s
Portal Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
Café Brasil 931 – Essa tal felicidade
A Declaração de Independência dos Estados Unidos foi um ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Criatividade, destruição criativa e inteligência artificial   “O capitalismo é, essencialmente, um processo de mudança econômica (endógena). O capitalismo só pode sobreviver na ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Sherpas

Sherpas

Luciano Pires -

 

Na China, eles são conhecidos comp Xiaerba, apesar de o governo chinês classificá-los como membros do povo tibetano. Na língua xerpa, shyar significa “leste”; pa é o sufixo significando ‘povo’: daí a palavra shyarpa ou xerpa. Nos anos recentes, muitos xerpas migraram para a Índia.

A maioria dos xerpas vive nas regiões orientais do Nepal: Solu, Khumbu ou Pharak. No entanto, alguns vivem mais a oeste, no vale Rolwaling e na região de Helambu, ao norte de Katmandu. Pangboche é a mais antiga vila xerpa do Nepal, e acredita-se ter sido construída há mais de 300 anos. Os xerpas falam sua língua própria, que se assemelha a um dialeto do tibetano. Eles são por tradição comerciantes e fazendeiros, cultivando seus campos de batatas, cevada e trigo. Alguns vivem perto de Namche Bazaar. Os Jirels, povo originário de Jiri, têm parentesco étnico com os xerpas. Diz-se que os Jirels são descendentes de uma mãe xerpa e de um pai Sunuwar (outro grupo étnico da parte oriental do Nepal. Na Índia, os xerpas também vivem nas cidades de Darjeeling e Kalimpong, bem como no Estado indiano de Sikkim.

Tradicionalmente (embora não seja seguido sempre), os nomes dos homens sherpa refletem freqüentemente o dia da semana em que nasceram:

Os sherpas foram de um valor incomensurável para os primeiros exploradores da região do Himalaia, servindo de guias e carregadores nas altitudes extremas dos picos e passos da região. Hoje em dia, o termo foi estendido para se aplicar a praticamente qualquer guia ou carregador empregado pelas expedições que se aventuram pelo Himalaia. No entanto, no Nepal, os sherpas insistem freqüentemente em fazer uma distinção entre eles mesmos e os carregadores normais, já que eles têm também um papel de guias e reclamam salários mais elevados e maior respeito da comunidade. É freqüente ver-se o termo genérico “sherpa”, significando “guia”, escrito em minúsculas, em contraste com o termo “Sherpa”, com inicial maiúscula, significando o grupo étnico.

Os sherpas são conhecidos no mundo da montanha e da escalada por sua resistência, conhecimento e experiência em altas altitudes. Eles ganharam tal reputação principalmente porque, apesar do valor de seus serviços, o pagamento é insuficiente para muitos deles comprarem os modernos apetrechos de escalada utilizados pelos alpinistas ocidentais.

Muitos especularam que parte da capacidade extraordinária dos sherpas para o alpinismo deve-se a uma capacidade pulmonar superior adquirida geneticamente, permitindo um desempenho bem melhor a altas altitudes. Também sugeriu-se que uma das razões pelas quais eles eram largamente empregados como carregadores deve-se ao fato de terem menos restrições dietéticas do que as outras etnias da região, e estavam preparados para comer qualquer coisa que lhes fosse dada a comer durante as expedições.

Historicamente, o sherpa mais famoso é Tenzing Norgay, que escalou o monte Everest com Edmund Hillary pela primeira vez em 1953.

Dois sherpas, Pemba Dorjie e Lhakpa Gelu, competiram recentemente para determinar quem conseguiria escalar o Everest mais rapidamente. Em 23 de maio de 2003, Dorji alcançou o topo em doze horas e 46 minutos. Três dias depois, Gelu bateu esse recorde de duas horas, alcançando o pico em dez horas e 46 minutos. Em 21 de maio de 2004, Dorjie novamente melhorou a marca em mais de duas horas, com um tempo total de oito horas e dez minutos. Este feito pode ser considerado como uma das maiores façanhas da história do alpinismo.


Um Sherpa


Pemba Dorjie