s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Não pode xingar, filho da puta!

Não pode xingar, filho da puta!

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

                                   Em show realizado dia 8 em Cuiabá, o grupo Titãs teve uma atitude no mínimo curiosa: Lá pelas tantas, uma parte dos fãs presentes puxou um coro de “fora Dilma”. Os músicos não gostaram, e depois do discurso moralizador do vocalista Paulo Miklos, pedindo respeito à presidonta, à democracia (?!) incluíram no repertório a música Desordem, não prevista naquela noite. A letra dela recrimina quem deseja “criar desordem”. Alguns (os de sempre) elogiaram a “educação” e a “elegância” do grupo. Ora vejam só.

                                   Bons tempos em que os Titãs tinham uma postura muito diferente; não sempre correta, nem sempre perfeita, mas verdadeira. Não essa, comprada em prateleira de supermercado fuleiro com o rótulo de Banda Chapa Branca. Na verdade, houve tempo, não distante, em que esses senhores, atuais defensores empedernidos da moral e dos bons costumes, pensavam de maneira muito diferente, como expressaram na música Vossa Excelência, de 2005:

Estão nas mangas dos Senhores Ministros
Nas capas dos Senhores Magistrados
Nas golas dos Senhores Deputados
Nos fundilhos dos Senhores Vereadores
Nas perucas dos Senhores Senadores
Senhores!
Senhores!
Senhores!
Minha Senhora!
Senhores!
Senhores!
Filha da Puta!
Bandido!
Corrupto!
Ladrão!

Sorrindo para a câmera
Sem saber que estamos vendo
Chorando que dá pena
Quando sabem que estão em cena
Sorrindo para as câmeras
Sem saber que são filmados
Um dia o sol ainda vai nascer
Quadrado

Isso não prova nada!
Sob pressão da opinião pública
É que não haveremos de tomar nenhuma decisão!
Vamos esperar que tudo caia no esquecimento
Aí então…
Faça-se a justiça!
Estamos preparando vossas acomodações, Excelência.
Filha da Puta! Bandido!
Corrupto! Ladrão!

                                   Como se vê, a letra é de um respeito a toda prova, próprio de quem o exige de terceiros. Muito justo, claro. Muito coerente com a aula de educação ministrada aos cuiabanos, não?

                                   Mas não só eles mudaram radicalmente em relação ao poder. Muita gente ficou amiguinha de Dilma & Lula nos últimos anos. Luis Fernando Veríssimo, por exemplo, abandonou o tom crítico e irônico em relação a governos passados e, por pura e absoluta coincidência, é hoje o escritor vivo que mais vende livros ao Ministério da Educação e Cultura. Chegou a “matar” sua personagem A Velhinha de Taubaté, sempre a ironizar ex-presidentes – até 2003. Depois tornou-se franco adesista, alcançando as glórias e benesses afeitas a todos os que enveredam por tais caminhos.

                                   Duas frases, emblemáticas, decodificam muito bem tais intenções. Uma é do grande Millôr, que dispensa apresentações: “Desconfio de todo idealista que lucra com seu ideal”. A outra é do brasilianista americano Richard Moneygrand: “O Brasil só vai sair do atoleiro quando aceitar que existe realidade”. Com alto poder de síntese, os dois aforismos se bastam, sendo o restante apenas a velha gravitação geral dos insetos ao redor da lâmpada, de uma interminável e estéril variação sobre o tema.

                                   Engraçado: Fora Collor era muito democrático e a lulada pedia (e conseguiu!), como exigiu fora FHC, fora Sarney, fora tudo. Mas fora Dilma, com todas as provas de corrupção e incompetência escancaradas… aí é golpe. Julgam-se professores de Deus. Devem descansar no sétimo dia.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes