s
Artigos Café Brasil
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

LíderCast 325 – Arthur Igreja
LíderCast 325 – Arthur Igreja
O convidado de hoje é Arthur Igreja, autor do ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Tamanho não é documento

Tamanho não é documento

Luciano Pires -

Em minha palestra “Tudo bem, se me convém”, conto que quando criança, lá por 1964, aprendi que o Brasil era a oitava economia do planeta. Oitava, que orgulho! A China era um país miserável, o Japão ainda estava se recuperando da destruição da II Guerra e Inglaterra e França eram potências indiscutíveis. E o Brasil… Bem, o Brasil era o gigante deitado eternamente em berço esplêndido. Mas era a oitava!

No começo de 2012 fomos surpreendidos com a notícia de que nos transformamos na sexta economia do planeta. E dá-lhe festa, com as declarações entusiasmadas dos de sempre.

O Brasil é um organismo vivo, composto de um território com mais de oito milhões de quilômetros quadrados, uma população de cerca de 200 milhões de pessoas, flora, fauna e acidentes geográficos e meteorológicos. A interação desses elementos entre si e com os elementos que compõem os outros organismos (países) é que define o que o Brasil é. Mas essas interações são extremamente complexas, sujeitas a “humores” e imprevisibilidades que tornam praticamente impossível prever como as coisas vão acontecer. E já que não dá para fazer uma leitura completa desse organismo, agimos como fomos treinados, traduzindo a realidade em números: quanta gente temos, quanto dinheiro ganhamos, quanto gastamos, quantos pobres, quantos ricos, e assim vamos. Uma dessas medidas chamamos de PIB – produto interno bruto, a expressão em valores monetários da soma de todos os bens e serviços produzidos num período. O PIB é uma medida universal com a qual comparamos os países. Ou os organismos. Mas é uma comparação quantitativa, nunca qualitativa, que trata um lutador de sumô exatamente como trata um peso pena…

É no PIB que somos o sexto maior do mundo!

Mas o que significa ser o sexto? Ou o quinto? O quarto? O que é afinal esse ranking que mede as maiores economias? Bem, é só isso: um ranking. Ele quantifica, não qualifica. O Brasil é a sexta maior economia do mundo, não é a sexta melhor economia do mundo, o que se reflete na medição do IDH – Índice de Desenvolvimento Humano, que nos coloca em 84ª. posição, atrás de Equador, Peru, Jamaica, Venezuela, Uruguai, Cuba e outras grandes potências.

Mas, repito, somos um organismo complexo. Fazer uma festa por causa do coração que está muito bem, sem considerar o fígado, o pulmão, os intestinos, o estômago, os rins, o cérebro, é uma estupidez. Nosso “órgão” educação está falido. O “órgão” saúde está muito mal. O “órgão” segurança parou de funcionar. O “órgão” infraestrutura está atrofiado. E assim vamos. Ter o sexto maior coração num organismo repleto de órgãos problemáticos significa o quê? Que existe um órgão grande dentro de um organismo doente. Nada mais que isso.

O sexto melhor dá a medida da qualidade, o sexto maior dá a medida da quantidade.

E 50 anos atrás também aprendi que tamanho não é documento.

Luciano Pires