s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

O que vi e vivi nos dias de terror no Espírito Santo

Bruno Garschagen - Ciência Política -

O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados?

Escrevo este artigo sob o impacto dos dias de terror e violência aqui no Espírito Santo, onde resido. A sensação de impotência é excruciante. O que fazer quando a polícia cruza os braços e você se encontra desarmado diante de bandidos armados? Foi igualmente perturbador testemunhar os policiais militares assistindo a tudo de camarote e saber que o contingente do Exército no Espírito Santo estava impedido por lei de, imediatamente, restabelecer a lei e a ordem. Nunca apelei tanto ao Pai-Nosso e à Ave-Maria.

Três dias foi o intervalo entre o pedido do governador do Espírito Santo, a determinação do presidente da República, a ordem do ministro da Defesa e a atuação das Forças Armadas. Três dias de terror que assustaram até um iraquiano que é comerciante em Vitória e disse que pensa em voltar para o seu país. Bagdá, para ele, está mais segura que aqui.

Não tenho dúvida de que as consequências da paralisação da PM só não foram mais graves porque a Guarda Municipal (GM) de cidades como Vila Velha e Cachoeiro de Itapemirim agiu corajosamente e porque parte da sociedade reagiu, com arma e sem arma. Dias atrás, um carro da GM escoltado por dois guardas a pé passou devagar pela rua onde moro. Do sistema de som do carro, um deles tentava tranquilizar os moradores, que aplaudiram e assoviaram num misto de apoio e alívio. Mesmo com pequena estrutura e falta de treinamento específico para lidar em situações como essa, os guardas municipais foram valiosos num momento crítico.
No caso da reação civil, fui testemunha e confirmei muitas histórias que ouvi, ocorridas em várias cidades capixabas, de pessoas que reagiram e botaram bandidos para correr ou que conseguiram imobilizá-los. Houve casos de moradores que, durante a reação, exageraram no cavalheirismo e provocaram algumas escoriações mais ou menos graves nos criminosos.

A reação de parte da sociedade capixaba só aconteceu, creio, porque, graças ao bom Deus, a mentalidade desarmamentista não resultou plenamente aqui no estado. Muita gente ainda tem arma de fogo em casa. E mesmo aqueles que não a têm manifestaram uma coragem admirável.

Foi bonito ver as pessoas se organizarem para fazer patrulha nas ruas, em casas, em condomínios, no comércio, com o fito de protegerem-se uns aos outros. A mentalidade que fundamenta o Estatuto do Desarmamento não foi capaz de fragilizar uma sociedade à mercê dos bandidos e de pessoas que aderiram aos saques criminosos nas lojas. Indivíduos que assim confirmaram a observação do Conselheiro Aires em Esaú e Jacó, de Machado de Assis: “não é a ocasião que faz o ladrão; A ocasião faz o furto; o ladrão nasce feito”.

Sim, a maioria dos capixabas está desarmada e ficou completamente desamparada. São pessoas que, decerto, acreditaram na ilusão vendida pelos defensores do Estatuto do Desarmamento. E que descobriram de maneira dramática que, na ausência da PM, a bandidagem faz a festa porque sabe que não há gente armada em número suficiente para ajudar todo mundo que precisou (e precisa) de ajuda. Que o diga quem mora nas periferias.

O que aconteceu no Espírito Santo abre uma janela de oportunidade fabulosa para discutirmos três temas fundamentais para a segurança da sociedade: a valorização efetiva da Polícia Militar, o que evitaria paralisações como essa; a necessidade de se ter uma nova Guarda Municipal preparada para agir prontamente em casos de necessidade; e a facilitação do registro, do porte e da compra de arma para o cidadão que deseja tê-la como instrumento de proteção.

A relação do capixaba com a PM não será a mesma e cada vez mais pessoas terão arma em casa. O Estatuto do Desarmamento falhou miseravelmente em mais um grande teste: o da realidade da vida cotidiana no Brasil.

Ver Todos os artigos de Bruno Garschagen