s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 633 – O Debate
Cafezinho 633 – O Debate
A partir do primeiro debate entre Trump e Biden em ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Porque escrevo

Porque escrevo

Luciano Pires -

Eu escrevo. Escrevo desde que me lembro, mesmo sem nunca ter sido um grande aluno de português. Meu domínio da gramática só dá pro gasto. Tenho dificuldades com vírgulas, com crases, com o porquê, o porque, o por que e o por quê e com diversos outros detalhes que fazem com que a cada publicação de um texto, um frio no estômago apareça: “Qual cagada fiz dessa vez?”

Acho que melhorei muito com o tempo e ainda vou melhorar, mas tomei a decisão de expor meu português claudicante quando me deparei com o mesmo tipo de angústia em outros escritores. A maioria, muito mais importantes do que jamais serei. Para não fugir à regra, encontrei conforto no mestre Rubem Alves, que um dia aliviou meu sono ao escrever assim:

“Cheguei onde estou por caminhos que não planejei. É um lugar feliz com o qual nunca sonhei. Nunca me passou pela ideia que eu viria a ser escritor… Sou ruim em gramática, erro a acentuação. E há mesmo uma pessoa que se dedicava a escrever-me longas cartas para corrigir meu português. Parou de escrever. Acho que desistiu. Como é bem sabido, sou um mau aluno, especialmente quando o professor quer ensinar-me coisas que eu não quero aprender. Pena que o dito professor voluntário, nunca tivesse feito comentário algum sobre o que eu escrevia…“

Rubem nunca entendeu a razão de alguém comentar os erros de português e não comentar o conteúdo do texto. Mas isso é uma escolha. Ou não?

E então recebo um email assim: “Luciano, sou advogada na cidade de Franca/SP, e lhe escrevi há muito tempo sobre um processo em que a TIM enviou um aparelho celular sem o consentimento da minha cliente. Além disso, a referida empresa telefônica emitiu várias faturas, sendo que ainda negativou o nome dela. Por causa disso, ingressamos com uma ação declaratória de inexigibilidade de débito cumulada com pedido de indenização por danos morais em 2008. Uma semana após ter ingressado com a ação, li um artigo seu chamado “A Vendetta” em que você disse ter publicado um texto reclamando da TIM, que tentava lhe empurrar um telefone celular que você não havia pedido. Juntei dois artigos que você escreveu sobre o fato e tenho certeza que eles auxiliaram o convencimento do juiz que, depois de 4 anos, proferiu a sentença em favor da minha cliente, condenando a empresa TIM a pagar o valor de R$ 10.000,00 que atualizados chegaram no quantia de R$ 14.077,76. Demorou bastante, mas a justiça foi feita (atente-se que a minha cliente era idosa e tinha prioridade no julgamento do processo).”

Pois é… Nunca tenho ideia do que acontece com um texto depois que ele é lançado para o mundo. Sei que tem gente que gosta, tem gente que detesta e eventualmente tem gente que faz o que fez a advogada acima, dando uma utilidade que eu jamais imaginaria a um simples desabafo. É então que as minhas vírgulas mal colocadas, concordâncias discordantes e pontuações sôfregas perdem importância diante do impacto causado pelo texto.

Como diz meu amigo Minás, “a língua é feita por quem fala e por quem escreve. Aos gramáticos só resta tentar botar ordem na suruba. E aos filólogos, cavucar origens, paleontologicamente.”

O jeito é continuar estudando e aprendendo. Quero escrever cada vez mais corretamente, quero respeitar a gramática, mas sem deixar que a busca pela perfeição me cale.

O final daquele texto de Rubem Alves é meu mote de vida:

“Concordo mesmo é com Patativa do Assaré: ‘É melhor escrever errado a coisa certa do que escrever certo a coisa errada …’”.

Luciano Pires