s
Podcast Café Brasil com Luciano Pires
Cafezinho Live
Cafezinho Live
Luciano Pires, criador e apresentador dos podcasts Café ...

Ver mais

Me Engana Que Eu Gosto
Me Engana Que Eu Gosto
Me engana que eu gosto: dois meio brasis jamais somarão ...

Ver mais

Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando o Podcast Café Brasil 700!
Tá chegando a hora do Podcast Café Brasil 700!

Ver mais

Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
Aplicativos IOS e Android para o Café Brasil Premium!
MUDANÇAS IMPORTANTES NO CAFÉ BRASIL PREMIUM A você que ...

Ver mais

Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
Café Brasil 736 – Coisas Sobre Você
A Bianca Oliveira é jornalista, apresentadora de ...

Ver mais

Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Café Brasil 735 – Morrer de quê?
Fala a verdade, quem é que não se pegou pensando sobre ...

Ver mais

Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Café Brasil 734 – Globalização e Globalismo
Olha, vira e mexe a gente ouve falar em globalização e ...

Ver mais

Café Brasil 733 – Agro Resenha
Café Brasil 733 – Agro Resenha
O agronegócio, que talvez seja o mais espetacular caso ...

Ver mais

Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Comunicado Café Brasil e Omnystudio
Nos 14 anos em que produzimos podcasts, esta talvez ...

Ver mais

Comunicado sobre o LíderCast
Comunicado sobre o LíderCast
Em função da pandemia e quarentena, a temporada 16 do ...

Ver mais

LíderCast 204 – Marco Bianchi
LíderCast 204 – Marco Bianchi
Humorista, um dos criadores dos Sobrinhos do Athaíde, ...

Ver mais

LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
LíderCast 203 – Marllon Gnocchi
Empreendedor de Vitória, no Espírito Santo, que começa ...

Ver mais

Sem treta
Sem treta
A pessoa diz que gosta, mas não compartilha.

Ver mais

O cachorro de cinco pernas
O cachorro de cinco pernas
Quantas pernas um cachorro tem se você chamar o rabo de ...

Ver mais

Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
Leitura do Cafezinho 304 – (in) Tolerância
A intolerância é muito maior na geração que mais teve ...

Ver mais

Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Leitura cafezinho 303 – Cérebro médio
Escolha um tema quente, dê sua opinião e em seguida ...

Ver mais

O turismo e a economia
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
O turismo e a economia A indústria do turismo passou certamente pelo maior desafio das últimas décadas, mas é forte o bastante para superar. Esteja atento às possibilidades tecnológicas e agregue ...

Ver mais

O boom no turismo regional no mundo pós-pandemia do coronavírus
Michel Torres
Estratégias para diferenciação e melhor aproveitamento da imensa demanda por hotéis e pousadas Um detalhe sobre a pandemia do coronavírus em curso é que as áreas com focos concentrados são ...

Ver mais

Boicote, Coelhinho?
Fernando Lopes
Iscas Politicrônicas
O britânico Charles Cunningham entrou pra História de um jeito muito diferente. Em 1880, foi à Irlanda dirigir os negócios de um grande proprietário de terras local. Acabou entrando em desavenças ...

Ver mais

Aquém do potencial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Aquém do potencial  “A economia está sujeita a conveniências políticas que a levaram por maus caminhos. Por isso enfatizo tanto a gravidade da situação, na esperança de levar seus responsáveis ao ...

Ver mais

Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Cafezinho 320 – IV Sarau Café Brasil
Um convite para o IV Sarau Café Brasil

Ver mais

Cafezinho 319 – A cizânia
Cafezinho 319 – A cizânia
Fique de olho nos Tullius Detritus que infestam sua vida.

Ver mais

Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Cafezinho 317 – Declaração de Princípios
Quando decidi que lançaria meu primeiro curso on-line, ...

Ver mais

Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Cafezinho 316 – Não somos estúpidos
Não, não é para mergulhar no otimismo cego, que é tão ...

Ver mais

Café Brasil 485 – Capitalismo, Estado e Compadres

Café Brasil 485 – Capitalismo, Estado e Compadres

Luciano Pires -

Vamos voltar a falar do capitalismo, esse vadio, bandido, explorador, injusto e assassino sistem … Peraí, mas de que capitalismo estamos falando mesmo? Bem, eu vou nessa praia de novo, arranjar mais sarna pra coçar.

Posso entrar?

Amigo, amiga, não importa quem seja, bom dia, boa tarde, boa noite. Este é o Café Brasil e eu sou o Luciano Pires.

Este programa chega até você com o apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera que, como sempre, estão aí, a um clique de distância. facebook.com/itaucultural e facebook.com/auditorioibirapuera.

E quem vai levar o exemplar de meu livro ME ENGANA QUE EU GOSTO é o Juliano, lá da Alemanha!

“Olá Luciano. Juliano meu nome, estou falando de Meschede,  Alemanha. Quero comentar o programa 475, Estadão ou estadinho. Ouvindo suas palavras, as palavras de Margareth Thatcher, acho que a gente fica empolgado  com o ideal liberal, mas no fim, eu acho que ele é tanto uma utopia como o comunismo também é uma utopia. E na prática, temos que estar em algum lugar no meio e dependendo de que país estamos, em que sociedade estamos, o estado tem que ser mais ou menos forte. No geral concordo sim, o estado não tem que ser forte, ter empresas, justamente o exemplo da Venezuela, voltando “la mano peluda”, é bem um exemplo de como pode ser nocivo um estado extremamente forte mas, para citar o exemplo da Inglaterra, hoje não existe uma unanimidade sobre o resultado da política de Thatcher. Algumas pessoas louvam o crescimento da economia dirante o seu governo, mas muitas criticam justamente o aumento do gap social. Tanto que Margareth Thatcher é respeitada por muitos, como as pessoas mais importantes da história recente da Inglaterra, como também é odiada por muitos. Eu acho que é isso aí. A verdade está em algum lugar no meio e cada país tem que achar o seu meio e esse meio também vai variar de acordo com o tempo e sempre, ajustes terão que ser feitos, sempre. Então, essa foi a minha mensagem, mais uma vez parabéns pelo programa e um último comentário sobre a questão moral, dos ricos, claro, devem ajudar, podem ajudar, mas voluntariamente, não só os ricos, dentre seus milhares de ouvintes, quantos estão dispostos a cooperar voluntariamente para a manufatura do programa. é isso aí, um abraço.”

Caro Juliano, eu concordo plenamente com você: é o estágio de desenvolvimento de uma sociedade que determina o tamanho da intervenção estatal, por isso que exemplos das sociedades mais avançadas não devem ser copiados cegamente no Brasil. Equilíbrio é o nome do jogo…

Entre em contato, vou mandar pra você o e-book do Me engana que eu gosto!

Muito bem. O Juliano só receberá um KIT DKT, recheado de produtos PRUDENCE, como géis lubrificantes e preservativos masculino e feminino se mandar um endereço aqui no Brasil, tá bom? PRUDENCE é a marca dos produtos que a DKT distribui como parte de sua missão para conter as doenças sexualmente transmissíveis e contribuir para o controle da natalidade.  O que a DKT faz é marketing social e você contribui quando usa produtos Prudence. facebook.com/dktbrasil.

Vamos lá então! Hoje quero em alemão… Olha aqui, ó! Mas pra ajudar então pedi ajuda pelo Facebook e um de nossos leitores e ouvintes, o Guilherme Delai pediu para uma amiga alemã mandar pra gente o “Na hora do amor, use Prudence”.

Ficou assim:

Zum lai der liebe vervendung…

Entendeu, Lalá? Então vamos lá:

Luciano – Zum lai der liebe vervendung.

Lalá – PRUDENCE!

Bem, pra começar tinindo e já arrumando encrenca com uns aí, vamos com trechos de um texto do economista Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central do Brasil, e também diretor da Área Internacional do Banco Central e Secretário Adjunto de Política Econômica do Ministério da Fazenda, entre 1993 e 1999. Gustavo é presidente do Instituto Milenium.

No Brasil, pouca gente sabe definir o que é, mas muitos odeiam o capitalismo. O Instituto Millenium (uma ONG dedicada a promover os valores da liberdade, democracia e economia de mercado), um dia desses, colocou uma pessoa na Cinelândia, centro do Rio de Janeiro, perguntando aos transeuntes o que pensavam sobre o assunto: capitalismo. Três de cada quatro entrevistados ficaram nervosos com a pergunta, recuavam temerosos do microfone, ou resmungavam desconfortos variados como “aqui no Brasil não tem disso não”, “sei não senhora” e que tais.

O restante das respostas, inclusive de uma professora do ensino médio, refletiu o que se esperaria obter de uma região outrora conhecida como a Brizolândia.

No belo livro Capitalismo: modo de usar, recentemente lançado, Fábio Giambiagi concentra essa mesma mensagem na sua epígrafe, uma fala de Fernando Henrique Cardoso dirigida a Armínio Fraga antes de sua sabatina no senado, como parte de sua nomeação para a presidência do Banco Central. Sem pretender precedência, registro apenas que ouvi esse conselho igualzinho nas duas ocasiões em que fui sabatinado. Eis a sabedoria: “O Brasil não gosta do sistema capitalista. Os congressistas não gostam do capitalismo, os jornalistas não gostam do capitalismo e os universitários não gostam do capitalismo.”

Como explicar essa estranha hostilidade ao sistema econômico que prevalece em todo o planeta, excetuadas algumas comunidades primitivas isoladas no Caribe e na Ásia hein? e cujo indiscutível e extraordinário sucesso aniquilou qualquer concorrência?

Afinal, o capitalismo é o sistema econômico baseado na propriedade privada, na liberdade de empreender, na letra da lei e na centralidade do mercado para estabelecer os preços. Que há de tão errado com isso?

Você ouve ao fundo o clássico de Ari Barroso ISSO AQUI É O QUE É, no violão de Osmar José Maguetas

O fato é que são reveladoras as respostas ouvidas na Brizolândia. Em primeiro lugar, destaque-se a apatia, muito provavelmente incentivada por valores nossos, mal cultivados. Hierarquias e privilégios parecem mais naturais no Brasil que a igualdade diante da lei e a impessoalidade.

(…)  trata-se do sucesso do capitalismo como se houvesse dúvida sobre isso. O próprio Marx em seu famoso manifesto, em 1848, eliminou essas dúvidas ao afirmar que “a burguesia, em seu reinado de apenas um século, gerou um poder de produção mais massivo e colossal do que todas as gerações anteriores reunidas”. O erro estava em prever o colapso do sistema, ou exagerar nos efeitos colaterais.

Sobre desigualdade, é preciso cuidado com um sofisma muito comum. O progresso material não é igual em diferentes regiões do planeta, ou mesmo dentro de um país. Muitas regiões do continente africano vivem hoje do mesmo jeito que viviam há 500 anos, quando os nativos da região nos Estados Unidos hoje conhecida como a Califórnia, estavam na mesma faixa de renda dos africanos de então.

Em nossos dias, diante da brutal diferença de bem estar entre essas regiões, pode-se distinguir ao menos dois tipos de reações: de um lado, os que se encantam com o desenvolvimento californiano e procuram emular seus valores e de outro, os que afirmam que esses 500 anos de capitalismo aprofundaram a desigualdade (fato estatístico indiscutível, eis que uma das regiões simplesmente ficou estacionada) ou que, um tanto mais canhestramente, os californianos ficaram ricos explorando os africanos, ou os mexicanos. Ou seja, o vilão é quem deu certo, e o sucesso é sempre pecaminoso, segundo a Brizolândia.

O fato é que, contrariamente aos países onde as virtudes burguesas – empreendedorismo, parcimônia, iniciativa e integridade – são louvadas, nosso capitalismo meio patrimonialista sempre foi visto como um jogo de cartas marcadas, onde os valores a cultivar eram outros: conexões com o governo, imprevidência, reservas de mercado e malandragem.

Um “capitalismo pela metade” pode produzir um sucesso pela metade (ou um “meio fracasso”, um país eternamente do futuro), com distorções imensas, como ocorreu no Brasil dos anos 1980, e mesmo um retrocesso, como na Argentina. As nações podem simplesmente fracassar.

Em um famoso discurso no Senado em junho de 1989, o senador Mário Covas, um homem de centro esquerda e inatacáveis credenciais nacionalistas, proclamou que o Brasil precisava de um “choque de capitalismo”. Era um desabafo a propósito da democracia que ele tanto lutara para reconstruir, e que vivia, naquele mês, uma inflação de 28,6%.

A democracia não deveria levar o país à insensatez econômica. Covas disputava a presidência e no primeiro turno obteve apenas 11,5% dos votos, ficando em quarto lugar. Em dezembro, quando ocorreu o segundo turno, a inflação rompeu oficialmente a barreira da hiperinflação: 51,5% naquele mês.

Covas estava correto em que havia algo de muito errado nesse nosso “anticapitalismo” patológico e fora de época, mas o paciente não estava convencido do tratamento. Ainda era forte a demanda por mágica.

Diversos choques se seguiram, mas o de capitalismo só avançou mesmo com o “não choque” representado pelo Plano Real e suas reformas: privatização, responsabilidade fiscal, abertura e as outras que, em seu conjunto, trouxeram a inflação brasileira para níveis de primeiro mundo. Quem poderia imaginar que o sucesso do Plano Real seria o resultado de reformas com o intuito declarado de fazer do Brasil uma economia de mercado por inteiro?

Não obstante, as reformas enfrentaram enorme resistência, essa é a maldição da Brizolândia: uma minoria de perdedores do processo de modernização é capaz de bloquear o que é novo, pois a maioria beneficiada permanece mergulhada na apatia. Os ganhos são dispersos, e os custos concentrados em minorias despojadas de seus privilégios, o velho problema das reformas e a razão pela qual elas são implementadas por estadistas e não por gerentonas ou líderes populistas.

É caprichosa a História, que organiza uma volta ao passado pela ascensão de um líder operário, a quem coube interromper o avanço do capitalismo no Brasil antes que começasse a modernizar demais as coisas. O Brasil mergulha num conservadorismo metido a progressista, cuidadoso e inercial no início, mas que adquire uma feição mais concreta já mais perto de 2008, quando entramos para valer num capitalismo companheiro, ou de quadrilhas e boquinhas.

Não é a inflação que explode, mas a corrupção, uma outra expressão para o fracasso desse capitalismo “pela metade” sobre o qual não vale a pena gastar nem dois tostões de sociologia. Que o digam Joaquim Barbosa e Sergio Moro. Bobos fomos nós em levar a sério a “nova matriz” e outras ridículas vestimentas heterodoxas de que se serviu o cronismo dos coronéis que aqui se implantou.

Essa versão de ISSO AQUI É O QUE É é da cantora Letícia Nicolielo, que há anos se apresenta principalmente pelo interior do estado de São Paulo.

Muito bem. O Gustavo Franco sabe o que diz. Ele é um dos criadores do Plano Real e duvido que, depois de Roberto Campos, alguém tenha levado mais pedradas que ele na defesa do capitalismo de verdade…

Mas vamos lá. Existem duas formas de uma empresa ter sucesso no sistema capitalista: ou ela produz produtos e serviços que o mercado quer ou utiliza meios políticos para obter favores do governo para seu negócio. Essa obtenção de favores é o tal capitalismo de compadres. Nele, o sucesso das empresas depende dos laços que elas mantêm com o Estado.

Há quase um século o modelo capitalista brasileiro é uma combinação de capitalismo de Estado, com forte presença do governo na economia, e de Capitalismo de Compadres, onde fazem a festa os grandes grupos empresariais. Para esses amigos do rei existe acesso ao BNDES e bancos estatais com crédito subsidiado, medidas protecionistas contra a concorrência, especialmente externa, incentivos fiscais, subsídios, contratos vantajosos com estatais, labirintos legais e tributários que só podem ser vencidos pelas estruturas jurídicas e fiscais das grandes empresas.

O sistema capitalista de Estado e de Compadres concentra o poder nas mãos dos poderosos, dificulta a vida dos pequenos, cria uma cultura de preços altos que o povo acaba assimilando. É um sistema predatório, apoiado no Estado, que estimula a corrupção e é absolutamente contra a liberdade. São eles, o Capitalismo de Estado e de Compadres, responsáveis pela situação que o Brasil vive hoje: uma democracia que está entre os piores países do mundo quando se trata de liberdade para negócios.

Quando algumas empresas, pela inovação, eficiência e capacidade gerencial ganham mercado e acabam gerando uma concentração de poder baseada na conquista de clientes voluntariamente atraídos, temos uma concentração virtuosa, promovida pela busca pela produtividade, pela oferta de preços e serviços cada vez mais atrativos. Todo mundo ganha.

Quando essa concentração, no entanto,  é promovida por barreiras que limitam o surgimento de concorrentes, pela compra de facilidades através de favores para agentes do Estado, todo mundo perde, pela queda de produtividade, pela má qualidade dos produtos e serviços prestados, pelos altos preços e pela falta de opções.

E quem perde mais é o genuíno capitalismo, que tem essas variações do mal usadas para criar a imagem de sistema onde impera a ganância, o foco exclusivamente no lucro, a exploração dos trabalhadores e todo aquele discurso socialista que estamos carecas de conhecer.

Chegamos então ao ponto fundamental: o capitalismo que interessa é aquele pró mercado, não o pró empresário. De novo: o capitalismo que interessa é aquele pró mercado, não o pró empresário. É aquele que incentiva a concorrência, que dá liberdade para criação e que remunera quem corre o risco e cria soluções que melhoram a sociedade. Esse é o capitalismo que cria riquezas, distribui renda, reduz a pobreza e produz ciclos de crescimento.

E qual é a saída proposta pelos inimigos do capitalismo? Aumentar o tamanho do Estado, criar mais leis, mais regras, mais quotas, mais proteções, mais subsídios para impedir que os capitalistas gananciosos explorem os pobres proletários… Justamente os capitalistas gananciosos que são amigos do rei e se beneficiam do tamanho mastodôntico do estado! Quanto maior o Estado, mais complexas as leis e regulações, mais dificuldades, menos transparência, maiores os juros, menor acesso ao crédito pelos mais fracos… Mais vantagens para os amigos do rei.

Isso aqui ô ô… tem um jeitinho de Brasil iá iá…

Você está insatisfeito com seu banco? Com sua operadora de celular? Com a operadora de TV a cabo? Com a montadora de seu carro? Com a companhia aérea? Com a seguradora? Sente-se explorado por eles? Sente que paga caro por produtos de baixa qualidade?  Que seus direitos não são respeitados? Eu também me sinto assim… ô capitalismo desgraçado… e veja que curioso… essas são algumas das áreas mais regulamentadas pelo Estado!

Afaste delas a mão peluda do Estado, acabe com os subsídios, tire as barreiras protecionistas, incentive o surgimento de concorrentes e você terá os melhores bancos, as melhores operadores de celular e tv a cabo, as melhores montadoras e seguradoras do mundo. Simplesmente porque se não oferecerem o melhor possível, seus cliente mudarão para o concorrente. Mas tem que existir um concorrente.

Só que aí não será mais Capitalismo de Estado nem de Compadres. Será Capitalismo de Mercado.

Coisa que o brasileiro não conhece.

Então, ao som de MIMIMI interpretado pelo grupo russo Serebro, que vamos arrumando as coisas pra sair no embalo. Escolhi essa música para encerrar o programa pra poupar energia de uns aí, viu…

O problema do Brasil nunca foi capitalismo, que aliás nunca existiu por aqui. O problema do Brasil é o Capitalismo de Estado e o dos Compadres.

Estiveram conosco o Juliano lá da Alemanha, Letícia Nicolielo, Osmar José Maguetas e o grupo Sérebro…

O Café Brasil só chega até você porque a Pellegrino, acreditou nele.

A Pellegrino, além de ser uma das maiores distribuidoras de auto e motopeças do Brasil, também distribui conhecimento sobre gestão, comunicação e outras coisas legais em sua página em facebook.com/pellegrinodistribuidora. Conheça. E se delicie.

Pellegrino distribuidora. Conte com a nossa gente.

O Café Brasil tem apoio do Itaú Cultural e do Auditório Ibirapuera. De onde veio este programa tem muito mais. Visite o portalcafebrasil.com.br para ler artigos, para acessar o conteúdo deste podcast e para visitar nossa lojinha.

Mande um comentário de voz pelo WhatSapp no 11 96789 8114. Quem fora do país ´é o: 55 11 96789 8114. E também estamos no Viber, com o grupo Podcast Café Brasil.

Só pra saber o que você que ainda não faz parte da Confraria Café Brasil está perdendo, olha só: cada um dos mais de 300 assinantes atuais do programa está recebendo semanalmente um presentinho. Ou um convite para um evento, ou então uma versão especial deste programa,  ou até então a versão exclusiva da música EPITÁFIO na gravação que a minha sobrinha Luciana Pires fez. Pois é.  Ninguém mais tem isso, só quem assina o programa, viu? Acesse podcastcafebrasil.com.br, clique no link CONTRIBUA e assine o Café Brasil para fazer parte da Confraria! Serão 10 reais mensais muito bem investidos.

E pra terminar então, uma frase de um tal Will Spencer que não sei bem quem é, mas devia ser brasileiro, olha só:

Eu respeito o governo da mesma forma que respeito qualquer outro predador perigoso que me vê como comida.