s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Os Patrulheiros

Os Patrulheiros

Luciano Pires -

Recebi de um patrulheiro pelos direitos dos gays um e-mail ameaçando me cobrir de porrada. Afinal, escrevi que o Lacraia, que faz dupla com aquele ícone da MPB chamado Mc Serginho, era efeminado.
E os patrulheiros do PT? A cada vez que cometo a ousadia de criticar Lula ou seus companheiros, sou acusado de “preconceituoso” contra o humilde operário… Lula é um caso raro. Mais de trinta anos longe de um torno e levando uma vida de nababo continua “humilde operário”…
E os patrulheiros de “El comandante”? Vieram pra cima de mim, ferozes, quando insinuei que o regime político castrista é uma merda.
E o patrulheiro que trabalha numa fábrica de eletrodomésticos? Escreveu reclamando (é sério!) que ofendi os trituradores de lixo quando comparei a televisão com aquele precioso e tão útil equipamento.
Ah, teve também a advogada, ativista racial raivosa que me detonou quando chamei o Ministro Joaquim Barbosa de “negão”.
Mas um deles superou-se. Escrevi que fui com minha filha jogar veneno num formigueiro que estava destruindo nosso jardim e o cara acabou comigo. Era um ativista pelos direitos das formiga!.
Pois é… Ativistas. Militantes. Patrulheiros.


Comecei a pensar no assunto depois de ler duas notícias coincidentemente complementares. Primeiro sobre o lançamento do documentário “Simonal – Ninguém sabe o duro que dei”, de Claudio Manoel em parceria com Micael Langer e Cavilto Leal. O filme trata da carreira de Wilson Simonal, um dos maiores fenômenos da música popular brasileira. Tenho muitos leitores jovens, que desconhecem quem foi Simonal. Em vez de ficar falando, dou uma sugestão: vá até o Youtube, digite “Simonal” e procure a apresentação que ele fez ao lado da lendária diva do Jazz Sarah Vaughn em 1970. O endereço é este: http://br.youtube.com/watch?v=8Hc0FGmXONk .
Não é preciso dizer mais nada…


Simonal estava no auge da carreira, com seus trinta anos, quando descobriu que seu contador estava desviando dinheiro. Chamou uns “amigos” da polícia que deram uma dura no contador. Enquanto o sujeito apanhava, Simonal dizia algo como: “Toma cuidado comigo, pois sou amigo dos home!”. Ocorre que alguns dos policiais faziam parte do SNI – Sistema Nacional de Informação, a temida “polícia” política do regime militar. E a história se espalhou: Simonal, então, seria informante do SNI. O cantor, acusado de dedo-duro passou a ser patrulhado. Dezenas de músicos foram pressionados a não tocar mais com ele, que teve a carreira destruída em questão de dias. Simonal faleceu desgostoso aos 61 anos, em 25 de junho de 2000. Pouco depois os arquivos do SNI comprovaram que ele jamais foi informante da repressão. E a Comissão Nacional de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil reabilitou Simonal oficialmente em 2003.
Mas era tarde demais.


A campanha mais virulenta contra ele foi d’O Pasquim, o tablóide que marcou época no jornalismo brasileiro como peça de resistência ao regime militar dos Anos de Chumbo. O que nos leva à segunda notícia. O Ministério da Justiça acaba de autorizar o pagamento de uma indenização de mais de um milhão de reais e de uma pensão mensal vitalícia para os cartunistas Ziraldo e Jaguar, que dirigiam o Pasquim durante aqueles anos. A indenização é por prejuízos morais e financeiros causados pela censura e pelas prisões a que foram submetidos durante a repressão.
Millôr Fernandes, um dos fundadores do jornal, ao ficar sabendo, sacou esta: “Então eles não estavam fazendo resistência. Estavam fazendo previdência”.


Não pretendo discutir a legalidade ou moralidade da indenização. Quero apenas deixar no ar uma pergunta.
Quanto as patrulhas pagarão para a família de Wilson Simonal, a título de indenização por prejuízos morais e financeiros?
Ah, mas Simonal, como o jovem soldado que foi morto ou o sujeito que perdeu a perna no atentado a bomba dos ”revolucionários”, estava do “outro lado”. É “efeito colateral”.
Cega, a justiça não se aplica a eles.


Pronto! Virei patrulheiro.