s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Café Brasil 732 – Os quatro Princípios da Objetividade
Que tempo de medos, não? Mas será um medo ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Forjado na derrota
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Forjado na derrota “A um escritor, assim como a um armador, não era permitido sentir medo.” Pat Conroy Conversando por telefone com minha irmã, depois de meses sem nos vermos por ...

Ver mais

O “anti” não funciona mais.
Adalberto Piotto
Olhar Brasileiro
Em política, imagem em construção no presente faz diferença. Imagem consolidada no passado, boa ou ruim, costuma ser decisiva.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
Cafezinho 315 – Como nasce uma palestra
É exatamente como um pintor, um escultor, um músico ...

Ver mais

Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Cafezinho 314 – Punguistas intelectuais
Ser capaz de detectar as merdades deveria ser a ...

Ver mais

Um momento antes da hora

Um momento antes da hora

Labi Mendonça - Iscas Anarquiscas -
A HORA

A HORA

Estou na véspera do dia do nascimento. Essa proximidade com a data, tão importante para este irreverente e iconoclasta escritor, mas que não significa muito ou quase nada para os demais, me deixa um pouco preocupado. Naturalmente, como bom dinossauro, do tempo em que as pedras rolaram e o rock começou a virar onda, percebo que venho acompanhando de perto alguns dos meus inspiradores como Paul McCartney, Paulinho da Viola e Mick Jagger. Não sou tão velho, apenas um pouco gasto pelas alegrias de ter vivido com muita intensidade cada uma das ondas que surfei ao longo desta vida atual. Mas cheguei aos 6.7 com boa saúde e disposição (apesar de umasmazelas) e isso sempre obriga a uma reflexão importante: Sinto um enorme orgulho de dizer que só me arrependo do que não fiz e tinha vontade. Do resto, posso afirmar que foi muito bom e ainda será… (como diria Gonzaguinha). Gosto de samba, gosto de rock, gosto de algum rap, no geral gosto de boa música, e me entrego ao ritmo da vida como quem se deixa levar como o Zeca (Pagodinho) mas sempre com o compromisso de tentar realizar cada sonho, com a certeza de que é assim que vale a pena. Não posso reclamar. Nessa vida eu já fiz muita coisa, fui muita coisa, e realizei bastante. Fui até coisa que nem é muito bom confessar. Mas ainda não cheguei a ser condenado por isso. Se era importante plantar árvores, plantei muitas, se era importante ter e criar filhos, criei quatro, se era importante viver um grande amor, vivi um monte difícil de contar, se era importante fazer aquela cena de sexo arrojado naquele lugar inusitado, garanto que tenho ótimas para contar. E se era importante escrever um livro, agora posso dizer que fiz, porque mesmo tendo vários sendo escritos hoje, consegui finalmente depois de décadas de trabalho, publicar meu primeiro romance. Reparem que não vim aqui ficar enchendo a bola do meu próprio saco de realizações. Este é apenas um preâmbulo para uma reflexão importante: Talvez eu não veja o meu País do jeito que eu gostaria. Mesmo que eu viva uns 40 anos mais, o que segundo o Temer, agora vai ser muito fácil chegar a 120 ou 140 anos, não acredito que seja possível ver o que eu lutei tanto para conseguir. Construir uma sociedade mais justa, fraterna, menos materialista, mais respeitadora da vida, da humanidade e da natureza e com menos desigualdade e menos injustiça social. Lamento muito. Mesmo que o Temer consiga antes de sua saída vergonhosa em 2018, vender para o capital que o alicia tudo o que temos de riquezas naturais e jazidas futuras, florestas, parques e rios, esse poder econômico volátil e perecível, não poderá comprar o que tanto almejei e é sonho da grande maioria de brasileiros. Um Pais melhor e mais igualitário. E mesmo que agora, entusiastas dessa falsa mudança que pensam estar acontecendo no cenário, graças a movimentos como a operação Lava-Jato, acreditem que o Brasil entrou no rumo e começou a mudar, eu digo é que apenas cosmética essa mudança. Porque quem provocou os maiores males, e que vem praticando todos os crimes dos quais nos envergonhamos de ver expostos todos os dias no noticiário, corrupção, desvios, desmandos, roubalheira e descaso com a coisa pública, ainda está no comando, ainda movimenta seus cordéis de riquezas para manipular e controlar quase tudo. E com o beneplácito das elites. Meu amigo Luciano Pires me enviou o último “cafézinho” desta semana, cheio de esperança de que o Brasil agora começou a mudar. Amigo, lamento muito reconhecer que, mudando ele sempre está e estará, e essa sua ufanista ideia de que começou a melhorar é apenas uma atitude nobre sua de tentar enaltecer um movimento que você acredita positivo na sociedade e juventude. Mas você acha que as forças que manipulam cada vez mais todas as sociedades, infiltrando-se nas grandes tendências que influenciam e marcam as gerações, não serão cada dia mais bem movimentadas por cordéis cada vez mais fortes influindo nas escolhas e nas formações de conceitos das massas? Seria ingenuidade pensar que apenas por ter liberdade de expressão e comunicação nas redes sociais, seremos capazes de vencer os inimigos, essa minoria poderosa que consegue comprar cada dia mais poder de influência e manipulação. Hoje, podemos desconfiar até de decisões da instância máxima e suprema do nosso judiciário, pois é notório que eles estão desesperados para salvar a própria credibilidade e razão de sua existência perante a sociedade, e é possível desconfiar que tenham chegado ao ponto de aceitar o jogo que se impôs, de paziguar confrontos, para não deixar que todas as instituições brasileiras fiquem totalmente desacreditadas como o executivo em todos os níveis, e o legislativo por extensão. (ou vice-versa). Não sejamos ingênuos. Eu tenho esperança em tempos melhores, mas não acredito que possa ver. Acho que não conseguirei viver para isso, mesmo que o Temer compre com todo o PRE-SAL e a Amazônia, o direito de negociar com Deus essa longevidade que ele irresponsavelmente pronuncia como se fosse um palhaço. Fazem memes e fica por isso mesmo. Aliás, acho que ele é um grande palhaço, mas sem graça nenhuma. E sem escrúpulos, sem vergonha e sem moral. Temos milhares de brasileiros morrendo nas filas dos hospitais e ele gastando fortunas do nosso dinheiro, comprando apoio de deputados federais para impedir que haja uma investigação profunda de seu envolvimento nos crimes que já foram mais do que mostrados materialmente ao nosso povo. Esse crime, hediondo, sem precedentes, parece não chocar brasileiros honrados, jornalistas que se dizem defensores da verdade, e comunicadores que querem tomar conta da nação. Portanto, neste momento, antes da hora de completar meus 67 anos desta vida (espero que haja outras tão boas ou melhores) e antes de que chegue o meu aniversário de 120 anos, (pois talvez eu consiga a despeito do Temer) eu desejo alertar para que em vez de ficar enchendo a bola de um monte de manipuladores da opinião pública, de entusiastas de um “momento neo-liberal” redentor, paremos e falemos a verdade. Antes que chegue a hora eu digo. Vivemos tempos de muita mentira, de muita ilusão e de muito falso movimento transformador. Não estamos passando o Brasil a limpo, estamos apenas revelando a quantidade de lixo descoberta, sem saber que ainda existe muito mais por descobrir. Cautela. Antes da hora eu digo: Não vamos vender gato por lebre. É perigoso.

Ver Todos os artigos de Labi Mendonça