s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

O Tigre Branco. Ou poderia ser Cidade de Budah…

Luciano Pires -

Resumo da história: Balram é um garoto miserável, vivendo num povoado miserável no interior da Índia, onde é explorado pela avó, a matriarca da família. Seu sonho é servir um patrão poderoso, que ele encontra em Ashok, filho caçula de um mafioso que explora a região. Ashok é casado com Pinky, que foi criada nos EUA desde criança e contesta a cultura machista e autoritária do pai do marido. Balram começa um processo para escapar da vida miserável, experimentando o choque entre as castas sociais e pagando um preço alto por isso.
Pronto. Esse é o pano de fundo para um dos mais instigantes filmes que assisti nos últimos tempos. Na verdade, não me lembro de ficar tão entusiasmado com um filme desde Tropa de Elite e Cidade de Deus. O filme é sensacional.
Primeiro porque nos joga dentro da realidade miserável do interior da Índia, esfregando em nossa cara a realidade de quem vive para sobreviver. Somente para sobreviver. A miséria, o lixo, a desesperança, os problemas sociais, a corrupção, a violência, estão ali estampados – na verdade, escarrados – na cara da gente.
Segundo, porque a narrativa é irresistivelmente bem-humorada, com uma direção inteligente, cinematografia de primeira e um ator principal que é arrasador. O jovem Adarsh Gourav, que iniciou a carreira em 2017, é como o Alexandre Rodrigues que interpretou o Buscapé de Cidade de Deus, o ator que incorpora o personagem que vive dentro de si. Fica evidente que Adarsh está representando uma realidade que conhece perfeitamente. Conhece tanto que consegue caricaturar a realidade. Ele narra a história, que caminha em flashs entre passado e presente, com uma graça que torna impossível não torcer por ele o tempo todo. Exatamente como fizemos com o Buscapé. A cena em que ele se vê forçado a assinar uma declaração, é simplesmente genial. Por meio de close-ups que chegam a deformar o riso sem graça de Balram, o diretor nos deixa absolutamente empáticos com o garoto. A sensação é que aquela situação surreal está acontecendo conosco! Sensacional.
O filme é um grande comentário sócio-político sobre a divisão em castas e entre os pobres e ricos na Índia. Talvez lá esteja o maior contraste entre classes no planeta. As tradições sociais da cultura indiana estão explícitas, exploradas com um humor e acidez que torna difícil acreditar que o diretor do filme não é indiano. E não é. Ramin Bahrani é um cineasta americano-iraniano, que consegue nos remeter para a realidade do terceiro mundo como só quem tem um pé naquela cultura conseguiria.
A grande ironia é que o filme se desenvolve a partir de uma série de e-mails que o protagonista endereça ao Premier da China que está para visitar Bangarole na Índia. Ele crê, e explicita, que o tempo do homem branco passou, o futuro é dos amarelos e marrons. E o tempo todo esfrega essa ideia em nossa cara. Balram termina bem-sucedido (não é spoiler, já que o filme começa com ele no presente, lembrando sua história), e sua história mostra como a ideia da meritocracia pode ser relativa, dependendo da sociedade na qual você vive.
Outro ponto fundamental é o foco no individualismo de Balram. Ele é um solitário, batalha contra tudo e todos, não aceita se juntar a grupos, nem engole ideias coletivistas. Ele só vê sucesso, e não acredita que para isso dependa de um programa de televisão que o deixe rico. Tem uma referência deliciosa aqui.
As cenas que envolvem Pink, a esposa rebelde de Ashok, mostram o tamanho do abismo cultural a ser ainda vencido pela sociedade indiana. Ela quer mudar as coisas, age a respeito, coloca-se em risco, mas percebe que não poderá fazer nada contra aquela cultura. E a exposição do sistema corrupto indiano, com direito a malas de propina, deixa claro que não somos muito diferentes, quando se coloca em perspectiva o poder. Onde há poder, há injustiça, corrupção, inveja e ganância. Aqui ou na Índia.
Não perca. Para mim esse é o maior lançamento do ano, e Adarsh Gourav merece, no mínimo, uma indicação ao Oscar.