s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Maconhabrás

Maconhabrás

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Winston Churchill, exasperado com algumas decisões de comando dos aliados no final da 2ª Guerra Mundial, disse que os americanos sempre optam pela solução correta – depois de tentar todas as erradas. O maior estadista do século XX não conhecia os brasileiros; depois de experimentar todas as soluções erradas, voltamos a insistir nelas. Inacreditável nossa tendência, quase um vício, de acreditar que para tudo há uma solução simples, fácil, sempre ao alcance da mão. E que basta “vontade política” para resolver tudo num passe de mágica – ou numa canetada.

Enfim; dois expoentes do lulismo (o comediante Gregório Duvivier e o deputado Jean Wyllys) são exemplos clássicos dessa panaceia inventiva, na qual basta uma ideia de boteco pra resolver uma tragédia de décadas. Ambos, por exemplo, desejam a liberação das drogas, com algumas diferenças em seus planos salvadores.

Duvivier defende não só a legalização das drogas, como também um sistema completo de impostos a serem cobrados do usuário. Um gênio da raça. Que ideia perfeita! Além de tudo, um cultor do vernáculo: inventou o verbo “impostar”, na frase do original “…legalizaria a maconha e impostaria o consumo..). Seu texto risível (chorável?) foi comentado por Reinaldo Azevedo em seu blog (http://veja.abril.com.br/blog/reinaldo/geral/bolsonaro-e-duvivier-sao-dois-clowns-que-existem-para-referendar-a-ignorancia-de-seus-respectivos-publicos/ ).

Beleza. Então tá. Como todo lulista, defendendo drogas para todos e nutrindo ódio pela iniciativa privada, acreditando que uma estatal é sempre a melhor saída para tudo, certamente lançaria a pedra fundamental da Maconhabrás; um cabidão de empregos que abrigaria 27 presidentes, 490 vices, 8.555 diretores, 47.112 gerentes e mais uns 2 milhões de aspones, todos devidamente inebriados pela marofa. Que lindo. Cargos, salários, aviões, escritórios luxuosos, secretárias, orçamento liberado e muita, mas muita erva, numa semana de trabalho de apenas 2 dias, das 14:15 às 14:30, com quinze minutos de descanso pra enrolar unzinho. O laboratório de testes, então, ia ser uma festa sem fim! Todo sacrifício é pouco para o bem do brasileiro!

O bem-intencionadíssimo rapaz acredita que isso resolveria o problema e traria gordos lucros em impostos ao País. Aham. Claro. Como se essa ingenuidade doente fosse impedir o comércio ilegal, paralelo, exatamente como o dos cigarros contrabandeados dos paraguetas, ou das bebidas falsificadas em todo o Brasil. A droga não está no submundo apenas pela ilegalidade em si, mas, principalmente, pelo lucro imundo. Cobrar impostos dos usuários os empurraria ainda mais para a criminalidade, pelos preços inevitavelmente maiores, exatamente como ocorre no contrabando e na falsificação. Sem contar que, como tudo que é produzido por estatais, a marofa governamental ia ser um lixo. Mais uma propaganda grátis para os traficantes de sempre. Uma espécie de Petrobrás do capeta. Mas que jamais quebraria! Afinal, a gente insiste em tudo que é ruim.

Pior: do jeito que funcionam as estatais, faltaria maconha, e o governo ia financiar os traficantes via BNDES para aumentar a produção e impedir o racionamento e a fissura!

O deputado Wyllys tem uma visão mais, digamos, paternalista do comércio de drogas; ele chama o tráfico praticado por menores de idade de “atividade” – o eufemismo esquerdopata é de emocionar, olha que coisa mais linda, mais cheia de graça: https://www.facebook.com/nossobrasilonline/videos/923465047713165/ ). O nobre deputado alega que, legalizado o uso e o tráfico das drogas, tudo ficará muito bom para esses adolescentes!

Glória Stalin! Mais um milagre operado pela múmia de Lênin! Proletários do mundo, uni-vos e cheirai! Meu crack, minha vida! Vai ter bolsa-cocaína?        Como é lindo o raciocínio dessa gente… alegam que o tráfico é “impossível” de se combater, então legaliza-se todo o complexo criminoso e fica tudo bem! Não me consta que furto assassinato ou roubo sejam igualmente fáceis de eliminar, e nem por isso sugere-se a legalização destes. Ainda não, claro; é bom não dar a ideia. O lulismo é capaz de absolutamente qualquer coisa.

O mais engraçado é que, quando Lula resolveu financiar a produção de cocaína na Bolívia com grana do BNDES, ninguém disse nada; esse país vizinho responde por 85% da cocaína consumida aqui. Taí o resultado. Cobre imposto de importação de Evo Morales, Duvivier; ele não passa de um narcotraficante travestido de presidente de um narcoestado. Daria um ótimo dirigente para a sua estatal.

 

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes