s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

O oitavo círculo

O oitavo círculo

Fernando Lopes - Iscas Politicrônicas -

Faz uns bons anos, no departamento de trânsito de uma pequena e pacata cidade do interior paulista. Um cliente sofreu alguns danos em seu carro, devido aos quebra-molas exagerados, muito acima das dimensões previstas no código de trânsito. Em vez de acionar o judiciário, achei melhor explicar o caso ao chefe do departamento, para que ele, ao menos, adequasse os obstáculos à lei. Foi o que fiz, e ele, candidamente, disse que não dava. Argumentei que não era caso de “dar ou não dar”; era a lei, e tinha de ser seguida. A resposta do sujeito, demonstrando um misto de saco cheio misturado com aquele arzinho de superioridade de quem diz o óbvio ululante, foi: “Mas o senhor quer que a gente siga a lei sempre? Dá não, dotô.”

Pois é; o próprio Lula, ex-presidente da República, disse certa vez que “há leis que pegam e leis que não pegam”. Os cínicos o defenderam, alegando que isso é normal no Brasil. Não é, e o problema vem da má execução da lei e seus mecanismos de cumprimento, burocráticos e afastados da realidade; mas o pior de tudo é o chefe do Executivo (justo o poder encarregado de respeitar e executar as leis) dizer isso no exterior, como se fosse a coisa mais sábia do mundo.

Que há leis “preferidas” pelas maiorias travestidas de minorias ou pelos poderosos não há dúvida, como a lei antitabaco ou as “leis” que garantem auxílio-moradia (entre outros “auxílios” e benesses) a muitos juízes, promotores, deputados, senadores e demais cidadãos de primeira categoria, em detrimento dos milhões de plebeus abaixo deles – a ninguenzada que, em primeira ou última análise, é chefe desses perdulários do dinheiro público, pagando-lhes régios salários e mordomias inacreditáveis. Mas isso é papo pra outro barril.

Há receios de um terceiro tipo de lei no Brasil, fora esses que ‘pegam ou não pegam”, segundo a lulada: As que pegam, mas lulistas não gostam e não querem mais deixar pegar. Olha só que bacana. Trocando em miúdos, lei boa é a que eles gostam. E fim de papo.

A lei da ficha limpa foi um dos grandes avanços do País. Impede que gente condenada pela justiça em segunda instância use sua lábia e nosso dinheiro para enganar eleitores ingênuos ou desinformados para continuar cometendo os mesmos ilícitos pelos quais foram apenados. Uma lei lógica, sem mistérios, nascida da vontade popular, numa iniciativa que juntou mais de 1,6 milhão de assinaturas. O dispositivo legal passou pelo Congresso e acabou sancionado pelo próprio Lula em 2010, com festa e foguetes, contando com apoio entusiasmado de sua turma. Essa gente bradava que “bandido não pode ser candidato” e a nova lei impediria seus adversários de roubar e enganar o povo. Eles, puros, probos, honestíssimos e ilibados, seriam os melhores candidatos, os únicos dignos, evidentemente; todos os demais seriam candidatos à cadeia, somente.

Deu no que deu; a justiça finalmente pegou Lula com a lei sancionada e festejada por ele mesmo, e qual não foi a reação de seus seguidores? Sindrômica: Uns desejam a lei simplesmente revogada. Outros, olimpicamente ignorada; e outros defendem candidamente que para Lula a lei não vale, pois o demiurgo estaria bem colocado nas pesquisas de intenção de voto. Resumindo, a lei não poderia atingi-lo, vestido com colete à prova de justiça, costurado pelo soviete supremo do inferno, em sua matriz estabelecida no Oitavo Círculo, onde são abrigados “calorosamente” os fraudadores, segundo Dante Alighieri no clássico A Divina Comédia.

Motivos para essa insanidade toda: Não há. O messias cubânico é intocável para mortais comuns. Para ele, só valem leis que lhes agradem; as demais são apenas fumaça ao vento – a não ser em prejuízo de seus inimigos, mesmo que sejam apenas amigos úteis para as hora do aperto, né, Paulo Maluf? Né, Geddel Vieira Lima?

Seu arremedo de argumento é somente sua vontade imperial, e sua “justiça” são os (alegados) potenciais eleitores; não importa o que os tribunais decidam, desde que as pesquisas inflem Lula, mesmo artificialmente, cumpanhêra Datafolha. Não é à toa que se baseiam ideologicamente numa fantasia de extrema esquerda, que promete o paraíso mas só consegue entregar o inferno. De preferência, para seus futuros vizinhos no oitavo círculo. Stalin que o diga e Hugo Chávez não desminta.

Ver Todos os artigos de Fernando Lopes