s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Resumindo meu artigo anterior

Resumindo meu artigo anterior

Jota Fagner - Origens do Brasil -

A proposta de Antonio Gramsci era ambiciosa, ocupar os espaços de produção e disseminação de conteúdo. Universidades, jornais, púlpitos, emissoras de rádio, etc.

Sua ideia, no entanto, não era de tudo original. Vários pensadores já haviam percebido a importância desses espaços para o controle da opinião pública. No Brasil, muito antes de Gramsci ser amplamente conhecido, o jornalista Júlio de Mesquita Filho já propunha a criação de uma universidade que servisse de instrumento para conservar a hegemonia da classe dominante. Ele mesmo, sendo representante dessa classe, achava o branco superior ao negro, achava que a República brasileira não deveria ter acontecido – em sua opinião, melhor seria continuarmos no regime monárquico – e era do seu interesse manter a plebe longe das decisões que norteavam o País.

Repito aqui sua justificativa para ter criado a Universidade de São Paulo (USP):

Vencidos pelas armas, sabíamos perfeitamente que só pela ciência e pela perseverança no esforço voltaríamos a exercer a hegemonia que durante longas décadas desfrutáramos no seio da Federação. Paulista até a medula, herdáramos da nossa ascendência bandeirante o gôsto pelos planos arrojados e a paciência necessária à execução dos grandes empreendimentos. Ora, que maior monumento poderíamos erguer aos que haviam consentido no sacrifício supremo para preservar contra o vandalismo que acabava de aviltar a obra de nossos maiores, das bandeiras à independência e da Regência à República, do que a Universidade? Atribuíamos à incapacidade dos que se haviam apossado dos destinos da Nação os erros sem número que nos levaram, com a fatalidade das leis incoercíveis, da proclamação da República à revolução de 30 e, desta, ao levante constitucionalista. Para não faltar ao compromisso que havíamos assumido com o grande movimento, lançamo-nos à tarefa que, não fora essa epopéia com que São Paulo reassumiu o seu papel histórico no quadro da Federação, jamais lograríamos tornar uma realidade. E ela aí está. Não quiseram tal qual a ideamos. Nem por isso, entretanto, estamos certos, deixou o decreto de 25 de janeiro de 1934 de assinalar nos fatos da Nacionalidade o maior acontecimento cultural da sua história (MESQUITA FILHO, J., 1969, p.198 – 199).

 

Em resumo, o que ele diz é: já que não foi possível vencer pela força, tentamos pelos meios culturais. Isso é muito Antonio Gramsci, não é verdade? Mas a criação da USP é de 1934. A primeira menção escrita a Gramsci só aconteceria um ano depois. Não querendo desmerecer a genialidade do articulista sardo, mas parece que ele estava combatendo fogo com fogo. É claro que ele aperfeiçoou o processo, deu certo refinamento, mas a ideia central já era utilizada por aqueles aos quais ele combatia.

Exponho tudo isso para colocar em perspectiva essa história. Gramsci estava combatendo o fascismo. Não digo que o comunismo fosse muito melhor, mas era a opção que ele conhecia.

Se publiquei aqui um denso e longo artigo em formato acadêmico (ver Júlio de Mesquita Filho e a contrarrevolução cultural), não o fiz por questões narcísicas. Queria apenas demonstrar o quanto essas questões são complexas.

Alguns podem argumentar que eu deveria ter dado exemplos de oposição na Itália daquele período, em vez de buscar uma referência brasileira. Mas a oposição italiana era o fascismo, como eu acabei de mencionar. Não acho que eu precise explicar o quanto esse regime poderia ser perigoso.

O caso do Mesquita Filho é diferente. Ele foi uma figura importante no cenário nacional. Criou a USP, combateu na Revolução de 1932, foi preso e exilado duas vezes, teve uma universidade batizada com seu nome – a UNESP. Em suma, é uma espécie de herói nacional. No entanto, algumas de suas ideias são extremamente questionáveis.

Nem sempre as explicações rápidas e sucintas dão conta de abranger a complexidade social. Sei que muitos vão me acusar de ser ideólogo do comunismo, mas isso só prova o nível da incompreensão.

José Fagner Alves Santos

 

Referência

MESQUISTA FILHO, Julio de. Um esboço de autobiografia. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 13 jul. 1969, p.9-10.

Ver Todos os artigos de Jota Fagner