s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

O que é Popular?

O que é Popular?

Luciano Pires -

Estou viciado no Auditório Ibirapuera. Vira e mexe vou lá, num domingo pela manhã, numa sexta à noite ou em qualquer dia da semana que posso. Já assisti ali shows memoráveis de André Abujamra, Antonio Nóbrega, Tangos e Tragédias, Funk Como Le Gusta e muita gente mais. Um auditório maravilhoso, confortável, seguro, com acústica perfeita e frequentado por gente que sabe o que está fazendo lá. Quando o show é caro, custa 30 reais… Ou seja: consigo apreciar o que existe de mais fascinante na música brasileira, pagando bem barato.

Esta semana estive no SESC da Avenida Paulista. Assisti um maravilhoso show de jazz, lanchei numa “comedoria” deliciosa, e visitei uma lojinha com CDs inacreditáveis… Saí de lá alimentado, com seis CDs e com o espírito leve de quem se entrega à boa música. E gastei em torno de 80 reais, incluídos os seis CDs…

Então recebo este email da leitora Lívany Salles com um comentário interessante:

“Luciano, brasileiro sempre reclama que cultura é para intelectuais ou que cultura custa caro, como se fosse um objeto que pode ser vendido ou comprado. Parece até que as pessoas dão mais valor quando compram um ingresso caro para uma peça de teatro ou vão ao cinema nos finais de semana e feriados, gastando dinheiro com estacionamento, com comida e com o ingresso propriamente dito, que anda bem salgado, diga-se de passagem. Não estou dizendo para ninguém deixar de ir ao teatro ou ao cinema, pelo contrário. Apenas afirmo que existem opções para os dias de, digamos, vacas magras. E, ultimamente, como a grana anda hiper apertada, resolvi entrar na ‘onda’ dos eventos gratuitos. Descobri tantas opções que algumas até calham de ser no mesmo dia e horário. Ou seja, estou até escolhendo! Ontem fui numa palestra do programa Café Filosófico. Bom, a palestra foi fenomenal e saí com aquela sensação de ‘ah, se todos aproveitassem essas oportunidades’. Se realmente as pessoas dessem valor. Conclusã uma noite super agradável ao preço de duas passagens de ônibus e um chocolate quente que custou R$ 0,65. E eu vejo tanta gente reclamando que não sai porque não tem dinheiro. Ou, então, reclama que não tem opção de lazer. Que tudo o que é bom, é caro. Mas basta sair de casa para encontrar diversas oportunidades de apreciar bons programas sem gastar muito dinheiro.”

Pois é… Minhas experiências no Auditório Ibirapuera, no SESC e em tantos outros lugares, assim como o email da Lívany, me levam a uma daquelas reflexões: o que é “popular”?
As definições de dicionários dizem que popular é aquilo que é do povo comum a todos democrático. Portanto acessível. Pelo critério da acessibilidade ao artista, então “popular” é a Orquestra de Câmara da Ulbra lá de Porto Alegre, dirigida por meu amigo Tiago Flores, que cobra 10 ou 15 reais pelo ingresso, quando não toca de graça. “Popular” é a Biblioteca Municipal, que não cobra ingresso. “Popular” é o grupo de chorinho que toca todo sábado na Feira da Benedito Calixto, sem cobrar nada. “Popular” é a quantidade imensa de artistas independentes que vendem seus CDs como podem, por 5, 10 ou 15 reais. “Popular” são o SESC e o Auditório Ibirapuera.

Mas curiosamente nossa sociedade inverteu essa lógica: “populares” são a Ivete Sangalo. A Banda Calypso. Zezé di Camargo e Luciano. Roberto Carlos. Artistas competentes, batalhadores, mas a cujos shows é impossível ir sem gastar 80, 100 ou 200 reais.

Sacou o jogo? Neste nosso mundo midiático, quanto mais “popular”, mais caro. E inacessível.

Felizmente temos aquela velha arma nas mãos: a liberdade de escolha para optar pelos artistas dos auditórios Ibirapuera e Sescs.

Liberdade de escolha, sempre ela…

Pena que a maioria não usa.