s
Portal Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Cafezinho 628 – Crimes de Honra
Cafezinho 628 – Crimes de Honra
A Corte Constitucional da França recentemente declarou ...

Ver mais

Paulo Padilha

Paulo Padilha

Luciano Pires -

Paulo Padrilha segundo ele mesmo

Sou um brasileiro típico, vira-lata nascido em Sampa , em 09/08/1964, filho das duas maiores correntes migratórias que passaram por aqui. Meu pai é descendente direto de italianos, vindos de uma pequena cidade ao sul da Itália chamada Tito, daí a origem do meu sobrenome “Lotito”. Minha mãe é mulata de pele clara, baiana de Salvador, filha de múltiplas e indecifráveis misturas, provavelmente negro, índio e português ou espanhol, de quem emprestei o “Padilha”.

De minha mãe herdei canções de Luiz Gonzaga, marchinhas de carnaval, histórias de tradição oral, o gosto pelo canto e por picadinho de carne de segunda com quiabo, além de vatapá, farinha e pimenta.

Do meu pai, um engenheiro que toca violino, pinta, desenha e escreve, trago talvez o bom humor, o espírito curioso, humanista, ateu e multidisciplinar. Além, é claro, da macarronada e outras delícias culinárias preparadas pela minha avó Antonieta e minha tia Nilza.

Tive uma infância de classe média absolutamente normal, no bairro do Campo Belo, onde brinquei na rua de esconde-esconde, rolimã, pipa, futebol, taco, bicicleta e tudo mais.

Minha lembrança mais remota ligada à música são as canções de ninar que minha mãe cantava, e uma viagem que fizemos de carro à Salvador.

Eu tinha sete anos. Minhas irmãs queridas, Denise e Márcia, tinham, respectivamente, 5 e 2 anos. A Marta, nossa babá/empregada, que devia ter uns 14 anos, também foi. A viagem durou três dias… Imagina a zona!

Não sei se havia carro com toca-fitas na época, mas tenho certeza que no nosso não tinha. Para passar o tempo, minha mãe cantava e meu pai batucava com a aliança no volante do carro, o volante duro e sonoro de uma Volks Wagen Variant bege. Aprendi muitas canções nesta viagem. Lembro de várias até hoje, acho que era basicamente Luiz Gonzaga e Braguinha, canções da juventude da minha mãe. Provavelmente escolhia as mais alegres, deixando de lado as da Ângela Maria, que ela também adorava.

Aos 10 anos, descobri um violão velho em casa e comecei a estudar com uma professora do bairro. Tinha facilidade para tocar e cantar. Durante a adolescência passei por vários professores de violão. Estudava um semestre, enjoava, parava um semestre, mudava de professor.

Ouvia muita MPB, deitado no sofá com o encarte do vinil na mão. Chico, Caetano, Gil, Gal, Bethânia, e uma coletânea de sambas em fita cassete que tinha Novos Baianos (Besta é Tu), Paulinho da Viola (Foi um Rio…), Martinho da Vila( Pagode do Vavá) e outros. Abri o pulso de tanto batucar no criado-mudo do quarto dos meus pais ouvindo esta fita.

Mas o que eu adorava mesmo era o Milton Nascimento. Especialmente uma coletânea da Abril, que vendia nas bancas de jornal, acompanhada de um encarte/revista. Era um vinil menor que os outros, com umas quatro faixas de cada lado. Tinha Milagre dos Peixes, Travessia, Meu Pai Grande, Aviões da Panair e outras. Eu cantava o disco inteiro, tentando imitar os falsetes e agüentar as notas longas do Milagre dos Peixes (“…a nossa doooooooor…”). Ouvia também o que tocava no rádio. Disco Music (Donna Summer, Chic e muitos outros). Ia gravando da rádio FM, novidade da época!

http://www.lastfm.com.br/music/Paulo+Padilha

alt
Paulo Padilha

[youtube]H2vdZ4V6Z9g[/youtube]
[youtube]hCatfoX-V9g[/youtube]
[youtubed]HsMZVvB3wJY[/youtube]