s
Iscas Intelectuais
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Um convite para o IV Sarau Café Brasil

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Uma certa caixa preta

Uma certa caixa preta

Chiquinho Rodrigues -

O Renato era contato do Estúdio Bandeirantes. Gostava de João Gilberto e flertava um pouco com o violão. Umas das músicas preferidas dele era “Tim Tim Por Tim Tim” do álbum Amoroso do João.

Um dia eu estava ensinando-o a tocar essa música, quando do nada ele me conta que naquela noite ia com a família voltar pra Fortaleza, sua terra natal. Sua esposa não aguentava mais a insegurança aqui de São Paulo.

Meu único argumento foi ele esperar mais uma semana, pois o Brasil ia estrear na Copa (era o ano de 1982), a produtora ia alugar um telão e fazer uma festa bem legal.

Ele disse que não podia esperar. Era um voo noturno que oferecia um bom desconto e ele já havia comprado as passagens. Dei meu disco Amoroso do João de presente pra ele, nos abraçamos, desejei boa viagem e ele partiu.

No dia seguinte quando voltei ao estúdio, vi a Beth que trabalhava com a gente chorando e fiquei sabendo que esse voo tinha se espatifado contra um morro antes de chegar a Fortaleza.

Meses depois no Jornal Nacional mostraram o áudio original da caixa preta e a desorientação dos pilotos que não sabiam que estavam voando tão baixo. Era a primeira vez que eu tinha ouvido falar em caixa preta e fiquei me perguntando qual a sensação, qual a reação da primeira pessoa que abre a caixa e dá o Play. Maluco,  né?

O tempo passou e anos mais tarde recebo a ligação de uma tal de Regina me fazendo um convite pra eu programar as músicas de bordo dos vôos da Vasp.

Você sentava na poltrona e ao lado de um dos braços existia um orifício pra se colocar um fone vagabundo que eles forneciam. Daí você escolhia um dos canais… Rock, MPB, Jazz, Clássico ou Instrumental e dormia.

Topei fazer, sim. Escolher as músicas, organizar, gravar. Tudo isso era fácil e prazeroso pra mim. A complicação começou quando eu soube que tudo isso era gravado em 4 canais, em fita de ¼ de polegada, em rotação três e três quartos, ficava dentro de um troço chamado slot e era enrolada de maneira infinita como as fitas de secretárias eletrônicas!

Pra entender tudo isso eu tive que ir até o centro de manutenção da Vasp pra conversar com um americano chamado Peter que era o chefe por lá.

Era o típico técnico americano. Devia ter uns cinqüenta anos, falava com um forte sotaque inglês, era alto, magro, parecia mórmon e tinha um par de olhos frios e inexpressivos.

Sabe… Quando você entra em uma oficina mecânica, pode até como eu, não entender nada de carro, mas reconhece sem muito esforço um virabrequim, um radiador, uma junta homocinética… sei lá.

Mas quem não é do ramo e entra em um lugar desses, se perde completamente e não sabe o que é o que e pra que serve aquilo!

O Peter me levou para uma bancada onde entre outras coisas estavam os slots. Explicou-me seu funcionamento, como eu deveria enrolar a fita e os cuidados com a tensão nesse processo. Nessa bancada havia outros equipamentos de gravação para manutenção. E entre eles a famosa caixa preta (que é laranja).

Falamos um pouquinho da parte técnica dela e eu disse que a primeira vez em que tinha ouvido falar de caixa preta tinha sido naquele acidente de Fortaleza em 1982. Contei do meu amigo Renato, do disco Amoroso e do meu arrependimento em não ter insistido para que ele não viajasse naquela noite.

Então Peter me contou que tinha sido ele a pessoa que tinha aberto e ouvido pela primeira vez o conteúdo dessa caixa. E que logo nos primeiros segundos de gravação ele havia reconhecido a voz de um grande amigo seu que havia se aposentado e estava naquele dia fazendo seu último voo como profissional pela companhia.

Olhei para os seus olhos e vi que estavam marejados. E só nessa hora, desde que havia entrado naquele estranho lugar, é que percebi que estava diante de um ser humano

 

Ver Todos os artigos de Chiquinho Rodrigues