s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Mulheres de Verdade

Mulheres de Verdade

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

A gracinha hipócrita começou, como não poderia deixar de ser, no New York Times (o jornal mais esquerdista dos EUA), e na revista New Yorker, a mais bestinha das revistas daquela cidade cujos habitantes crêem realmente ser um “povo” mais civilizado que os demais (a Califórnia já teve essa doença e parece estar convalescendo, depois de perder anos discutindo a quadratura do círculo). Não por acaso, é lá que brotam movimentos ridículos, anarquistas (tradução real: comunistas envergonhados), como o Ocuppy New York, no qual um bando de desocupados queria derrubar o sistema, ao mesmo tempo em que eram mantidos por esse mesmo sistema que eles fingem querer derrubar para poder receber mais verbas da população, via… sistema. Deu pra entender o ridículo da coisa?

Pois bem: Em novembro do ano passado esses dois periódicos cheios de si publicaram as primeiras acusações de assédio sexual contra o produtor de cinema Harvey Weinstein, o queridinho de toda a Intelligentsia (e até da “Burritzia”) estrelada do eixo Hollywood-Broadway. As denúncias eram sobre “testes do sofá” e outras situações em que Weinstein teria solicitado favores sexuais de atrizes em troca de bons papéis em suas produções, prometendo às candidatas fama e fortuna. Esses fatos teriam ocorrido há cerca de 20 anos. Aproveitando ocasiões como as recentes premiações d’O Globo de Ouro e do Oscar, Meryl Streep, Ashley Judd, Frances McDormand, Oprah Winfrey e outras “indignadas”, vítimas ou não, resolveram abraçar a causa e apontar o produtor como o demônio encarnado, um aproveitador sem coração de mocinhas puras e indefesas. Na esteira histérica desse falso moralismo vieram o #metoo e outros movimentos autoproclamados defensores das mulheres. Então tá.

Weinstein foi realmente muito cafajeste, se as acusações forem verdadeiras, e realmente parecem ser. Teste do sofá é uma coisa nojenta, típica de quem usa o poder para se dar bem no showbiz. Mas o que dizer das atrizes (ou quase) que aceitaram a chantagem para – também – se dar bem? Não são tão ou mais pilantras que Weinstein? Quer dizer que algumas das tais “indignadas” esperaram 20 anos (vinte!) para “denunciar” os tais “crimes”, agora que são ricas e bem sucedidas, em parte por terem cedido à cafajestada dele? São oportunistas se fingindo de heroínas. Se o que alegam é verdadeiro, seu silêncio cúmplice permitiu que ele, teoricamente, tenha feito isso com dezenas de outras garotas aspirantes ao sucesso. Ou não?

Se há heroínas nessa história, ainda muito mal contada, são as que disseram um claro e redondo NÃO às investidas do produtor cafajeste, colocando sua honra à frente de sua carreira, de sua ambição. Enquanto isso, as atuais revoltadinhas disseram SIM ao pilantra, sabendo que desse jogo ia sair muito lucro. Em poucas palavras, na crucial hora do ou-dá-ou-desce, optaram friamente por não descer.

Essas, como Mira Sorvino e Rose McGowan, agora se fingem de puritanas, de vestais revoltadas com as manobras arrivistas das quais participaram livremente. Sejam menos calhordas, senhoras. Tenham um mínimo de vergonha na cara. Vocês não são vítimas, são cúmplices; principalmente pelo lucro e pelo obsequioso silêncio de tantos anos, que pode ter prejudicado dezenas de outras mulheres que hoje vocês dizem “defender”.

Nessas comemorações em torno do Dia Internacional das Mulheres, a homenagem deveria ir às atrizes desconhecidas que recusaram participar dessa imundície. Que zelaram pelos seus nomes. E pagaram por isso com um atraso em sua carreira – mas considerando ser a escolha certa entre honrar a si, amigos e familiares, do que pegar um elevador infame direto ao topo, pagando o ascensorista com sexo. E sexo consentido. As que disseram não ao produtor tarado são verdadeiras vítimas e as únicas heroínas a defenderem as demais mulheres; por isso mesmo hoje são pessoas anônimas. Não receberam a paga que as “indignadas” aferiram pelos serviços prestados.

As que lucraram com seu sexo consentido são triplamente cafajestes: Cederam de bom grado aos avanços de Weinstein, colhendo os lucros dessa prostituição desonrosa, se calaram por 20 anos, e ainda fingem esquecer as que recusaram participar dessa imundície. Não por acaso, essas hipócritas se dizem feministas, outra bandeira infeliz, usada por arrivistas sob o manto da buscada “igualdade”. Pior: são as que mais gritam o lema “não é não”, apesar dos muitos “sim” sussurrados por dinheiro, numa cafetinagem artística digna de asco. Afinal de contas, também há pecado acima do Equador, Ney.

Às verdadeiras corajosas, anônimas e honradas, todas as homenagens do Dia Internacional da Mulher.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes