdade é como poesia, e a maioria das pessoas odeia poesia.” – do filme “A grande aposta”

Ver Todos os artigos de Filipe Aprigliano