s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

No Mundo Do Joystick

No Mundo Do Joystick

Luciano Pires -

Fui alfabetizado em 1963, em Bauru. E tenho um privilégio que poucas pessoas têm: a professora que me alfabetizou no primeiro ano primário do Grupo Escolar Rodrigues de Abreu chama-se Helena Pires. Minha mãe.


Lembro-me da cartilha usada na época e de ficar escrevendo cada letrinha, preenchendo espaços vazios e treinando, treinando, treinando. Até caderno de caligrafia eu usava e era proibido usar canetas. Só lápis. Caneta era pra quem sabia escrever.


Quando decorei o alfabeto fiquei sabendo que os caras tinham tirado fora um tal de “k” e o “w” e o “y”. Alguém disse que tinha acontecido uma mudança, que hoje chamamos de “reforma ortográfica”.


Só fui bom aluno de português durante um curto período no ginásio e a vida toda lutei com o “por que”, “porque” e “por quê”. Com as malditas crases, com os hífens, com os “estes” e “esses” e com a grafia de algumas palavras. Mas quem não lutou?


Considero-me um semi-letrado (Xi! Não tem mais hífen?) que conhece o suficiente para não passar fome e juntar umas palavrinhas. Tenho plena ciência de minhas limitações gramaticais, mas isso não impede que eu me expresse e me corrija sempre que descubro um erro.


A língua que falamos está viva, cresce e modifica-se. Coisas como “malufar”, “mensalão”, “deletar” tornaram-se corriqueiras e têm que ser incorporadas a nosso dia-a-dia. Se isso não acontecer ela vai estagnar e morrer… William Sheakespeare, um dos maiores escritores do idioma inglês, trabalhava com um universo de 110 mil palavras que hoje, 500 anos depois, ampliou-se para 540 mil palavras! O idioma é uma coisa viva, que cresce e evolui.


Recentemente vivi uma experiência interessante relacionada à forma como a tecnologia está impactando nosso idioma. Minha filha é absolutamente viciada pelo MSN e domina totalmente aquele jeito louco de escrever, cheio de “naum”, “vc”, “kd”, “rsssss” e outros truques que aumentam a velocidade das conversas ao teclado. O resultado é um dialeto horrível e indecifrável, que me preocupava.


Mas no último ano, quando ela passava dos 16 para os 17 anos de idade, notei uma fantástica evolução em seu vocabulário e redação. Fora da internet ela está escrevendo direitinho, sem os vícios do MSN. A conclusão é que a garotada – desde que receba educação suficiente – consegue separar as coisas e comportar-se conforme o ambiente em que está. É uma adaptabilidade, flexibilidade e capacidade de assimilação que nós, os tiozinhos e tiazinhas não temos… Nenhum de nós consegue prestar atenção em mais de três coisas ao mesmo tempo, capacidade que a molecada desenvolveu apoiada na tecnologia do tripé televisão/internet/ celular.


Isso é bom? No mundo onde fui criado, não. E me lembra da história de um amigo que foi a um Salão do Automóvel na Alemanha e experimentou um sistema de navegação no qual – em vez de volante – o carro tinha um joystick igual aos dos videogames.


Ao terminar a experiência meu amigo comentou com o técnico:


– O sistema é impressionante. Mas esse joystick é horrível.


A resposta foi arrasadora:


– É que para nós o senhor já morreu. 


Reformas ortográficas são bem-vindas. Se vão ser feitas direito, é outra história. Essa que estamos assistindo está sendo conduzida por vetustos senhores de vetustas academias, respeitadas por sua antigüidade (ou antiguidade?). No mundo do joystick estão mudando a cor do volante.


Precisa ser feito? Claro que sim. Mas enquanto eles vêm com a reforma a molecada aparece com a revolução.