s
Iscas Intelectuais
Corrente pra trás
Corrente pra trás
O que vai a seguir é um capítulo de meu livro ...

Ver mais

O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
O que é um “bom” número de downloads para podcasts?
A Omny Studio, plataforma global na qual publico meus ...

Ver mais

O campeão
O campeão
Morreu Zagallo. Morreu o futebol brasileiro que aprendi ...

Ver mais

O potencial dos microinfluenciadores
O potencial dos microinfluenciadores
O potencial das personalidades digitais para as marcas ...

Ver mais

Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
Café Brasil 935 – O que faz a sua cabeça?
É improvável – embora não impossível – que os ...

Ver mais

Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Café Brasil 934  – A Arte de Viver
Durante o mais recente encontro do meu Mastermind MLA – ...

Ver mais

Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
Café Brasil 933 – A ilusão de transparência
A ilusão de transparência é uma armadilha comum em que ...

Ver mais

Café Brasil 932 – Não se renda
Café Brasil 932 – Não se renda
Em "Star Wars: Episódio III - A Vingança dos Sith", ...

Ver mais

LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
LíderCast 329 – Bruno Gonçalves
O convidado de hoje é Bruno Gonçalves, um profissional ...

Ver mais

LíderCast 328 – Criss Paiva
LíderCast 328 – Criss Paiva
A convidada de hoje é a Criss Paiva, professora, ...

Ver mais

LíderCast 327 – Pedro Cucco
LíderCast 327 – Pedro Cucco
327 – O convidado de hoje é Pedro Cucco, Diretor na ...

Ver mais

LíderCast 326 – Yuri Trafane
LíderCast 326 – Yuri Trafane
O convidado de hoje é Yuri Trafane, sócio da Ynner ...

Ver mais

Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda Live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola
Segunda live do Café Com Leite, com Alessandro Loiola, ...

Ver mais

Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live Café Com Leite com Roberto Motta
Live inaugural da série Café Com Leite Na Escola, ...

Ver mais

Café² – Live com Christian Gurtner
Café² – Live com Christian Gurtner
O Café², live eventual que faço com o Christian ...

Ver mais

Café na Panela – Luciana Pires
Café na Panela – Luciana Pires
Episódio piloto do projeto Café na Panela, com Luciana ...

Ver mais

Rubens Ricupero
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Memórias de um grande protagonista   “Sem as cartas, não seríamos capazes de imaginar o fervor com que sentíamos e pensávamos aos vinte anos. Já quase não se escrevem mais cartas de amor, ...

Ver mais

Vida longa ao Real!
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Vida longa ao Real!   “A população percebe que é a obrigação de um governo e é um direito do cidadão a preservação do poder de compra da sua renda. E é um dever e uma obrigação do ...

Ver mais

A Lei de Say e a situação fiscal no Brasil
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
A Lei de Say e o preocupante quadro fiscal brasileiro   “Uma das medidas essenciais para tirar o governo da rota do endividamento insustentável é a revisão das vinculações de despesas ...

Ver mais

Protagonismo das economias asiáticas
Luiz Alberto Machado
Iscas Econômicas
Protagonismo das economias asiáticas   “Os eleitores da Índia − muitos deles pobres, com baixa escolaridade e vulneráveis, sendo que um em cada quatro é analfabeto − votaram a favor de ...

Ver mais

Cafezinho 632 – A quilha moral
Cafezinho 632 – A quilha moral
Sua identidade não vem de suas afiliações, ou de seus ...

Ver mais

Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
Cafezinho 631 – Quem ousa mudar?
O episódio de hoje foi inspirado num comentário que um ...

Ver mais

Cafezinho 630 – Medo da morte
Cafezinho 630 – Medo da morte
Na reunião do meu Mastermind na semana passada, a ...

Ver mais

Cafezinho 629 – O luto político
Cafezinho 629 – O luto político
E aí? Sofrendo de luto político? Luto político é quando ...

Ver mais

Trivium: Capítulo 4 – Classificação dos Termos (parte 2)

Trivium: Capítulo 4 – Classificação dos Termos (parte 2)

Alexandre Gomes - Iscas Conhecimento -

Continuando os resumos depois de um belo fim de ano, vou continuar detalhando mais sobre os o que são os termos e suas variedades. Perceba que isso é muito mais uma base de compreensão lógica das palavras do que uma lição gramatical. Ou seja, querida leitora ou gentil leitor, isso é muito mais uma ferramenta de compreensão de textos do que uma lição de análise morfológica.

Os Termos podem ser classificados das seguintes formas:

 

    1. Termos Empíricos e Termos Gerais:

a) Termo Empírico designa um INDIVÍDUO ou grupo de indivíduos, e o termo que simboliza deve ser um nome próprio ou uma descrição empírica. Ex.:a mesa nesta sala, Padre Anchieta.

b) Termo Geral também chamado termo universal, significa essência. Tais termos devem ser simbolizados por um nome comum ou descrição geral. Ex.: árvore, figura plana retilínea de três lados.

Ser capaz de distinguir entre um termo empírico e um termo geral é da mais alta importância. E não será um código gramatical a fonte para diferenciar tais termos, é preciso olhar através das palavras a REALIDADE SIMBOLIZADA.

Para diferenciar entre esses dois termos, pergunte se o termo se refere a uma categoria inteira de seres (geral), ou se a um indivíduo, ou indivíduos daquela categorias (empírico). Note os exemplos a seguir:

– Um pássaro tem penas (pássaro é um termo geral);

– Um pássaro voou pela minha janela (pássaro é um termo empírico);

– A dança foi até a meia-noite (dança é um termo empírico);

– A dança é uma forma de arte (dança é um termo geral).

    2. Termos Contraditórios Positivos e Termos Contraditórios Negativos:

a) Termo Positivo é aquele que expressa o que está presente na realidade.

b) Termo Negativo é aquele que expressa o que está ausente da realidade.

Atenção! Algumas palavras gramaticalmente negativas simbolizam termos logicamente positivos. Ex.: Infinito (ausência de limites conota – sugere – plenitude do ser); Impaciente (falta de paciência = mal-humorado, rabugento).

Um termo restritivo é um tipo de termo negativo, que expressa a PRIVAÇÃO, a AUSÊNCIA de uma característica de uma realidade que pertence à sua natureza e que deveria estar presente. Ex.: manco, cego, morto.

Um cão pode ser cego, já uma pedra não pode ser cega, pois a VISÃO não faz parte da natureza da pedra. (entendeu meu destaque acima sobre isso aqui ser mais sobre filosofia e lógica que simples gramática?)

    3. Termos Concretos e Termos Abstratos:

a) Termo concreto é aquele que representa realidades COMO ELAS SÃO NA ORDEM DO SER. Ex.: animal, veloz, suave, comprido, próximo (respectivamente as seguintes características Aristotélicas: ente, qualidade, tato, extensão e visão);

b) Termo abstrato é aquele que representa uma substância ou acidente, MENTALMENTE ABSTRAÍDO DA REALIDADE CONCRETA e considerado, pra ser enfático, como um objeto do pensamento. Para tal, é representado por um substantivo ABSTRATO. Ex.: animalidade, velocidade, suavidade, comprimento, proximidade.

E cabe um reforço: os termos abstratos são importantes porque são mais claros para o intelecto, enquanto os termos concretos são mais vívidos para os sentidos.

    4. Termos Absolutos e Termos Relativos:

a) Termo absoluto é aquele que pode ser entendido por si mesmo sem referência a outro termo. Ex.: homem, árvore, vermelho, sólido.

b) Termo relativo é um dos dois termos, numa relação em que cada um (dos termos) deve ser entendido com referência ao outro. Ex.: marido, mulher; pais, filhos; causa, efeito.

Termos relativos são correlativos em são SEMPRE ABSOLUTOS EM PELO MENOS UMA DAS CATEGORIAS (do Ser de Aristóteles). O normal são as categorias de ação ou paixão, pois uma destas é o mais frequente elo pelo qual os dois termos estão relacionados um ao outro. Por exemplo a relação professor e aluno.

Detalhando este último exemplo:

Professor é um termo que tem significado nas seguintes categorias:

      • substância: homem,
      • qualidade: conhecimento e a habilidade de comunicá-lo,
      • relação: a um aluno,
      • ação: comunicar conhecimento.

Aluno é um termo que tem significado nas seguintes categorias:

      • substância: homem,
      • qualidade: ignorância,
      • relação: a um professor,
      • paixão: receber conhecimento,

    5. Termos Coletivos e Termos Distributivos:

a) Termo coletivo é aquele que pode ser aplicado APENAS a um grupo considerado como tal, mas não aos membros do grupo tomados isoladamente. Ex.: Exército, júri, rebanho, multidão. Ex.: Juliana pode ser membro do júri, mas não pode ser o júri)

O uso COLETIVO exige que o verbo (ou cópula) e os pronomes estejam no singular. Imagino que você irá dizer que isso é óbvio, claro!. Mas quero que note que essa obviedade vale para outras gramáticas, além da latina. Veja o que falei na língua inglesa:

“The audience SHOWS ITS pleasure by demanding encore after encore”.

Perceba! “audience” (público) é um termo coletivo, o que levou o verbo “to show” (mostrar) se flexionar na segunda pessoa do singular neutra “it”, vem semelhante ao que faríamos no Português. Uma tradução da frase acima seria a seguinte:

“O público MOSTRA SEU prazer exigindo bis após bis”

b) Termo distributivo é aquele que PODE ser aplicado a membros individuais de um grupo tomado isoladamente. Por exemplo: homem é aplicável a qualquer indivíduo como também é aplicável à espécie homem.

Já o uso DISTRIBUTIVO exige que o verbo (ou cópula) e os pronomes estejam no plural. Nesse caso, na língua Portuguesa, essa distinção não se aplica, pois os coletivos SEMPRE são empregados no singular.

 

DIFERENÇA ENTRE TERMOS:

Conforme o princípio fundamental da diferença, os termos podem ser diferentes categoricamente, genericamente, especificamente ou individualmente.

  • Os termos são CATEGORICAMENTE diferentes se estão em categorias (do Ser, de Aristóteles) diferentes: Ex.: maçã, grande, vermelho, agora;
  • Os termos são GENERICAMENTE diferentes se pertencem a gêneros diferentes NA MESMA CATEGORIA. Ex.: redondo, liso, azedo.
  • Os termos são ESPECIFICAMENTE diferentes se pertencem a diferentes espécies DE UM MESMO GÊNERO. Ex.: vermelho, azul, amarelo, ou cedro, carvalho, ipê.
  • Os termos são INDIVIDUALMENTE diferentes se designam INDIVÍDUOS DA MESMA ESPÉCIE, pois todo indivíduo é único. Ex.: esta mulher, minha mãe, o rio Amazonas, o rio Capibaribe, o rio Tefé.

Outra forma de diferença é a Diferença pela Natureza: repugnante ou não-repugnante.

Os termos são repugnantes quando são INCOMPATÍVEIS, isto é, quando significam realidades que são mutuamente excludentes, pois não podem coexistir na mesma substância ao mesmo tempo e no mesmo período.

E perceba que termos que são categoricamente diferentes ou genericamente diferentes NÃO SÃO necessariamente repugnantes, pois com frequência significam realidades que coexistem na mesma substância. Lembre do exemplo do Professor e Aluno acima.

 

Outros tipos de termos que são necessariamente repugnantes:

  • termos individualmente diferentes. (um indivíduo não pode ser ele e outro ao mesmo tempo!);
  • termos que são especificamente diferentes. (pinheiro, cedro, cão, pedra, quadrado, círculo);
  • termos contraditórios. (branco, não-branco).

 

E agora um destaque é importantíssimo. Termos contrários representam extremos de diferença. Nem todo termo tem um CONTRÁRIO. Ex.: não há contrário nos seguintes gêneros: animal, árvore, formato.

De grande importância é a distinção entre termos contrários e TERMOS CONTRADITÓRIOS. Não há meio-termo nem nenhuma área comum entre termos CONTRADITÓRIOS. Veja, ou tudo é branco ou é não-branco. Assim, todo par de termos CONTRADITÓRIOS faz uma dicotomia, isto é, divide TUDO exatamente em dois, não deixando nada em comum entre os termos.

Em termos contrários um meio-termo. Ex.: nem tudo precisa ser branco ou preto (termos contrários entre si), pode ser cinza, azul, amarelo… (e só para ajudar a fixar os conceitos, estas cores todas são não-branco).

Note que todo termo TEM O SEU CONTRADITÓRIO, nem todo termo tem um contrário.

Ver Todos os artigos de Alexandre Gomes